Projeto ALIP (Amostra Linguística do Interior Paulista) e banco de dados Iboruna: 10 anos de contribuição com a descrição do português brasileiro

Sebastião Carlos Leite Gonçalves

Resumo


Este artigo trata dos aspectos teórico-metodológicos da constituição do Banco de dados Iboruna, um banco de dados de médio porte, composto de 152 entrevistas sociolinguísticas (LABOV, 1972) e de 11 interações dialógicas, gravadas secretamente, em contextos de interação social livres (RONCARATI, 1996). Da experiência pioneira no Brasil em disponibilizar integralmente amostras de fala em áudio e as respectivas transcrições, resultaram, no período de uma década, importantes trabalhos de descrição sociofuncionalista de diferentes níveis de análise, do fonético-fonológico ao discursivopragmático. A conclusão mais evidente é a de que o avanço da pesquisa linguística baseada no uso da língua depende, cada vez mais, de bancos de dados sistematicamente organizados se tornarem disponíveis, principalmente se tais ferramentas contam com financiamento de recursos públicos.

Palavras-chave


banco de dados; língua falada; português paulista

Texto completo:

PDF

Referências


BIBER, D.; CONRAD, S.; REPPEN, R. Corpus linguistics: investigating language structure and use. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.

BYBEE, J. Língua, uso e cognição. Tradução Maria Angélica Furtado da Cunha e Sebastião Carlos Leite Gonçalves. São Paulo: Cortez, 2016.

EDWARDS, J. A.; LAMPERT, M. D. (ed.). Talking data: transcription and coding in discourse research. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, 1992.

GOLDBERG, A. Constructions: a new theoretical approach to language. Trends in Cognitive Sciences, v. 7, n. 5, p. 219-224, 2003.

GONÇALVES, S. C. L. Banco de dados Iboruna: amostras eletrônicas do português falado no interior paulista. 2007. Disponível em: http://www.iboruna.ibilce.unesp.br. Acesso em: 15 jun. 2018.

GONÇALVES, S. C. L.; RUBIO, C. F. A fala do interior paulista no cenário da sociolinguística brasileira: panorama da concordância verbal e da alternância pronominal. Alfa, São Paulo, n. 56, v. 3, p. 1003-1034, 2012.

GONÇALVES, S. C. L.; TENANI, L. E. Problemas teórico-metodológicos na elaboração de um sistema de transcrição de dados interacionais: o caso do Projeto ALIP (Amostra Linguística do Interior Paulista. Gragoatá, Niterói, n. 25, p. 165-183, 2008.

HENGEVELD, K.; MACKENZIE, J. L. Functional discourse grammar: a typologically-based theory of language structure. Oxford: University Press, 2008.

HOPPER, J.; TRAUGOTT, E. Grammaticalization. 2. ed. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

HORA, D.; PEDROSA, J. L. R. (org.). Projeto variação lingüística no Estado da Paraíba (VALPB). João Pessoa: Idéia, 2001.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2000. Brasília, 2000. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/default_censo_2000.shtm. Acesso em: 20 out. 2002.

LABOV, W. Sociolinguistic patterns. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1972.

MENDES, R. B. Projeto SP2010: Amostra da fala paulistana. 2013. Disponível em: http://projetosp2010.fflch.usp.br. Acesso em: 15 jun. 2018.

MENDES, R. B.; OUSHIRO, L. O paulistano no mapa sociolinguístico brasileiro. Alfa, São Paulo, n. 56, v. 3, p. 973-1001, 2012.

MORAES, J. A.; LEITE, Y. F. Ritmo e velocidade de fala na estratégia do discurso: uma proposta de trabalho. In: ILARI, R. (org.). Gramática do português falado. Campinas: Editora da UNICAMP, 1993. p. 67-77.

PAIVA, M. C. Transcrição de dados lingüísticos. In: MOLLICA, M. C.; BRAGA, M. L. (org.). Introdução à Sociolingüística. São Paulo: Contexto, 2003. p. 135-143.

PAIVA, M. C. (org.). Amostras de fala do português falado no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: UFRJ, 1999.

RONCARATI, C. N. (org.). Bancos de dados interacionais do Programa de Estudos Sobre o Uso da Língua. Rio de Janeiro: Divisão Gráfica/UFRJ, 1996.

SARDINHA, T. B. Análise multidimensional. D.E.L.T.A, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 99-127, 2002.

SCHERRE, M. M. P. Breve histórico do Programa de Estudos Sobre o Uso da Língua. In: SILVA, G. M. O.; SCHERRE, M. M. P. (org.). Padrões sociolingüísticos: análise de fenômenos variáveis do português falado na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996. p. 27-36.

SILVA, G. M. O. Variáveis sociais e perfil do corpus CENSO. In: SILVA, G. M. O.; SCHERRE, M. M. P. (org.). Padrões sociolinguísticos. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996. p. 51-81.

SILVA, G. M. O. Coleta de dados. In: MOLLICA, M. C.; BRAGA, M. L. (org.). Introdução à Sociolingüística: o tratamento da variação. São Paulo: Contexto, 2003. p. 117-134.

TENANI, L. E. Banco de dados de escrita do ensino Fundamental II. 2014. Disponível em: http://www.convenios.grupogbd.com/redacoes/Login. Acesso em: 15 jun. 2018.

TENANI, L. E.; LONGHIN-THOMAZI. Oficinas de leitura, interpretação e produção textual no ensino fundamental. Em Extensão, Uberlândia, v. 13, n. 1, p. 20-34, jan./jun. 2014.

VANDRESSEN, P. O Projeto Varsul – Avaliação e perspectivas sobre pesquisas do português falado na Região Sul. In: ENCONTRO NACIONAL DE LÍNGUA FALADA E ENSINO, 1, 1995, Maceió. Anais... Maceió: EdUFAL, 1995. p. 196-221.

VOTRE, S.; OLIVEIRA, M. R. A Língua falada e escrita na cidade do Rio de Janeiro: materiais para seu estudo. Rio de Janeiro: UFRJ, 1995.

WEINREICH, U.; LABOV, W.; HERZOG, M. Empirical foundations for a theory of language change. In: LEHMAN, W.; MALKIEL, Y. (ed.). Directions for historical linguistics. Austin: University of Texas Press, 1968. p. 97-195.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v48i1.2430

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)