A UNESP e a linguística brasileira

Ataliba Teixeira de Castilho

Resumo


Historio neste trabalho a implantação da Linguística na UNESP, indicando os principais rumos tomados por essa ciência nos diversos campi da universidade.


Palavras-chave


Linguística; Universidade Estadual Paulista; português brasileiro; língua falada; gramáticas; dicionários

Texto completo:

PDF

Referências


ABAURRE, M. B. M.; RODRIGUES, Â. C. S. (Org.). Gramática do Português Falado. v. VIII. Campinas: Editora da UNICAMP, 2002.

ABAURRE, M. B. M. (Org.). Construção fonológica da palavra. Gramática do Português Culto Falado no Brasil. v. VII. São Paulo: Editora Contexto, 2013.

AGUILERA, V. de A. (Org.). Para a História do Português Brasileiro. v. VII: vozes, veredas, voragens, 2 tomos. Londrina: Editora da Universidade Estadual de Londrina, 2009.

ALKMIM, T. (Org.). Para a História do Português Brasileiro. v. III. Novos Estudos. São Paulo: Humanitas / Universidade de São Paulo; Instituto de Estudos da Linguagem / Universidade Estadual de Campinas, 2002.

ALVES, I. M.; RODRIGUES, Â. C. (Org.). Construção morfológica da palavra. Gramática do Português Culto Falado no Brasil. v. VI. São Paulo: Editora Contexto, 2015.

AMARAL, A. O dialeto caipira. 3. ed. São Paulo: Hucitec-SCET-CEC, 1976 [1920].

BACELAR DO NASCIMENTO, M. F. Corpora comparáveis e variação lexical nas variedades africanas do português. Alfa, São Paulo, v. 50, n. 2, p. 189-204, 2006.

CALLOU, D. I. (Org.). A Linguagem Falada Culta na Cidade do Rio de Janeiro. Materiais para seu estudo. v. I: Elocuções Formais. Rio de Janeiro: UFRJ/FJB, 1992.

CALLOU, D. I.; LOPES, C. R. (Org.). A Linguagem Falada Culta na Cidade do Rio de Janeiro. Materiais para seu estudo. v. II. Diálogo entre Informante e Documentador. Rio de Janeiro: UFRJ/CAPES, 1993.

_______. (Org.). A Linguagem Falada Culta na Cidade do Rio de Janeiro. Materiais para seu estudo. v. III. Diálogos entre dois informantes. Rio de Janeiro: UFRJ/CAPES, 1994.

CAMACHO, R. G.; SANTANA, L. Argument structure of deverbal nouns in Brazilian Portuguese. Journal of Language and Linguistics, v. 3 (2), p. 229-242, 2004.

CAMACHO, R. G. Classes de palavras na perspectiva da Gramática Discursivo-Funcional. O papel da nominalização no continuum categorial. São Paulo: Editora da UNESP, 2011.

_______. Da Linguística formal à Linguística social. São Paulo: Parábola, 2013.

CÂMARA, A. L. A oração relativa em português: interface entre a descrição e o ensino. 2015. 177 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Humanas, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, São José do Rio Preto, 2015.

CARENO, M. F. Vale do Ribeira: a voz e a vez das comunidades negras. São Paulo: Arte & Ciência/UNIP, 1997.

CARMO, M. C. As vogais médias pretônicas dos verbos na fala culta do interior paulista. 2009a. 122 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2009a.

CARUSO, P. Amostra de um inquérito linguístico prévio para o Estado de São Paulo. Alfa, 26, p. 69-77, 1982.

_______. Atlas Linguístico do Estado de São Paulo: questionário. Assis: Instituto de Letras, História e Psicologia da UNESP / Prefeitura Municipal de Assis, 1983.

CASTILHO, A T. de. Descrição do português culto na área paulista. Letras de Hoje, 4, p. 73-78, 1968.

_______. (Org.). Projeto de descrição do português culto falado no Brasil. Marília: Conselho Municipal de Cultura, 1970.

_______. El Proyecto de Estudio Coordinado de la Norma Culta. Formalismo y semanticismo en la sintaxis verbal. In: SOLÁ, D. F. (Ed.). Language in the Americas. Proceedings of the Ninth PILEI Symposium. Ithaca: Cornell University, 1984. p. 161-165.

_______. (Org.). Português Culto Falado no Brasil. Campinas: Editora da UNICAMP, 1989a.

_______. Da Análise da conversação para a análise gramatical. Estudos Linguísticos, 17,

p. 219 226, 1989b.

_______. O Português Culto Falado no Brasil. PRETI, D; URBANO, H. (Org.). História do Projeto NURC/SP, 1990. p. 141-202.

_______. (Org.). Gramática do Português Falado. v. I: A Ordem. Campinas: Editora da UNICAMP/FAPESP, 1990.

_______. (Org.). Gramática do Português Falado. v. III: As Abordagens. Campinas: Editora da UNICAMP/FAPESP, 1993.

_______. (Org.). Problemas de descrição da língua falada. D.E.L.T.A., 10 (1), p. 47-71, 1994.

_______. Para uma sintaxe da repetição. Língua falada e gramaticalização. Língua e Literatura, 22, p. 293-332, 1997c (Universidade de São Paulo). Uma versão preliminar foi publicada como: “A repetição como processo constitutivo da gramática do português falado”. In: PADILLA, J. A. S; DÉNIZ, M. T. (Org.). Actas del XI Congreso de la Asociación de Lingüística y Filología de la América Latina. Las Palmas: Universidad de Las Palmas de Gran Canaria, tomo III, 2000. p. 2289-2298.

_______. A Língua falada no ensino do português. São Paulo: Editora Contexto, 1998a.

_______. (Org.). Para a História do Português Brasileiro. v. I: Primeiras ideias. São Paulo: Humanitas/FAPESP, 1998b.

_______. Langue parlée et processus grammaticaux. In: BILGER, M.; VAN DEN EYNDE, K.; GADET, F. (Ed.). Analyse linguistique et approches de l’oral. Recueil d’études offert en hommage à Claire Blanche-Benveniste. Paris/Leuven: Peeters, 1998c. p. 141-148.

_______. Aspectos teóricos de la descripción de la lengua hablada. In: BERNALES, M.; CONTRERAS, C. (Org.). Por los Caminos del Lenguaje. Temuco: Ediciones Universidad de La Frontera, 1998d. p. 23-37.

_______. Língua falada e processos gramaticais. In: GROSSE, S.; ZIMMERMANN, K. (Eds.). O Português brasileiro: pesquisas e projetos. Frankfurt am Main: TFM, 1998e. p. 37-72.

_______. Abordagem da língua como um sistema complexo. Contribuições para uma nova Linguística Histórica. In: CASTILHO, A. T. de; TORRES MORAIS, M. A.; LOPES, R. E. V.; CYRINO, S. M. L. (Org.). Descrição, história e aquisição do português brasileiro. Homenagem a Mary Kato. Campinas: Pontes/FAPESP, 2007. p. 329-360.

_______. An approach to language as a complex system. In: CASTILHO, A. T. (Org.). História do Português Paulista. Campinas: Instituto de Estudos da Linguagem, 2009a. p. 119-136.

_______. Para uma análise multissistêmica das preposições. In: CASTILHO, A. T. de (Org.). História do Português Paulista. Campinas: Instituto de Estudos da Linguagem, 2009b. p. 279-332.

_______. A categoria cognitiva de movimento na gramática do Português. Refletindo sobre os achados dos Projetos NURC, PGPF e PHPB. In: DA HORA, D.; ALVES, E. F.; ESPÍNDOLA, L. C. (Org.). Abralin: 40 anos em cena. João Pessoa: Editora Universitária, 2009c. p. 71-96.

_______. Análise multissistêmica da sentença matriz. In: OLIVEIRA E PAIVA, V. L. M. de; NASCIMENTO, M. do. (Org.). Sistemas adaptativos complexos. Lingua(gem) e aprendizagem. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2009d. p. 35-60.

_______. Análise multissistêmica das minissentenças. In: RIBEIRO, S. S. C.; COSTA, S. B. B.; CARDOSO, S. A. M. (Org.). Miscelânea de estudos dedicados a Jacyra Motta. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2009e. p. 61-82.

_______. Nova Gramática do Português Brasileiro. São Paulo: Editora Contexto, 2010a.

_______. Para uma abordagem cognitivista-funcionalista da gramaticalização. In: DA HORA, D.; ROSA FILHO, C. (Org.). Para a História do Português Brasileiro. v. VIII. João Pessoa: Ideia / Editora Universitária, 2010b. p. 272-283.

________. Escrevendo gramáticas do português no séc. XXI. RAMOS, C. de M. A.; BEZERRA, J. de R. M.; ROCHA, M. de F. S.; RAZKY, A.; OLIVEIRA, M. B. de. (Org.). Pelos caminhos da Dialetologia e da Sociolinguística: entrelaçando saberes e vidas. Homenagem a Socorro Aragão. São Luís: Editora da Universidade Federal do Maranhão, 2010c. p. 206-222.

________. Produção bibliográfica do Projeto para a história do Português Brasileiro. In: DA HORA, D.; SILVA, C. R. (Org.). Para a História do Português Brasileiro. Abordagens e perspectivas. v. VIII. João Pessoa: Ideia / Editora da UFPb, 2010e. p. 395-416.

________. Some representations of MOTION in EP and BP standards. In: SILVA, A. S. da; TORRES, A.; GONÇALVES, M. (Org.). Línguas pluricêntricas. Variação linguística e dimensões sociocognitivas. Braga: Publicações da Faculdade de Filosofia da Universidade Católica de Braga, 2011. p. 45-60.

_______. Princípio de projeção. In: SEDRINS, A. P. Por Amor à Linguística. Miscelânea de estudos linguísticos dedicados a Maria Denilda Moura. Maceió: Editora da Universidade Federal de Alagoas, 2012. p. 29-64.

________. Funcionalismo e gramáticas do português brasileiro. In: SOUZA, E. R. de. Funcionalismo Linguístico. Novas tendências teóricas. São Paulo: Editora Contexto, 2012. p. 17-42.

________. Interação linguística e descrição do português brasileiro. Conferência lida no 11. Lusitanistentag, Aachen, 2015.

CASTILHO, A. T. de et alii. Diacronia da concordância. In: CASTILHO, A. T. de; MORAES DE, C.; LOPES, C. R. dos S. (Ed.). Historiando o Português Brasileiro. v. 5. 2016.

CASTILHO, A. T. de; ELIAS, W. M. Pequena gramática do português brasileiro. São Paulo: Editora Contexto, 2012.

CASTILHO, A. T. de; MORAES DE CASTILHO, C. M. Perspectiva multissistêmica da concordância. In: LIMA-HERNANDES, M. C.; MOURIVALDO, M.; Santiago-ALMEIDA, M. M. (Org.). História do Português Paulista. Série Ensaios. v. 3. São Paulo, 2011. p. 111-132.

_______. Aspectos da concordância verbal no português médio. In: ÁLVARES, R. et al. (Edición ao coidado de). III Congresso Internacional de Linguística Histórica. Universidad de Galicia, Santiago de Compostela, 2013. p. 107-124, edición electrónica.

CASTILHO, A. T. de; BASÍLIO, M. (Org.). Gramática do Português Falado. v. IV. Estudos Descritivos. Campinas: Editora da UNICAMP/FAPESP, 1996.

CASTILHO, A. T.; PRETI, D. (Org.). A Linguagem Falada Culta na Cidade de São Paulo. Materiais para seu estudo. v. I: Elocuções Formais. São Paulo: TAQ/FAPESP, 1986.

________. (Org.). A Linguagem Falada Culta na Cidade de São Paulo. Materiais para seu estudo. v. II. Diálogos entre dois informantes. São Paulo: TAQ/Fapesp, 1987.

DALL'AGLIO HATTNHER, M. M.; HENGEVELD, K. The Grammaticalization of Modal Verbs in Brazilian Portuguese: A Synchronic Approach. Journal of Portuguese Linguistics, v. 15, p. 1-14, 2016.

DEL CARRATORE, E.; LAPERUTTA FILHO, J. Léxico de frequência do Português falado na cidade de São Paulo (Projeto NURC). Marília/Botucatu, 2009. (CD-ROM).

DIAS DE MORAES, L. C. Nexos de Coordenação na Fala Urbana Culta de São Paulo. São Paulo, 1987.

DUARTE, M. E. L. Variação e sintaxe: clítico acusativo, pronome lexical e categoria vazia no português do Brasil. 1986. 150 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 1986.

DUARTE, M. E. L.; CALLOU, D. M. I. (Org.). Para a História do Português Brasileiro. v. IV: Notícias de corpora e outros estudos. Rio de Janeiro: UFRJ – Letras; FAPERJ, 2002.

FELÍCIO, C. P. Gramaticalização da conjunção concessiva 'embora'. 2008. 140 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2008.

FERNANDES, F. O. Construções com os verbos andar, continuar, ficar e viver seguidos de gerúndio: um estudo na interface Sociolinguística/Gramaticalização. 2010. 110 f. Iniciação científica (Licenciatura em Letras) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2010.

FERREIRA, J. S. O apagamento do /d/ em morfema de gerúndio no dialeto de São José do Rio Preto. 2010. 142 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2010.

FIAMENGUI, A. H. R. A marcação de pluralidade no SN na fala e na escrita de adolescentes da região de São José do Rio Preto. 2011. 142 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2011.

FONSECA, A. M. H. A perífrase verbal ir+infinitivo e o futuro do dialeto riopretano: um estudo na interface Sociolinguística/Gramaticalização. 2010. 172 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2010.

FONTES, M. G.; PEZATTI, E. G. As interrogativas de conteúdo na história do português brasileiro: uma abordagem discursivo-funcional. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012.

FORTILLI, S. C. As construções não-verbais no português falado no interior do Estado de São Paulo. 2007. 145 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2007.

________. Predicados matrizes adjetivais de orações subjetivas no português brasileiro: gramaticalização e dessentencialização. 2013. 163 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2013.

GALBIATI, M. E. Análise comparativa do processo de gramaticalização das perífrases conjuncionais agora que e já que. 2008. 188 f. Dissertação (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2008.

GARCIA, T. S. As relações concessivas no português falado sob a perspectiva da Gramática Discursivo-Funcional. 2010. 176 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2010.

GAVAZZI, S. C. Fechamentos em Entrevistas. Niterói: Universidade Federal Fluminense, 1998.

GIMENEZ, A. D'A. Estratégias de relativização e classes de palavras: um estudo tipológico-funcional. 2011. 162 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, São José do Rio Preto, 2011.

GONÇALVES, S. C. L. O português falado na região de São José do Rio Preto: constituição de um banco de dados anotado para o seu estudo. 2006. Relatório científico parcial II apresentado à FAPESP. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2011.

________. O português falado na região de São José do Rio Preto: constituição de um banco de dados anotado para o seu estudo. 2007. Relatório científico parcial III apresentado à FAPESP. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2011.

_______. Projeto ALIP (Amostra Linguística do Interior Paulista): questões teóricas e metodológicas sobre a constituição de um banco de dados de língua falada. In: TAGNIN, E.; VALE, O. A. (Org.). Avanços da Lingüística de Corpus no Brasil. São Paulo: Humanitas, 2008. p. 217-245.

________. Orações subjetivas: variância e invariância de padrões na fala e na escrita. Revista da ABRALIN, v. 10, p. 87-111, 2011.

________. Balanço crítico da Sociolinguística variacionista no Estado de São Paulo e a proposição de uma frente programática de investigação. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 41, n. 2, p. 869-884, 2012.

________. Alçamento de constituintes argumentais sob perspectiva sociofuncionalista. Projeto de pesquisa financiado pelo CNPq. 2015.

GUERRA, A. R. Funções textual-interativas dos marcadores discursivos. 2007. 233 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2007.

HENGEVELD, K.; BECHARA, E. N.; CAMACHO, R. G.; GUERRA, A. R.; OLIVEIRA, T. P.; PENHAVEL, E.; PEZATTI, E. G.; SANTANA, L.; SOUZA, E. R. F. de; TEIXEIRA, M. L. de S. Basic illocutions in the native languages of Brazil. Alfa, São Paulo, v. 51, p. 73-90, 2007.

HENGEVELD, K.; DALL'AGLIO-HATTNHER, M. M. Four types of evidentiality in the native languages of Brazil. Linguistics, v. 53, p. 479-524, 2015.

HILGERT, J. G. (Org.). A Linguagem Falada Culta na Cidade de Porto Alegre. v. I: Diálogos entre informante e documentador. Passo Fundo: EDIUPF / Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 1997.

HOFFNAGEL, J. C. A modalização epistêmica: usos e funções na fala e na escrita. Recife: UFPe, 1996.

HORA, D. da; ROSA, C. (Org.). Para a História do Português Brasileiro. v. VIII. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba, 2010.

ILARI, R. (Org.). Gramática do Português Falado. v. II: Níveis de Análise Linguística. Campinas: Editora da UNICAMP, 1992.

________. Palavras de classe aberta. Gramática do Português Culto Falado no Brasil. v. III. São Paulo: Editora Contexto, 2014.

________. Palavras de classe fechada. Gramática do Português Culto Falado no Brasil. v. IV. São Paulo: Editora Contexto, 2015.

ILARI, R.; NEVES, M. H. de M. (Org.). Gramática do Português Culto Falado no Brasil. v. II: Classes de palavras e construções. Campinas: Editora da UNICAMP, 2009.

JUBRAN, C. C. A. (Org.). Construção do texto falado. Gramática do Português Culto Falado no Brasil. v. I. São Paulo: Editora Contexto, 2015.

JUBRAN, C. C. A.; KOCH, I. G. V. (Org.). Gramática do Português Culto Falado no Brasil. v. I: Construção do texto falado. Campinas: Editora da UNICAMP, 2006.

KATO, M. (Org.) Gramática do Português Falado. v. V: Convergências. Campinas: Editora da UNICAMP/FAPESP, 1996.

KATO, M.; NASCIMENTO, M. do (Org.). Gramática do Português Culto Falado no Brasil. v. III: Construção da sentença. Campinas: Editora da UNICAMP, 2008.

________. (Org.). Construção da sentença. Gramática do Português Culto Falado no Brasil. v. II. São Paulo: Editora Contexto, 2015.

KOCH, I. G. V. (Org.) Gramática do Português Falado. v. VI. Campinas: Editora da UNICAMP/FAPESP, 1996.

LABOV, W. Sociolinguistic Patterns. Philadelphia: University of Pensylvania Press, 1972.

LIMA, A. C. Gramaticalização de orações avaliativas completivas do verbo achar. 2014. 162 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas de São José do Rio Preto, 2014.

LOBO, T. C. F.; RIBEIRO, I.; CARNEIRO, Z.; ALMEIDA, N. (Org.). Para a História do Português Brasileiro. v. VI: Novos dados, novas análises. 2 tomos. Salvador: Editora da Universidade Federal da Bahia, 2006.

LOPE-BLANCH, J. M. Proyecto de estudio del habla culta de las principales ciudades de Hispanoamérica. El Simposio de Bloomington. Bogotá: Instituto Caro y Cuervo, 1967 [1964]. p. 255-266.

________. (Org.). Estudios sobre el español hablado. México: Universidad Nacional Autónoma de México, 1982.

________. El estudio del español hablado. Historia de un proyecto. México: Universidad Nacional Autónoma de México, 1986.

MARCATO, F. Análise prosódica de clíticos preposicionais na variedade rio-pretense. 2013. 158 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2013.

MARCUSCHI, L. A. Análise da Conversação e Análise Gramatical, Boletim da ABRALIN 10, p. 11-34, 1991.

________. Fala e Escrita no Continuum Tipológico. Recife: UFPe, 1997.

MARQUES, M. H. D. O Vocabulário da Fala Carioca. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras da UFRJ, 1996. v. I: Ordem de Frequência Decrescente; v. II: Ordem Alfabética, Parte I (A-H); v. II: Ordem Alfabética, Parte II (I-Z); v. III: Substantivos. Ordem de Frequência Decrescente; v. IV: Verbos, Adjetivos, Unidades em -mente, Nomes próprios, Marcas e Siglas. Ordem de frequência decrescente; v. V: Substantivos. Ordem alfabética; v. VI: Verbos, Adjetivos, Unidades em -mente, Nomes próprios, Marcas e Siglas. Ordem Alfabética; v. VII: Instrumentos Gramaticais; v. VIII: Introdução: histórico, dados quantitativos e avaliação geral dos resultados.

MATTOS E SILVA, R. V. (Org.). Para a História do Português Brasileiro. v. II: Primeiros Estudos. 2 tomos. São Paulo: Humanitas/FAPESP, 2001.

MENDES, R. B. SP2010: construção de uma amostra da fala paulistana. Projeto de pesquisa financiado pela FAPESP. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2011.

MENON, O. P. S. Analyse sociolinguistique de l'indétermination du sujet dans le portugais parlé au Brèsil à partir des donnés du NURC/SP. 1994. Thèse (Doctorat) – Université de Paris VII, Paris, 1994.

MOTTA, J.; ROLLEMBERG, V. (Org.). A Linguagem Falada Culta na Cidade de Salvador. Materiais para seu estudo. v. I: Diálogos entre Informante e Documentador. Salvador: Instituto de Letras da UFBa, 1994.

________. (Org.). A Linguagem Falada Culta na Cidade de Salvador. Materiais para seu estudo. v. 2: Elocuções formais. Salvador: Instituto de Letras da UFBa / CNPq, 2006.

NARDELLI, A. J. S. Variação pronominal nós x a gente em interações dialógicas do interior paulista. 2017. Projeto de pesquisa (Iniciação Científica) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2017.

NASCIMENTO, M. do. Notas sobre as atividades do Grupo de Sintaxe II. In: CASTILHO, A. T. de. (Org.). Gramática do português falado. v. III: As abordagens. 3. ed. Campinas: Editora da UNICAMP / Fapesp, 2002 [1993a]. p. 433-438.

________. Gramática do Português Falado: articulação teórica, texto apresentado ao Centro de Linguística da Universidade de Lisboa. In: ZILLES, A. (Org.). Estudos de variação linguística no Brasil e no Cone Sul. Porto Alegre: Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2005. p. 93-116.

NEVES, M. H. M. (Org.). Gramática do Português Falado. v. VII. São Paulo / Campinas: Humanitas / Editora da UNICAMP, 1999.

________. (Org.). Construção das orações complexas. Gramática do Português Culto Falado no Brasil. v. V. São Paulo: Editora Contexto, 2016.

________. Texto e gramática. São Paulo: Editora Contexto, 2013.

NOVAES-MARQUES, N. B.; PEZATTI, E. G. A relação conclusiva na língua portuguesa: funções resumo, conclusão e consequência. v. 1. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2015.

OLIVEIRA, A. P. A relação adverbial temporal na lusofonia sob a perspectiva da Gramática Discursivo-Funcional. 2013. 117 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, São José do Rio Preto, 2013.

OLIVEIRA, G.; CAMACHO, R. G. Estratégias de relativização e construções alternativas nas línguas indígenas do Brasil. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2013.

PAIVA, V. L. M. de O. e; NASCIMENTO, M. Sistemas adaptativos complexos. Lingua(gem) e aprendizagem. Belo Horizonte: Faculdade de Letras, 2009.

PENHAVEL, E. Marcadores discursivos e articulação tópica. 2010. 168 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.

PEZATTI, E. G. (Org.). Pesquisas em Gramática Funcional. Descrição do português. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 2009.

PEZATTI, E. G.; CAMACHO, R. G.; NOVAES, N. B.; VALE, F. B. M. H.; BECHARA, E. N.; STASSI, J. C.; GUIRALDELLI, L.; OLIVEIRA, T. P.; COMPARINI, A. M. O estatuto lexical/gramatical das preposições no português. Lusorama, v. 81-82, p. 102-134, 2010.

PEZATTI, E. G. (Org.). Pesquisas em Gramática Funcional. Descrição do português. São Paulo: Editora da UNESP, 2011.

________. (Org.). Construções subordinadas na lusofonia: uma abordagem discursivo-funcional. São Paulo: Editora da UNESP, 2016.

PRETI, D. (Org.). Análise de Textos Orais. São Paulo: FFLCH/USP, 1993.

________. (Org.). O Discurso Oral Culto. São Paulo: Humanitas Publicações FFLCH/USP, 1997.

________. (Org.). Estudos de Língua Falada. Variações e confrontos. São Paulo: Humanitas, 1998.

________. (Org.). Fala e Escrita em Questão. São Paulo: Humanitas, 2000.

________. (Org.). Interação na Fala e na Escrita. São Paulo: Humanitas, 2002.

PRETI, D.; URBANO, H. (Org.) A Linguagem Falada Culta na Cidade de São Paulo. Materiais para seu estudo. v. III: Diálogos entre o Informante e o Documentador. São Paulo: TAQ/FAPESP, 1988.

PRETI, D.; URBANO, H. (Org.). A Linguagem Falada Culta na Cidade de São Paulo. v. IV: Estudos. São Paulo: TAQ/FAPESP, 1990.

RAMOS, A. P. Descrição das vogais postônicas não-finais na variedade do noroeste paulista. 2009. 177 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2009.

RAMOS, J.; ALCKMIN, M. A. (Org.). Para a História do Português Brasileiro. v. V: Estudos sobre mudança linguística e história social. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais, 2007.

RENCK, N. R. Renovação e gramaticalização: o caso da locução conjuntiva. Iniciação científica) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista / FAPESP, São José do Rio Preto [no prelo].

RODRIGUES, A. C. S. A concordância verbal no português popular em São Paulo. 1987. Tese (Doutorado em Língua Portuguesa) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1987.

RODRIGUES, A. N. O dialeto caipira na região de Piracicaba. São Paulo: Ática, 1974.

RONCARATI, C. Banco de dados interacionais. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio Janeiro, 1996.

ROSSAFA, V. Padrões de concordância verbal referentes à primeira pessoa do plural em interações dialógicas do interior paulista. Projeto de pesquisa (Iniciação Científica) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2016.

ROSSI, N. A Dialetologia. Alfa, 11, 1967.

_______. (1968/1969). El Proyecto de Estudio del Habla Culta y su ejecución en el dominio de la lengua portuguesa. In: El Simposio de México. México: Universidad Nacional Autónoma de México, 1969. p. 248. Republicado em: CASTILHO, A. T. (Org. 1970). Projeto de estudo da norma linguística urbana culta no Brasil. Marília: Conselho Municipal de Cultura, 1970. p. 2-15.

RUBIO, C. F. A concordância verbal na região noroeste do Estado de São Paulo. 2008. 152 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2008.

_______. Padrões de concordância verbal e de alternância pronominal no português brasileiro e europeu: estudo sociolinguístico comparativo. 2012. 391 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2012.

SÁ, M. P. M.; CUNHA, D. A. C. da; LIMA, A. M.; OLIVEIRA JR., M. (Org.). A Linguagem Falada Culta na Cidade do Recife. v. I: Diálogos entre informante e documentador. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística, 1996.

________. (Org.). A Linguagem Falada Culta na Cidade do Recife. v. 2: Elocuções formais. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística, 2005.

SALOMÃO, M. H. A variação de pluralidade nas estruturas predicativas da variedade falada na região de São José do Rio Preto. 2010. 160 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2010.

SANTANA, L. Relações de complementação no português brasileiro: uma perspectiva discursivo-funcional. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010.

SANTOS, R. M. A. A alternância indicativo/subjuntivo em estruturas complexas. 2005. 152 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto.

SILVA, A. C. B. Estilos na cultura popular urbana. 2010. Projeto de pesquisa. FAPESP, Universidade de São Paulo, São Paulo.

SILVEIRA, A. A. M. As vogais pretônicas na fala culta do noroeste paulista. 2008. 142 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2008.

SOUZA, E. R. F. Gramaticalização dos itens linguísticos 'assim', 'já' e 'aí' no português brasileiro: um estudo sob a perspectiva da gramática discursivo-funcional. 2009. 290 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009.

SPOSITO, C. C. Construções adverbiais de Causa, Razão, Explicação e Motivação na lusofonia: uma abordagem discursivo-funcional. 2012. 145 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, São José do Rio Preto, 2012.

STASSI-SÉ, J. C. Subordinação discursiva no português à luz da Gramática Discursivo-Funcional. 2012. 194 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2012.

VENDRAME, V. Os verbos ver, ouvir e sentir e a expressão de evidencialidade em língua portuguesa. 2010. 173 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2010.

VOTRE, S.; OLIVEIRA, M. R. A Língua falada e escrita na cidade do Rio de Janeiro: materiais para seu estudo. Rio de Janeiro: UFRJ, 1995.

WIEDEMER, M. L. Variação e gramaticalização de preposições de complementos locativos de verbos de movimento. 2013. 248 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2013.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v46i1.1740

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)