A toponímia no estado de Minas Gerais: estudo dos zootopônimos

Cassiane Josefina de Freitas

Resumo


Este artigo trata de estudo descritivo preliminar – linguístico e cultural – dos topônimos (nomes próprios de lugar) de índole animal presentes no estado de Minas Gerais. A exuberância da fauna brasileira, assim como seu papel fundamental à sobrevivência dos primeiros indivíduos, é revelada no expressivo número de topônimos de origem animal. Com a intenção de verificar a preferência regional pelo emprego sistemático dessas denominações em território mineiro, surgiu a ideia de desenvolver o presente trabalho.


Palavras-chave


cultura; léxico toponímico; zootoponímia

Texto completo:

PDF

Referências


BIDERMAN, M. T. C. Dimensões da palavra. In: MEGALE, H. (Org.). Filologia e Linguística Portuguesa. n. 2. São Paulo: Humanitas, FFLCH/USP, 1998. p. 81-118.

________. As ciências do léxico. In: OLIVEIRA, A. M. P. P. de; ISQUERDO, A. N. As ciências do léxico: Lexicologia, Lexicografia, Terminologia. Campo Grande: Ed. da UFMS, 2001.

________. A estrutura mental do léxico. In: Estudos de Filologia. São Paulo: T. A. Queiroz/EDUSP, 1981. p. 131-145.

CARVALHINHOS, P. de J. Onomástica e lexicologia: o léxico toponímico como catalisador e fundo de memória. Estudo de caso: os sociotopônimos de Aveiro (Portugal). Revista da USP, São Paulo, n. 56, p. 172-179, dez./fev. 2002-2003.

CARVALHINHOS, P. J.; ANTUNES, A. M. Princípios teóricos de toponímia e antroponímia: a questão do nome próprio. In: Cadernos do CNLF, v. XI, n. 02, [n.p.], 2007. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2016.

CARVALHO, A. P. M. Hagiotoponímia em Minas Gerais. 2014. 822 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014.

COSERIU, E. O homem e sua linguagem. Rio de Janeiro: Presença, 1982.

CRISTIANINI, A. C.; ENCARNAÇÃO, M. R. T. A contribuição dos estudos sociogeolinguísticos para a escolha lexical na recepção e produção de textos orais e escritos. Cadernos do CNLF (CiFEFil), v. XII, p. 10-17, 2008.

CUNHA, A. G. da; MELLO SOBRINHO, C. Dicionário etimológico Nova Fronteira da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

DAUZAT, A. Les noms de lieux. Paris: Delagrave, 1926.

DICK, M. V. P. A. Métodos e Questões Terminológicas na Onomástica. Estudo de Caso: O Atlas Toponímico do Estado de São Paulo. In: Investigações Linguísticas e Teoria Literária. v. 9. Recife, UFPE: 1999. p. 119-148.

________. Rede de conhecimento e campo lexical: hidrônimos e hidrotopônimos na onomástica brasileira. In: As Ciências do Léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. Campo Grande: Ed. da UFMS, 2004. p. 121-130.

________. Fundamentos Teóricos da Toponímia. Estudo de caso: o Projeto ATEMIG – Atlas Toponímico do estado de Minas Gerais (variante regional do Atlas Toponímico do Brasil). In.: SEABRA, M. C. T. C. (Org.). O léxico em estudo. Belo Horizonte: Faculdade de Letras/UFMG, 2006. p. 91-117.

________. Toponímia e Antroponímia no Brasil. Coletânea de Estudos. 2. ed. São Paulo: FFLCH/USP, 1990.

DURANTI, A. Antropologia Linguística. Tradução espanhola de Pedro Tena. Madrid: Cambridge University Press, 2000.

FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1986.

GREGÓRIO, J. Contribuição Indígena ao Brasil. Juiz de Fora: Esdeva Empresa Gráfica Ltda, 1980 (3 volumes).

HOUAISS, A. Dicionário Eletrônico Houaiss da língua portuguesa. Editora Objetiva Ltda, 2007.

ISQUERDO, A. N.; CASTIGLIONI, A. C. Em busca de modelo de dicionário onomástico toponímico. In: ISQUERDO, A. N.; FINATTO, M. J. B. As ciências do léxico: Lexicologia, Lexicografia, Terminologia. Campo Grande: Ed. da UFMS; Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2010. p. 291-310.

KRIEGER, M. G. Lexicografia: o léxico no dicionário. In: SEABRA, M. C. T. C. de (Org.). O Léxico em Estudo. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2006. p.157-171.

LABOV, W. On the use of the present to explain the past. In: HEILMANN, L. Proceedings of the XIth International Congress of Linguistics. Bologna: Mulino, 1974. p. 825-851.

LYONS, J. Introdução à linguística teórica. São Paulo: Cia. Ed. Nacional, 1979.

MATORÉ, G. La méthode en lexicologie. Domaine Française. Paris: Didier, 1953.

OLIVEIRA, A. M. P. P. O Português do Brasil: brasileirismos e regionalismos. 1999. 475 f. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 1999.

SALAZAR-QUIJADA, A. La Toponimia en Venezuela. Caracas: Universidad Central de Venezuela, Facultad de Ciencias Económicas y Sociales, 1985.

SAMPAIO, T. O Tupi na Geografia Nacional. 5. ed. São Paulo: Editora Nacional, 1987.

SAPIR, E. Linguística como ciência. Rio de Janeiro: Acadêmica, 1961.

SAUSSURE, F. Curso de Linguística Geral. 4. ed. São Paulo: Cultrix, 1972.

SEABRA, M. C. T. C. Referência e Onomástica. In: MAGALHÃES, J. S. de; TRAVAGLIA, L. C. (Org.). Múltiplas perspectivas em linguística: Anais do XI Simpósio Nacional e I Simpósio Internacional de Letras e Linguística (XI SILEL). Uberlândia: ILEEL, 2006. p. 1953-1960.

TARALLO, F. Pesquisa sociolinguística. 8. ed. São Paulo: Ática, 2007.

VASCONCELOS, J. L. Opúsculos: onomatologia. v. 3. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1931.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v46i1.1691

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)