Derivações prefixais do tipo não-x, quase-x, além-x e mil-x na poética cabralina: marca de expressividade na neologia estilística

Rosana Maria Sant'Ana Cotrim

Resumo


Este artigo apresenta uma análise de criações lexicais encontradas na poética de João Cabral de Melo Neto que, concebidas como neologia estilística, engendram grande expressividade no discurso em que se inserem. São unidades léxicas criadas por processo de derivação prefixal, as quais comportam uma estrutura singular pela ligação de bases nominais e verbais a elementos prefixais não constituídos pelos tradicionais prefixos. Partindo-se do pressuposto de que a poética cabralina é pautada no rigor da “forma construída” pela manipulação da linguagem, compreende-se que elas revelam uma marca de expressividade, pelo inusitado das combinações empregadas, capaz de fazer sentido tanto pelo que as unidades lexicais criadas enunciam, quanto pela exploração do próprio processo derivacional que as cria.


Palavras-chave


criação lexical; neologia estilística; expressividade

Texto completo:

PDF

Referências


ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa. 5. ed. 2009.

ALVES, I. M. Neologismo: criação lexical. 2. ed. São Paulo: Ática, 2002.

BASÍLIO, M. Teoria Lexical. 8. ed. São Paulo: Ática, 2007.

BOSI, A. História concisa da literatura brasileira. 38. ed. São Paulo: Cultrix, 2001.

CORBIN, D. Méthode en Morphologie Dérivationnelle. Revue Cahiers de Lexicologie, Paris, v. XLIV, p. 3-17, 1984.

CORREIA, M.; LEMOS, L. S. P de. Inovação lexical em português. v. 4. Lisboa: Edições Colibri, 2009.

COTRIM, R. M. S. As criações lexicais na poética de João Cabral de Melo Neto: contribuições aos estudos do léxico no discurso literário. 2012. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2012.

CRESSOT, M. Le style et ses techiniques: précis d’analyse stylistique 3. ed. Paris: Presses Universitaires de France, 1976.

FERREIRA, A. B. de. Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. 5. ed. Curitiba: Editora Positivo, 2010 (Edição comemorativa dos cem anos de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira).

GUILBERT, L. La créativité lexicale. Paris: Librairie Larousse, 1975.

HENRIQUES, C. C. A nova ortografia: o que muda com o acordo ortográfico. 5. ed. Rio de Janeiro: Elsevier Editora, 2009.

LIMA, L. C. da C. João Cabral: poeta crítico. Revista Colóquio / Letras, Lisboa, n. 157/158, p. 45-60, 2000.

MARTINS, N. S. Introdução à Estilística: a expressividade na língua portuguesa. 3. ed. São Paulo: T. A. Queiroz Editor, 2000.

MELO NETO, J. C. de. Prosa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.

MELO NETO, J. C. de. A educação pela pedra e depois. v. 1. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997a.

MELO NETO, J. C. de. Serial e antes. v. 2. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997b.

MOISÉS, M. A literatura brasileira através dos textos. São Paulo: Cultrix, 1989.

NEVES, M. H. de M. Gramática de usos do português. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

NUNES, B. João Cabral: filosofia e poesia. Revista Colóquio / Letras, Lisboa, n. 157/158,

p. 37-44, 2000.

SANDMANN, A. J. Competência lexical: produtividade, restrições e bloqueio. Curitiba: Editora de UFPR, 1991.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v48i3.2346

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)