Segmentação de palavras e convenções ortográficas: um olhar para a aquisição da escrita ao longo dos séculos

Adelaide Camilo

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo central a comparação entre as segmentações não-convencionais feitas por crianças em período de aquisição de escrita no século XX e segmentações não-convencionais encontradas em textos produzidos em português entre os séculos XIV e XVIII. Sendo assim, buscamos discutir a relação que o sujeito escrevente estabelece com a linguagem no momento da construção de seu texto, observando como sua inserção em práticas sociais letradas pode influenciar a sua produção escrita. Os dados de segmentação não-convencional encontrados serão analisados qualitativamente de acordo com os pressupostos do paradigma indiciário, proposto por Ginzburg (1987).

Palavras-chave


segmentação de palavras; aquisição de linguagem; oralidade; letramento

Texto completo:

PDF

Referências


ABAURRE, M. B. M. O que revelam os textos espontâneos sobre a representação que faz a criança do objeto escrito? In: KATO, M. A. (org.). A concepção da escrita pela criança. v. 1.

ed. Campinas: Pontes Editores, 1988. p. 135-142.

ABAURRE, M. B. M.; CAGLIARI, L. C. Textos espontâneos na primeira série: evidências da utilização, pela criança, de sua percepção fonética da fala para representar e segmentar a escrita. Cadernos CEDES – Antropologia e Educação Interfaces do Ensino e da Pesquisa,

São Paulo, v. 14, p. 25-29, 1985.

ABAURRE, M. B. M.; FIAD, R. S.; MAYRINK-SABINSON, M. L. T. Cenas de aquisição da escrita: o sujeito e o trabalho com o texto. Campinas: Mercado das Letras, 1997.

BARROS, J. de. Grammatica da língua portuguesa. Olyssipone apud Ludouicum Rotorigium Typographum, 1540.

BISOL, L. Constituintes prosódicos. In: BISOL, L. Introdução a estudos de Fonologia do português brasileiro. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1996. p. 247-261.

BISOL, L. Mattoso Câmara Jr. e a Palavra Prosódica. DELTA, São Paulo, v. 20, n. especial, p. 59-70, 2005.

CAGLIARI, L. C. Algumas reflexões sobre o início da ortografia da língua portuguesa. Cadernos de Estudos Lingüísticos, Campinas, v. 27, p. 103-111, 1994.

CARMELO, F. L. do M. Compendio de Orthographia, com sufficientes catálogos, e novas regras

[...]. Lisboa: Na officina de António Rodrigues Galhardo, 1767.

CAPRISTANO, C. C. Aspectos de segmentação na escrita infantil. São Paulo: Martins Fontes,

CHACON, L. Constituintes prosódicos e letramento em segmentações não-convencionais. Revista Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 39, n. 3, p. 223-232, 2004.

CHACON, L. Flutuação na segmentação de palavras: relações entre constituintes prosódicos e convenções ortográficas na escrita infantil. Filologia e Linguística Portuguesa, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 369-383, jan./jun. 2013. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2176-

v15i2p369-383.

CORRÊA, M. L. G. O modo heterogêneo de constituição da escrita. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

CORTESÃO, J. A carta de Pero Vaz de Caminha: com um estudo de Jaime Cortesão. Rio de Janeiro: Portugália, 1967.

FERREIRO, E. O ingresso na escola e nas culturas do escrito: seleção de textos de pesquisa. São Paulo: Cortez, 2013.

FERREIRO, E.; PONTECORVO, C. Os limites entre as palavras. A segmentação em palavras gráficas. In: FERREIRO, E.; PONTECORVO, C.; MOREIRA, N.; HIDALGO, I. G. Chapeuzinho Vermelho aprende a escrever. São Paulo: Ática, 1996. p. 38-66.

GÂNDAVO, P. de M. de. Regras que ensinam a maneira de escrever e orthographia da língua portuguesa, com hum dialogo que adiante se seggue em defensam da mesma língua. Lisboa: Na officina de Antonio Gonçalues, 1574.

GINZBURG, C. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In: GINZBURG, C. Mitos, emblemas, sinais. Tradução Federico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

ILARI, R.; BASSO, R. O português da gente: a língua que estudamos, a língua que falamos. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2012.

KAJITA, A. S. A segmentação inábil: um estudo da segmentação ortográfica não-canônica. 2009. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009.

LEÃO, D. N. de. Orthographia da Língua Portuguesa. Lisboa: João de Barreira, 1576.

LEÃO, J. B. Coleção de estudos e documentos a favor da refórma da ortografia em sentido sónico. Lisboa: Imprensa Nacional, 1878.

MARQUILHAS, R. A faculdade das letras: leitura e escrita em Portugal no século XVII. Bragança Paulista: EDUSF, 2003.

NESPOR, M.; VOGEL, I. Prosodic Phonology. Dordrechet: Foris Publications, 1986.

OLIVEIRA, F. Gramática da Língua Portuguesa. Lisboa: Imprensa Nacional, 1536.

SOUSA, M. C. P. Língua Barroca: sintaxe e história do português nos 1600. 2004. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

TENANI, L. E. Letramento e segmentações não-convencionais de palavras. In: TFOUNI, L. Letramento, escrita e leitura: Questões Contemporâneas. Campinas: Mercado de Letras, 2011. p. 229-243.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v48i1.2354

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)