Formação de professores e ensino de Português como Língua Adicional

Juliana Bertucci Barbosa, Deolinda de Jesus Freire

Resumo


Este artigo tem como objetivo apresentar o resultado de uma pesquisa com professores/alunos do Mestrado Profissional em Letras (PROFLETRAS) da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) sobre o ensino de Português como Língua Adicional. Segundo afirmam alguns autores, como Oliveira (2013), o crescimento da língua portuguesa no Brasil e no mundo fez com que os professores de português tivessem de se preparar para o desafio de pensar sua língua materna também como estrangeira e/ou adicional. Para conhecer a atual realidade do ensino da língua portuguesa como adicional na escola pública, iniciamos uma pesquisa com a proposta de mapear os conceitos que os professores têm em sua prática profissional sobre língua nacional, língua padrão, língua materna, língua estrangeira e diversidade linguística no Brasil. A partir desse mapeamento, propomo-nos a discutir sobre o conceito e a importância da língua adicional no ensino do português.


Palavras-chave


língua portuguesa; língua adicional; ensino de português

Texto completo:

PDF

Referências


BBPORTUGUESE. Translation Services. The Future of Portuguese. Nova Iorque, 2013. Disponível em: . Acesso em: 02 mar. 2016.

BRASIL. Certificado de proficiência em língua portuguesa para estrangeiros. Manual do examinando. Brasília: Ministério da Educação, 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2016.

CASTILHO, A. Desafios para a promoção e a internacionalização da língua portuguesa. Colóquio sobre A internacionalização da língua portuguesa: concepções de ações. Mesa-redonda sobre “A língua portuguesa e suas perspectivas para o século XXI”. UFSC, 6 a 8 de março de 2013. Disponível em: . Acesso em: 07 mar. 2016.

CAVALCANTE, R. B. et al. Análise de conteúdo: considerações gerais, relações com a pergunta de pesquisa, possibilidades e limitações do método. In: Inf. & Soc.:Est., v. 24, n. 1, p. 13-18, jan./abr. 2014.

ELLIOT, L. et al. Teaching additional languages. Genebra: International Academy of Education/International Bureau of Education, 2001.

FARACO, C. A. Norma Culta Brasileira: desatando alguns nós. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

KLEIMAN, A. B. Formação do professor: retrospectivas e perspectivas na pesquisa. In: KLEIMAN, A. B. (Org.). A Formação do Professor: perspectiva da Lingüística Aplicada. Campinas: Pontes, 2001. p. 13-25.

LEURQUIN, L. V. L. F. Que dizem os professores sobre o seu agir professoral? In: GERHARDT, A. F. L. (Org.). Ensino-aprendizagem na perspectiva da Linguística Aplicada. São Paulo: Pontes, 2013.

MASSINI-CAGLIARI, G. Language Policy in Brazil: monolingualism and linguistic prejudice. Language Policy. n. 3. Holanda: Kluwer Academic Publishers, 2004. p. 3-23.

SILVA, R. V. M. A sócio-história do Brasil e a heterogeneidade do português brasileiro. ABRALIN, São Paulo, n. 17, p. 73-85, 1995.

________. Diversidade e unidade: a aventura lingüística do português. Revista ICALP, Lisboa, n. 11, p. 60-72, 1988.

________. Diversidade e unidade: a aventura lingüística do português (2ª parte). Revista ICALP, Lisboa, n. 12/13, p. 12-27, 1988.

MINAYO, M. C. S. O Desafio do Conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. 10. ed. São Paulo: HUCITEC, 2007.

OLIVEIRA, G. M. de. Política Linguística e Internacionalização: a língua portuguesa no mundo globalizado do século XXI. Trabalhos de Linguística Aplicada, Campinas, n. 52.2, p. 409-433, jul./dez. 2013.

SCARAMUCCI, M. V. R. O projeto Celpe-Bras no âmbito do Mercosul: contribuições para uma definição de proficiência comunicativa. In: ALMEIDA FILHO, J. C. P. Português para Estrangeiros: interface com o espanhol. Campinas: Pontes, 1995. p. 77-90.

SCARAMUCCI, M. V. R. Propostas curriculares e exames vestibulares: potencializando o efeito retroativo benéfico da avaliação no ensino de LE (inglês). Contexturas, São Paulo, n. 5, p. 97-109, 2001.

SCHLATTER, M. Celpe-Bras: Certificado de Língua Portuguesa para estrangeiros – breve histórico. In: CUNHA, M. J.; SANTOS, P. (Org.). Ensino e Pesquisa em Português para Estrangeiros. Brasília: Editora UnB, 1999. p. 97-104.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v46i2.1721

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)