A percepção dos paulistas sobre a realização dos verbos pronominais

Aline Camila Lenharo

Resumo


Este artigo apresenta dados heurísticos e empíricos sobre a percepção que um grupo de paulistas possui em relação à realização dos verbos pronominais (VP), especialmente os classificados como verbo+SEinerente. É motivado pelo fato de, no Brasil, haver peculiaridades (mesmo que consideradas marginais) relacionadas ao uso do clítico dos VP – tal como a possibilidade de supressão do clítico, como em “eu apaixonei por você” – que distinguem o português brasileiro da língua portuguesa falada em outras regiões do mundo, havendo diferenças mesmo dentro do país. Fundamenta-se em trabalhos variacionistas que procuram explicar essas peculiaridades em diferentes regiões do Brasil e em dados oriundos da aplicação de um questionário online. Através da observação dos dados, espera-se apontar para uma mudança linguística possivelmente em curso no português do Brasil.

Palavras-chave


verbos pronominais; clítico SE inerente; variação

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. Tradução de Michel Lahud e Yara F. Vieira. São Paulo: Hucitec, 1986.

______. Teoria do romance I: a estilística. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2015.

D’ALBUQUERQUE, A. C. R. C. A perda dos clíticos num dialeto mineiro. Tempo Brasileiro: sociolinguística e o ensino do vernáculo. Rio de Janeiro, v. 78/79, p. 97-121, 1984.

BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

FARACO, C. A. Linguística histórica: uma introdução ao estudo da história das línguas. São Paulo: Parábola, 2014.

FREITAG, R. M. K. Uma hipótese de gramaticalização do pronome reflexivo se na fala de Florianópolis. Working papers em Linguística. UFSC – CCE, Curso de Pós-Graduação em Linguística, Florianópolis: CPGLg, n. 7, p. 59-72, 2003.

_______. Análise quantitativa dos clíticos correferenciais na fala de Florianópolis e de Porto Alegre: discutindo evidências da afixação de SE. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE POLÍTICA LINGUÍSTICA NA AMÉRICA DO SUL (Cipla), 2006, João Pessoa (PB). Línguas e Povos: unidade e diversidade, p. 437-442, 2006.

GALVES, C. Ensaios sobre as gramáticas do português. Campinas: UNICAMP, 2001.

GONDIM, E. M. O uso do clítico na fala culta de Fortaleza. Entrepalavras, Fortaleza, a. 1, v. 1, n. 1, p. 37-47, ago./dez. 2011.

LABOV, W. Principles of linguistic change: internal factors. Oxford: Blackwell, 1994.

_______. Principles of linguistic change: social factors. Oxford: Blackwell, 2001.

_______. Padrões sociolinguísticos. São Paulo: Parábola, 2008.

LENHARO, A. C. Descrição léxico-gramatical e funcional dos verbos pronominais do português brasileiro com vistas à construção da base de verbos da wordnet brasileira e do alinhamento semântico desta à base de verbos da wordnet norte-americana. 2014. 279 f. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2014.

LIMA, B. F. Z. O percurso diacrônico das construções com o pronome se na Língua Portuguesa como um processo de gramaticalização. 2006. 130 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2006.

MADUREIRA, E. D. Variação nas construções pronominais dos verbos psicológicos: uma decorrência de diferentes percursos históricos. In: COHEN, M. A. A. M.; RAMOS, J. M. (Org.). Dialeto mineiro e outras falas: estudos de variação e mudança linguística. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2002.

MELLO, F. R. Acabou-se o que era doce, quem comeu se regalou-se: uma análise do clítico se em João Pessoa na interface Sociolinguística/Gramaticalização. 2009. 322 f. Tese (Doutorado) – Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2009.

MELO, N. S. S. O clítico se com valor reflexo ou recíproco: uma abordagem sociolinguística. 2005. 123 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Letras e Linguística, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2005.

MONTEIRO, J. L. Para compreender Labov. Petrópolis: Vozes, 2002.

NUNES, J. M. O famigerado SE: uma análise sincrônica e diacrônica das construções com SE apassivador e indeterminador. 1990. 170 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1990.

_______. Ainda o famigerado SE. DELTA, v. 11, n. 2, p. 201-240, 1995.

OLIVEIRA, M. Nós se cliticizou-se? In: LOBO, T.; RIBEIRO, I.; CARNEIRO, Z.; ALMEIDA, N. (Org.). Para a História do Português Brasileiro. v. VI: novos dados, novas análises. Salvador: EDUFBA, 2006. p. 413-425.

PEREIRA, A. L. D. Os pronomes clíticos do PB contemporâneo na perspectiva teórica da Morfologia Distribuída. 2006. 215 f. Tese (Doutorado em Linguística) – UFSC, Florianópolis, 2006.

PEREIRA, D. C. Variação e mudança no uso dos pronomes reflexivos no português popular da capital paulista: uma abordagem funcionalista e cognitivista. 2007. 350 f. Tese (Doutorado em Letras) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

RODRIGUES, Â. C. S.; PEREIRA, D. C. Pronomes reflexivos no português popular brasileiro. In: CONGRESO INTERNACIONAL DE LA ALFAL, 14. Monterrey (Mexico), 2005. Actas... Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2016.

SEARA, I. C. Estudo de uma hipótese semântico-pragmática para a omissão de clíticos pronominais. Letras de Hoje, Porto Alegre: PUCRS, v. 14, n. 119, p. 165-187, mar. 2000.

TARALLO, F. A pesquisa sociolinguística. São Paulo: Ática, 1994.

VILELA, M. Léxico e gramática. Coimbra: Livraria Almedina, 1995.

WEINREICH, U.; LABOV, W.; HERZOG, M. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. São Paulo: Parábola, 2006.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v46i1.1699

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)