O padrão entoacional das sentenças interrogativas parciais do português brasileiro em fala manipulada

Carolina Carbonari Rosignoli

Resumo


Este artigo tem por objetivo investigar padrões entoacionais de enunciados interrogativos parciais do dialeto paulista do português brasileiro, visando a caracterização prosódica dos diferentes tipos frásicos de enunciados interrogativos parciais. Este trabalho tem como base a teoria da Fonologia Entoacional (PIERREHUMBERT, 1980; PIERREHUMBERT; BECKMAN, 1988; LADD, 1996, 2008; JUN, 2005) numa visão integrada com a Fonologia Prosódica (SELKIRK, 1984; NESPOR; VOGEL, 1986). Um corpus inédito, obtido por gravação em tarefa de leitura controlada, foi transcrito e analisado entoacionalmente. Em acréscimo às pesquisas de Frota et al. (2011) e Moraes (2008), os resultados da presente pesquisa revelam que variações dos contornos nuclear e total são distintivas na configuração prosódica de cada tipo frásico.


Palavras-chave


português brasileiro; fonologia; prosódia; sentenças interrogativas parciais

Texto completo:

PDF

Referências


BOERSMA, P.; WEENINK, D. Praat: Doing Phonetics by Computer [Computer program]. Version 5.3. 82. 2014. Disponível em: . Acesso em: 27 jun. 2015.

CRUZ, M.; FROTA, S. Prosódia dos tipos frásicos em variedades do Português Europeu: produção e percepção. Textos Seleccionados, XXVI Encontro da Associação Portuguesa de Linguística, Lisboa, APL, p. 208-225, 2011.

FERNANDES, F. R. Tonal association in neutral and subject-narrow-focus sentences of Brazilian Portuguese: a comparison with European Portuguese. Journal of Portuguese Linguistics, v. 6, n. 1, p. 91-115, 2007a.

______. Ordem, focalização e preenchimento em português: sintaxe e prosódia. 2007b. 415 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007b.

FERNANDES-SVARTMAN, F. R. A entoação das sentenças clibadas em português brasileiro e a interface sintaxe-fonologia. Filologia e linguística portuguesa, n. 14(1), p. 37-56, 2012.

FROTA, S. (Coord.). InAPoP – Interactive Atlas of the Prosody of Portuguese. Projeto de investigação científica (processo FCT PTDC/CLE-LIN/119787/2010). Universidade de Lisboa, 2012-2014.

FROTA, S.; CRUZ, M.; SVARTMAN, F.; VIGÁRIO, M.; COLLISCHONN, G.; FONSECA, A.; SERRA, C.; SCHWINDT, L. C. Portuguese: Labelling intonational variation across varieties of European and Brazilian Portuguese. Workshop on Romance ToBI, Universitat Rovira i Virgili, 2011.

FROTA, S.; CRUZ, M.; FERNANDES-SVARTMAN, F.; COLLISCHONN, G.; FONSECA, A.; SERRA, C.; OLIVEIRA, P.; VIGÁRIO, M. Intonational variation in Portuguese: European and Brazilian varieties. In: FROTA, S.; PRIETO, P. (Eds.). Intonational variation in Romance. Oxford: Oxford University Press, 2015, p. 235-283. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2015.

FROTA, S.; VIGÁRIO, M. Aspectos de prosódia comparada: ritmo e entoação no PE e no PB. In: CASTRO, R. V.; BARBOSA, P. (Org.). Actas do XV Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística. v. 1. Coimbra: Associação Portuguesa de Linguística, p. 533-555, 2000. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2015.

JUN, S-A. Prosodic Typology – The Phonology of Intonation and Phrasing. New York: Oxford University Press, 2005.

LADD, D. R. Intonational Phonology. Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

______. Intonational Phonology. 2nd edition. Cambridge: Cambridge University Press, 2008.

MATEUS, M. H. M.; BRITO, A. M.; DUARTE, I.; FARIA, I. H.; FROTA, S.; MATOS, G.; OLIVEIRA, F.; VIGÁRIO, M.; VILLALVA, A. Gramática da Língua Portuguesa. 5. ed. Lisboa: Ed. Caminho, 2003. p. 460-479.

MIOTO, C.; KATO, M. As interrogativas Q do português europeu e do português brasileiro atuais. Revista da ABRALIN, v. 4, n. 1 e 2, p. 171-196, dez. 2005.

MORAES, J. The Pitch Accents in Brazilian Portuguese: analysis by synthesis. Laboratório de Fonética Acústica, Faculdade de Letras UFRJ/Faculdade de Letras UFRJ/CNPq, 2008.

NESPOR, M.; VOGEL, I. Prosodic Phonology. Dordrecht: Foris Publications, 1986.

______. Prosodic Phonology: with a new foreword. Berlin: Mouton de Gruyter, 2007.

PIERREHUMBERT, J. The phonology and phonetics of English intonation. 1980. 402 f. Tese (Doutorado em Filosofia) – Massachusetts Institute of Technology, Cambridge, Mass, 1980.

PIERREHUMBERT, J.; BECKMAN, M. Japanese Tone Structure. Cambridge, Mass.: The Massachusetts Institute of Technology Press, 1988.

ROSIGNOLI, C. C.; FERNANDES-SVARTMAN, F. R. O padrão entoacional das sentenças interrogativas do português brasileiro em fala manipulada. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 45, n. 1, p. 60-72. 2016.

SELKIRK, E. O. Phonology and syntax: The relation between sound and structure. Cambridge: The Massachusetts Institute of Technology Press, 1984.

______. On derived domains in sentence phonology. Phonology Yearbook, n. 3, p. 371-405, 1986.

______. The interaction of constraints on prosodic phrasing. In: HORNE, M. (Ed.). Prosody: Theory and Experiment. Netherlands: Kluwer Academic Publishers, 2000. p. 231-261.

SERRA, C. R. Realização e percepção de fronteiras prosódicas no português do Brasil: fala espontânea e leitura. 2009. 241 f. Tese (Doutorado em Letras Vernáculas) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

TENANI, L. E. Domínios prosódicos no português do Brasil: implicações para a prosódia e para a aplicação de processos fonológicos. 2002. 331 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

TRUCKENBRODT, H.; SANDALO, M. F. S.; ABAURRE M. B. M. Elements of Brazilian Portuguese intonation. Journal of Portuguese Linguistics, v. 8, p. 75-114, 2009.

VIGÁRIO, M.; FERNANDES-SVARTMAN, F. R. A atribuição de acentos tonais em compostos no português do Brasil. In: BRITO, A. M.; SILVA, F.; VELOSO, J.; FIÉIS, A. (Org.). XXV Encontro da Associação Portuguesa de Lingüística – Textos Seleccionados. Porto: Tip. Nunes, Ltda – Maia, 2010. v. 1, p. 769-786.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v46i1.1633

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)