Memória discursiva e sátira política: a paródia da (auto)designação “cidadão de bem” pelo The Piauí Herald

Filipo Figueira

Resumo


Neste artigo, pretende-se analisar o sintagma nominal “cidadão de bem”, enquanto parte do discurso antipetista que emerge no pós-Junho de 2013, conforme ele é retomado pelas desnotícias publicadas no portal humorístico The Piauí Herald. Esta análise fundase sob a perspectiva de que a paródia satírica é fruto de um fazer sobre a memória discursiva. Observou-se, portanto, a circulação do SN no discurso originário (antipetista) e sua integração ao discurso paródico do site de desnotícias, destacando os efeitos de sentido sobre a memória da disputa pelo sentido de “cidadão de bem”. Concluiu-se que a paródia satírica do The Piauí Herald, antes de marcada pelo ataque direto, constitui-se pelo exagero da contradição interna à memória discursiva da disputa pelo sentido do SN “cidadão de bem”.

Palavras-chave


paródia; sátira; cidadão de bem; antipetismo; desnotícia

Texto completo:

PDF

Referências


BITTENCOURT, R. N. Golpismo, doença congênita do fascismo. Espaço Acadêmico, Maringá, v. 5, n. 180, p. 38-50, maio 2016.

BOURDIEU, P. O campo político. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, v. 5, n. 1,

p. 193-216, jul. 2011.

CAMUS, A. A esperança e o absurdo na obra de Franz Kafka. In: CAMUS, A. O mito de Sísifo. Rio de Janeiro: Record, 2018. p. 142-159.

CAZELATO, S. A interpretação de provérbios parodiados por afásicos e não afásicos. 2008. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

COURTINE, J.-J. Análise do Discurso Político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. São Carlos: EdUFSCar, 2009.

COURTINE, J.-J. Le tissu de la mémoire : quelques perspectives de travail historique dans les sciences du langage. Langage: Mémoire, histoire, langage, Paris, v. 114, p. 5-12, 1994.

COURTINE, J.-J. O chapéu de Clémentis: Observações sobre a memória e o esquecimento na enunciação do discurso político. In: INDURSKY, F.; FERREIRA, M. C. L. (org.). Os múltiplos territórios da Análise do Discurso. Porto Alegre: Editora Sagra Luzzalto, 1999. p. 15-22.

COURTINE, J.-J.; MARANDIN, J.-M. Que objeto para a Análise de Discurso? In: CONEIN, B. et al. (org.). Materialidades discursivas. Campinas: Editora da UNICAMP, 2016. p. 33-54.

FIGUEIRA, F. (Des)notícia: A (des)construção de um gênero discursivo. Letras em Revista, Teresina, v. 8, n. 1, p. 237-257, jan. 2017a.

FIGUEIRA, F. A Paródia entre a Transgressão e o Limite. In: PRADO, G. do V. T. et al. (org.). IV Encontro de Estudos Bakhtinianos [EEBA]: das Resistências à Escatologia Política: risos, corpos e narrativas enunciando uma ciência outra. São Carlos: Pedro & João Editores, 2017b. p. 1363-1370.

FOUCAULT, M. Prefácio à Transgressão. In: FOUCAULT, M. Ditos e Escritos III. Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006. p. 28-46.

FRANÇA, V. V.; BERNARDES, M. Imagens, crenças e verdade nas manifestações de 2013 e 2015. Rumores, São Paulo, v. 10, n. 19, p. 08-24, jun. 2016.

HAROCHE, C.; HENRY, P.; PÊCHEUX, M. A semântica e o corte saussuriano: Língua, linguagem e discurso. In: BARONAS, R. L. (org.). Análise do Discurso: Apontamentos para uma história da noção-conceito de Formação Discursiva. São Carlos: Pedro & João, 2011. p. 13-32.

HUTCHEON, L. Uma teoria da paródia: Ensinamento das formas de arte do século XX. Lisboa: Edições 70, 1989.

KAFKA, F. O Processo. Rio de Janeiro; São Paulo: O Globo: Folha de S. Paulo, 2003.

NORA, P. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História, São Paulo, v. 10, p. 7-28, 1993.

PINTO, C. R. J. A trajetória discursiva das manifestações de rua no Brasil (2013-2015). Lua Nova, São Paulo, v. 1, n. 100, p. 119-155, abr. 2017.

PÊCHEUX, M. Papel da Memória. In: ACHARD, P. et al. Papel da Memória. Campinas: Pontes, 2015. p. 43-51.

PÊCHEUX, M. Semântica e Discurso: Uma crítica à afirmação do óbvio (1975). 5. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2014.

RAMOS, H. M. A. O cidadão de bem e a filosofia moral de Kant. Poiesis, Montes Claros,

v. 13, n. 2, p. 03-16, dez. 2016.

WEINRICH, H. La mémoire linguistique de l’Europe. Langages: Mémoire, histoire, langage, Paris, v. 114, p. 13-24, 1994.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v48i1.2304

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)