Fronteiras da variação sociolinguística: grau de hipoteticidade e alternância verbal em construções condicionais

Sílvia Maria Brandão

Resumo


Com base nos princípios da Sociolinguística Variacionista (WEINREICH; LABOV; HERZOG, 1968; LABOV, 1994, 2001, 2008 [1972]), pretende-se descrever e compreender a alternância entre formas verbais (simples e/ou perifrásticas) que se encontram em sentenças condicionais encabeçadas pela conjunção SE e que repousam sob a noção de irrealis (GIVÓN, 1995). O objetivo principal deste artigo é pensar a correlação entre o fenômeno da alternância verbal e grupos de fatores linguísticos ligados à semântica da construção condicional: (i) grau de hipoteticidade; (ii) momento de referência e (iii) ambiente sintático. Indo da semântica à pragmática, a análise prévia pode fornecer pistas acerca do estatuto dessa alternância verbal (variação ou não). 


Palavras-chave


grau de hipoteticidade; alternância verbal; variação sintática

Texto completo:

PDF

Referências


BORTONI-RICARDO, E. M. Manual de Sociolinguística. São Paulo: Editora Contexto, 2014.

BRANDÃO, S. M. A alternância entre Futuro do pretérito e Pretérito imperfeito com conotação hipotética em contextos formais de fala. Relatório Final. PIBIC/CNPq, 2014.

CÂMARA JR., J. M. Uma forma verbal portuguesa: estudo estilístico gramatical. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1956.

COSTA, A. L. P. A Variação entre formas de futuro do pretérito e de pretérito imperfeito no português informal do Rio de Janeiro. 1997. 199 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1997.

______. O futuro do pretérito e suas variantes no português do Rio de Janeiro: Um estudo diacrônico. 2003. 151 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2003.

FREITAG, R. M. K. A expressão do passado imperfectivo no português: variação/gramaticalização e mudança. 2007. 238 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007.

GIVÓN, T. Functionalism and Grammar. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 1995.

GONÇALVES, S. C. L. Banco de dados Iboruna: amostras eletrônicas do português falado no interior paulista. Disponível em: . Acesso em: 08 set. 2015.

GUY, G.; ZILLES, A. Sociolinguística Quantitativa – instrumento de análise. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

HIRATA-VALE, F. B. M. A hipotaxe adverbial condicional no português escrito contemporâneo do Brasil. 1999. 231 f. Dissertação (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 1999.

______. Articulação de orações no português escrito no Brasil: as orações condicionais. SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 5, n. 9, p. 126-142, 2001.

______. A expressão da condicionalidade no português escrito do Brasil: contínuo semântico-pragmático. 2005. 149 f. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2005.

ILARI, R.; BASSO, R. M. O verbo. In: ILARI, R.; NEVES, M. H. M. (Org.). Gramática do Português Culto Falado no Brasil. v. 1: Classes de palavras e processos de construção. Campinas: UNICAMP, 2008. p. 163-364.

KOBASHI, S. M. Semanticização e discursivização das construções condicionais no português popular falado na cidade de São Paulo. Filol. linguíst. port., n. 13(1), p. 127-145, 2011.

LABOV, W. Where do grammars stop? In: SHUY, R. W. Sociolinguistics, Current Trerids and Perspectives. Washignton, DC: George Torun University Press, 1973. p. 43-48.

______. Padrões Sociolinguísticos. São Paulo: Parábola Editorial, 2008 [1972].

______. Principles of Linguistic Change. v. 1: Internal Factors. Cambridge, MA/Oxford: Blackwell Publishers, 1994.

______. Principles of Linguistic Change. v. 2: Social Factors. Cambridge, MA/Oxford: Blackwell Publishers, 2001.

LAVANDERA, B. Variación y significado. Buenos Aires: Lachette, 1984.

______. Where does the sociolinguistic variable stop? Language in Society, Cambridge, v. 7, p. 171-182, 1978.

MACEDO, A. O uso do FS em português: regularização de uma forma verbal. 1980. 166 f. Tese (Doutorado em Línguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1980.

MARTIN, R.; NEF, F. Le futur linguistique: temps linéaire ou temps ramifié? Languages 64, Special isssue on grammatical tense, p. 81-92, 1981.

MATEUS, M. H. M. et al. Gramática da língua portuguesa. 6. ed. Lisboa: Caminho, 2003.

MILROY, L.; GORDON, M. Sociolinguistics: method and interpretation. 4. ed. Oxford: Blackwell Publishing, 2003.

NEVES, M. H. M. As construções condicionais. In: NEVES, M. H. M. (Org.) Gramática do Português Falado. v. VII: Novos Estudos. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP; Campinas: Editora da UNICAMP, 1999. p. 497-544.

______. Gramática de usos do Português. São Paulo: UNESP, 2000.

OLIVEIRA, F. A de L. et al. A alternância entre o futuro do pretérito e o pretérito imperfeito do indicativo em construções hipotéticas na fala de maceioenses. Letrônica, Porto Alegre, v. 6, n. 1, p. 248-268, jan./jul. 2013.

PAIVA, M. C. de; SCHERRE, M. M. P. Retrospectiva sociolingüística: contribuições do PEUL. DE LTA., 15 Especial, p. 201-232, 1999.

POPLACK, S.; LEALESS; A.; DION, N. The evolving grammar of the French subjunctive. Probus, 25 (1), p. 139-195, 2013.

REIS, D. L. Variação no uso do futuro do subjuntivo no PB: um estudo sociofuncionalista. In: Anais do VIII Encontro do Celsul, Porto Alegre: UFRGS, 2008.

______. O uso do futuro do subjuntivo: um estudo funcionalista sobre verbo e modalidade. 2010. 166 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010.

ROMAINE, S. On the problem of syntactic variation and pragmatic meaning in Sociolinguistic Theory. Folia Linguística, 18 (3-4), p. 409-437, 1984.

SANKOFF, D.; TAGLIAMONTE, S.; SMITH, E. Goldvarb X: A variable rule application for Macintosh and Windows. Department of Linguistics, University of Toronto, 2005.

SANKOFF, G. Above and beyond phonology in variable rules. In: SANKOFF, G. The Social life of language. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1980.

SANKOFF, D. Sociolinguistics and Syntactic Variation. In: NEWMEYER, F. (Ed.). Linguistics: the Cambridge survey IV. London: Cambridge University Press, 1988. p. 140-161.

SILVA-CORVALÁN, C. Sociolingüistica y pragmática del español. Washington: Georgetown University Press, 2001.

SOUSA, F. C. A variação de usos entre pretérito imperfeito e futuro do pretérito do indicativo na expressão de hipótese. Gatilho, Revista do Programa de Pós-Graduação em Linguística: UFJF, v. 6, p. 1-16, 2007.

TAGLIAMONTE, S. Analysing Sociolinguistic Variation. New York: Cambridge University Press, 2006.

TAPAZDI, J.; SALVI, G. A Oração Condicional no Português Falado em Portugal e no Brasil. DELTA [online], v. 14, n. esp, [n.p], 1998. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2015.

TARALLO, F. A pesquisa sociolinguística. São Paulo: Ática, 2007 [1985].

TESCH, L. M. A Variação entre as formas do Futuro do Pretérito e Pretérito Imperfeito do Indicativo na Fala Capixaba. PERcursos Linguísticos, Vitória – ES, v. 2, n. 1,

p. 89-109, 2011.

TRAVAGLIA, L. C. Um estudo textual – Discurso do Verbo no Português do Brasil. 1991. 264 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1991.

______. O Discurso do uso do Pretérito imperfeito do Indicativo no Português. Caderno de Estudos Linguísticos, Universidade Federal de Uberlândia, n. 12, p. 61-98. 1987. Disponível em: . Acesso em: 03 fev. 2014.

WEINREICH, U.; LABOV, W.; HERZOG, M. Fundamentos Empíricos para uma Teoria da Mudança Linguística. São Paulo: Parábola, 2006 [1968].




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v46i1.1667

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)