A elaboração de uma atividade didática de língua inglesa direcionada por dados de aprendizes

William Danilo Garcia, Paula Tavares Pinto

Resumo


Este artigo objetiva apresentar uma tarefa desenvolvida no intuito de auxiliar o processo de aprendizagem de inglês como língua estrangeira por estudantes universitários de um curso de Letras. Para isso, um corpus de aprendiz foi compilado a partir da escrita autêntica desses alunos com a intenção de coletar informações sobre como eles usam algumas preposições da língua inglesa. Em seguida, após análise dessas informações com o auxílio da ferramenta computacional AntConc, uma tarefa com base nos preceitos conceituais da Aprendizagem Direcionada por Dados foi elaborada no sentido de melhorar o uso dessas preposições. Como suporte teórico deste estudo, recorreu-se a Granger (1998, 2002, 2013), Johns (1991, 1994), Berber Sardinha (2011) e Boulton (2010). Com relação aos resultados deste estudo, foi possível desenvolver tarefas das quais os graduandos se colocaram na posição de professor para investigar, por meio do uso de um corpus, se os usos das preposições trazidas em algumas linhas de concordância estavam adequados ou não. Desse modo, este estudo sugere que a Aprendizagem Direcionada por Dados pode contribuir para o processo ensino-aprendizagem de certas preposições do inglês, pois desperta nos alunos um perfil mais autônomo com relação à investigação linguística.


Palavras-chave


corpus de aprendiz; aprendizagem direcionada por dados; tarefa; preposições

Texto completo:

PDF

Referências


ANTHONY, L. AntConc. Versão 3.5.7. Tokyo: Waseda University, 2018. Computer Software. Disponível em: www.laurenceanthony.net/software/antconc/. Acesso em: 10 ago. 2018.

BERBER SARDINHA, T. Como usar a Linguística de Corpus no ensino de língua estrangeira. In: TAGNIN, S. E. O.; VIANA, V. (org.). Corpora no ensino de línguas estrangeiras. São Paulo: Hub Editorial, 2011. p. 301-356.

BERBER SARDINHA, T. Linguística de Corpus: histórico e problemática. Delta, São Paulo, v. 16, n. 2, p. 323-367, 2000.

BIBER, D. et al. Student grammar of spoken and written English. Harlow: Pearson Education, 2002.

BOULTON, A. Data-driven learning: taking the computer out of the equation. Language Learning, p. 534-572, 2010.

FRANKENBERG-GARCIA, A. Corpora in ELT. In: HALL, G. (ed.). The routledge handbook of English language teaching. Abingdon: Routledge, 2016. p. 383-398.

GRANGER, S. Learner Corpora. In: CHAPELLE, C. A. (ed.). The encyclopedia of Applied Linguistics. Oxford: Blackwell Publishing, 2013.

GRANGER, S. A bird’s-eye view of learner corpus research. In: GRANGER, S.; HUNG, J.; PETCH-TYSON, S. (ed.). Computer learner corpora, second language acquisition and foreign language teaching. Amsterdã: John Benjamins, 2002. p. 03-33.

GRANGER, S. The computer learner corpus: a versatile new source of data for SLA research. In: GRANGER, S. (ed.). Learner English on computer. New York: Longman, 1998. p. 03-18.

JOHNS, T. From printout to handout: grammar and vocabulary teaching in the context of data-driven learning. In: ODLIN, T. (ed.). Perspectives on pedagogical grammar. Cambridge: Cambridge University Press, 1994. p. 293-313.

JOHNS, T. Should you be persuaded: two samples of data-driven learning materials. English language research journal, Birmingham, v. 4, p. 1-16, 1991.

NEVES, A. J. Cibercultura e literatura identidade e autoria em produções culturais participatórias e na literatura de fã (fanfiction). Jundiaí: Paco Editorial, 2014.

PARROTT, M. Grammar for English language teachers. 2nd. Cambridge: Cambridge University Press, 2000.

SWAN, M. Practical English usage. 3rd. Oxford: Oxford University Press, 2005.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v49i1.2568

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)