Verbivocovisualidade no documentário “Histórias de quando a água chegou”: ato responsável e diálogo na constituição intersemiótica

Marco Antonio Villarta-Neder

Resumo


O documentário Histórias de quando a água chegou – Antonio Adauto e os índios exibe a história de pessoas desalojadas por ocasião da construção da Usina Hidrelétrica de Furnas, em 1963. Esse corpus será analisado a partir do conceito de verbivocovisualidade, trazido para o contexto do Círculo de Bakhtin, Medviédev e Volóchinov por Paula e Serni (2017) e Stafuzza (2014). Pretendemos analisar enunciados verbivocovisuais, discutindo como: a) o diálogo intersemiótico entre vozes na narrativa do documentário estabelece atos responsáveis dos sujeitos Antonio Adauto, Jean Manzon e equipe autoral do documentário; b) os enunciados constituídos por/constitutivos desses sujeitos constituem-se como enunciados de dizer, de fazer, de compreensão e de silêncio);
c) a constituição do enunciado verbivocovisual se dá pelo diálogo intersemiótico entre as semioses em diálogo entre si.


Palavras-chave


verbivocovisualidade; ato responsável; enunciado; silêncio

Texto completo:

PDF

Referências


AUMONT, J. et alii. A estética do filme. Tradução Marina Appenzeller; revisão técnica Nuno Cesar P. de Abreu. Coleção Ofício de Arte e Forma. Campinas: Papirus, 1995.

BAKHTIN, M. M. Teoria do Romance II – As formas do tempo e do cronotopo. Tradução do russo, posfácio e notas de Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2018.

BAKHTIN, M. M. Por uma metodologia das ciências humanas. In: BAKHTIN, M. M. Notas sobre literatura, cultura e ciências humanas. Tradução do russo, organização, posfácio e notas de Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2017.

BAKHTIN, M. M. Os gêneros do discurso. Tradução e notas de Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2016.

BAKHTIN, M. M. Estética da Criação Verbal. 6. ed. Tradução do russo por Paulo Bezerra. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

BAKHTIN, M. M. Para uma filosofia do Ato. Tradução Carlos Alberto Faraco e Cristóvão Tezza de Toward a Philosophy of the Act. Tradução Vadim Liupanov. Austin: Texas University Press, 1993.

BAKHTIN, M. M. Estetika Slovesnova Tvortchiéstva. Moskvá: Iskusstva, 1979.

GERALDI, J. W. Da língua para a linguagem: outros rumos de pesquisa. Recife, 2014. (Mimeo).

MACHADO, J. Vocabulário do Roteirista. 2015. Disponível em: http://www.roteirodecinema.com.br/manuais/vocabulario.htm. Acesso em: 06 out. 2018.

MANZON, J. Brasil, potência industrial. Vídeo. Preto e branco. 1963. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=nVLvyIlItJA. Acesso em: 06 out. 2018.

MEDVIÉDEV, P. N. O método formal nos estudos literários: introdução crítica a uma poética sociológica. Tradução de Ekaterina Vólkova Américo e Sheila Camargo Grillo. São Paulo: Contexto, 2012.

Mnemocine. Disponível em: http://www.mnemocine.com.br/index.php/ cinema-categoria/28-tecnica/141-glossarioaudiovisual. Acesso em: 06 out. 2018.

PAULA, L.; SERNI, N. M. A vida na arte: a verbivocovisualidade do gênero filme musical. Raído, Dourados, v. 11, n. 25, p. 179-180, jan./jun. 2017.

STAFUZZA, G. B. Contribuições do pensamento do Círculo de Bakhtin para os estudos discursivos contemporâneos: o discurso machista na mídia humorística feminina. In: PAULA, L. de. Discursos em perspectiva: humanidades dialógicas. Campinas: Mercado de Letras, 2014.

STAFUZZA, G. B.; LIMA, G. O. Diálogo e verbovocovisualidade em ‘Cantada’ (2014) de Porta dos Fundos. PROLINGUA, UFPB, v. 12, n. 2, p. 97-109, set/out. 2017.

UNIFAL – UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS. Projeto de Extensão “Quando a água chegou. 2016a Disponível em: https://sistemas.unifal-mg.edu.br/app/caex/comum/paginas/acoesVigentes.php?tipo_acao=Projeto. Acesso em: 06 out. 2018.

UNIFAL – UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS. Histórias de quando a água chegou. Antônio Adauto e os índios. Documentário. Direção de P. C. Carvalho. Orientação de Ítalo Oscar Riccardi León. Produção. Pró-Reitoria de Extensão do UNIFAL. Colorido. 22 min. 2016b. Disponível em: https://www.unifal-mg.edu.br/extensao/historia_das_aguas. Acesso em: 06 out. 2018.

VILLARTA-NEDER, M. A. Dizeres e fazeres como enunciados: arquitetônica e sentidos para além dos textos. 2018a. Mimeo.

VILLARTA-NEDER, M. A. Sobre silêncio e sentidos: uma abordagem bakhtiniana. In: STAFUZZA, G. B.; AYUB, J. P. (org.). Estudos discursivos em múltiplas perspectivas. Discurso, sujeito, sociedade. CAPES/FAPEG. Campinas: Mercado das Letras, 2019. p. 61-90.

VOLÓCHINOV, V. N. Estilística do Discurso Literário II: A construção do enunciado. In: VOLÓCHINOV, V. N. A palavra na vida e a palavra na poesia. Organização, tradução, ensaio introdutório e notas de Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo: Editora 34, 2019. p. 266-305.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v48i3.2353

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)