As ficções de fã e o Ensino de Línguas por Tarefas

William Danilo Garcia

Resumo


Este artigo objetiva discutir os benefícios de se usar a literatura em aulas de inglês e fornecer um plano de aula com foco na produção escrita como forma de evidenciar essa discussão. Assim, as ficções de fã e o Ensino de Línguas por Tarefas foram utilizados como elementos chave no desenvolvimento dessa aula. Sobre a metodologia, este artigo descreve o Ensino de Línguas por Tarefas, o universo literário das ficções de fã e, finalmente, esse plano de aula cujo objetivo é a produção escrita de uma ficção de fã. Referente à abordagem metodológica que embasa essa aula, destacam-se Prabhu (1987), Skehan (1996), Willis, (1996), Nunan (2004) e Ellis (2006), a respeito do Ensino de Línguas por Tarefas; Jenkins (2012) e Neves (2014), que discorrem sobre as ficções de fã, e Dalvi (2012) sobre os usos e benefícios da literatura em uma aula de línguas. Em relação aos resultados, uma atividade respaldada pelos padrões do Ensino de Línguas por Tarefa foi estabelecida de acordo com os seguintes estágios: alunos foram expostos à literatura dos fãs durante a Pré-Tarefa e, então, dada a oportunidade de redigirem suas próprias ficções de fã, que constituiu a fase da Tarefa. Por fim, por meio dessa atividade, foi possível evidenciar que os alunos puderam usar a língua de forma mais autêntica e significativa.


Palavras-chave


tarefa; literatura; ficção de fã

Texto completo:

PDF

Referências


DALVI, M. A. Ensino de Literatura: algumas contribuições. In: PUZZO, M. B. et al (org.). Linguística Aplicada, Linguística e Literatura: intersecções profícuas. Campinas: Pontes Editores, 2012.

ELLIS, R. The Methodology of Task-Based Teaching. The Asian EFL Journal Quarterly, Road Town, v. 8, p. 19-45, set. 2006.

JENKINS, H. Lendo criticamente e lendo criativamente. Matrizes, São Paulo, n. 1, p. 11-24, 2012.

LLACH, P. A. Teaching language through literature: the waste land in the ESL classroom. La Rioja, n. 8, p. 7-17, 2007

NEVES, A. J. Cibercultura e Literatura Identidade e Autoria em Produções Culturais Parcipatórias e na Literatura de Fã (fanfiction). Jundiaí: Paco Editorial, 2014.

NUNAN, D. Task-based Language Teaching. New York: Cambridge University Press, 2004.

NUNAN, D. Task-based Language Teaching in the Asia Context: Defining ‘Task’. The Asian EFL Journal Quarterly, Road Town, v. 8, p. 12-18, set. 2006.

PEACOCK, M. The effect of authentic materials on the motivation of EFL learners. ELT Journal, Oxford University Press, v. 51, n. 2, p. 144-156, 1997.

PRABHU, N. S. Second Language Pedagogy. Oxford: Oxford University Press, 1987.

RICHARDS, J. C.; RODGERS, T. S. Task-Based Language Teaching. In: RICHARDS, J. C.; RODGERS, T. S. (org.). Approaches and Methods in Language Teaching. 2. ed. Cambridge: Cambridge University Press, 2001. p. 223-243.

SILVA, R. B. da. Using literary texts in the ESL classroom. R. Ci. Humanas, v. 1, n. 2, p. 171-178, jul. 2001.

SKEHAN, P. Second language acquisition research and task-based instruction. In: WILLIS, D.; WILLIS, J. Challenge and Change in Language Teaching. Oxford, 1996.

WILLIS, J. A Framework for Task-Based Learning. Harlow: Longman, 1996




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v48i2.2173

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)