As microconstruções auxiliares aspectuais com “deixar” no Português do Brasil sob perspectiva construcional

José Roberto Prezotto Júnior

Resumo


Objetivamos investigar, à luz da Linguística Cognitivo-Funcional (BYBEE, 2016 [2010]; KUTEVA, 2004) e com base em um de seus eixos, especificamente a abordagem construcional da mudança linguística (TRAUGOTT; TROUSDALE, 2013), as microconstruções aspectuais instanciadas pelo verbo “deixar”, [deixar + prep + V2], no Português brasileiro. Defendemos a hipótese de que tais microconstruções emergem na rede linguística a partir da construcionalização gramatical via analogização ao esquema auxiliar [V1+prep+V2]. Para análise, utilizamos o Corpus do Português (DAVIS; FERREIRA, 2006, 2016) e delineamos parâmetros, fundamentados em Heine (1993) e Ilari e Basso (2008), a fim de averiguar e aferir o grau de esquematicidade, produtividade e composicionalidade das microconstruções auxiliares sob análise.

Palavras-chave


construcionalização gramatical; verbo auxiliar; aspecto

Texto completo:

PDF

Referências


BARLOW, M.; KEMMER, S. (ed.). Usage-Based Models of Language. Stanford: CSLI Publications, 2000.

BYBEE, J. Língua, uso e cognição. Tradução Maria Angélica Furtado da Cunha. Revisão téc. Sebastião Carlos Leite Gonçalves. São Paulo: Cortez, 2016 [2010].

CAMACHO, R. G. A natureza contínua das classes de palavras. Guavira Letras, Três Lagoas v. 13, n. 1, p. 39-48 ago./dez. 2011.

COMRIE, B. Aspect: an introduction to the study of verbal aspect and related problems. Cambrigde: Cambrigde University Press, 1976,

DAVIES, M.; FERREIRA, M. Corpus do Português: 45 milhões de palavras, 1300s-1900s, 2006, 2016. Disponível em: http://www.corpusdoportugues.org. Acesso em: 15 ago. 2018.

GOLDBERG, A. Constructions: a construction grammar approach to argument structure. Chicago: University of Chicago Press, 1995.

GOLDBERG, A. Constructions at work: the nature of generalization in language. Oxford: Oxford University Press, 2006.

HEINE, B. Auxiliaries: cognitive forces and grammaticalization. New York: Oxford University Press, 1993.

HIMMELMANN, N. P. Lexicalization and grammaticalization: opposite or orthogonal? In: BISANG, W.; HIMMELMANN, N. P.; WIEMER, B. (ed.). What makes grammaticalization – a look from fringes and its components, 2004. p. 19-40.

KUTEVA, T. Auxiliation: an enquiry into the nature of grammaticalization. New York: Oxford University Press, 2004.

ILARI, R.; BASSO, R. M. Classes de palavras e processos de construção. 3. O verbo. In: NEVES, M. H. M.; ILARI, R. (org.). Gramática do Português Falado Culto no Brasil. v. II Campinas: Editora da Unicamp, 2008. p. 163-365.

PREZOTTO JR., J. R. Gramaticalização do verbo “deixar” no português brasileiro: uma abordagem construcional (ou Mudança construcional do verbo “deixar” no português brasileiro). Relatório Final de Pesquisa da FAPESP (Iniciação Científica), São José do Rio Preto: Universidade Estadual Paulista – IBILCE/UNESP, 2016.

TRAUGOTT, E. C.; TROUSDALE, G. Constructionalization and Constructional changes. Oxford: Oxford University Press, 2013.

TRAVAGLIA, L. C. O aspecto verbal no português: a categoria e sua expressão. ed. rev. Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia, 1985.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v48i1.2305

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)