Ensino de português para refugiadas e refugiados: pode entrar?

Ana Letícia Carneiro de Oliveira

Resumo


Este artigo apresenta uma breve análise de um livro didático (LD) produzido e utilizado no Brasil para o ensino de Português como Língua Adicional para refugiadas e refugiados. Como base teórica para o desenvolvimento deste estudo, utilizei a pesquisa qualitativa interpretativista (BORTONI-RICARDO, 2008), e teóricos como Bakhtin (2006, 2003), Schlatter (2009), Richards e Rodgers (2001). Minha análise indica que, embora as temáticas propostas no LD sejam relevantes para o público-alvo em questão, há a predominância de uma perspectiva estruturalista pouco produtiva para o efetivo diálogo intercultural, bem como para as ações linguístico-discursivas implicadas na entrada dessas/es refugiadas/os nos distintos contextos brasileiros.


Palavras-chave


análise de livro didático; ensino de Português como língua adicional; abordagem baseada em tarefas

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRIGHETTI, G. A elaboração de tarefas de compreensão oral para o ensino de português como língua adicional em níveis iniciais. 2009. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, M.; VOLOCHÍNOV, V. Marxismo e filosofia da linguagem. 12. ed. HUCITEC, 2006.

BULLA, G. da; S. LEMOS, F. C.; SCHLATTER, M. Análise de material didático para o ensino de línguas adicionais a distância: reflexões e orientações para o design de tarefas pedagógicas. Horizontes de Linguística Aplicada, ano, 11, n. 1, p. 103-135, jan./jun. 2012.

ELLIS, R. Task-based language teaching and learning. Oxford: Oxford University Press, 2003.

GARCEZ, P. M. Cultura invisível e variação cultural na fala em interação social: O que os educadores da linguagem têm a ver com isso. In: INDURSKY, F.; CAMPOS, M. do C. Discurso, Memória, Identidade. Coleção Ensaios. Porto Alegre: Sagra Luzzato, 2000. p. 495-516.

GOMES, M. S. A complexidade de tarefas de leitura e produção escrita no exame Celpe-Bras. 2009. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

GOMES, M. S.; SCHLATTER, M.; SCHOFFEN, J. R. Tarefas de leitura e produção de texto com base na noção bakhtiniana de gêneros do discurso. In: SILVA, K. A.; SANTOS, D. T. (org.). Português como língua (inter)nacional: faces e interfaces. Campinas: Pontes Editores, 2003.

OLIVEIRA, M. M. de. Como fazer pesquisa qualitativa. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

REVUZ, C. A língua estrangeira entre o desejo de um outro lugar e o risco do exílio. In: SIGNORINI, I. Lingua(gem) e identidade. Campinas: Mercado das Letras, 1998. p. 213-230.

RICHARDS, J.; RODGERS, T. Approaches and methods in language teaching. 2. ed. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

SCHLATTER, M.; GARCEZ, P. M.; SCARAMUCCI, M. V. R. O papel da interação na pesquisa sobre aquisição e uso de língua estrangeira: implicações para o ensino e para a avaliação. Letras de Hoje, Porto Alegre, v.39, n. 3, p. 345-378, 2004.

SCHLATTER, M.; GARCEZ, P. M. Línguas adicionais (espanhol e inglês). Referenciais Curriculares do Estado do Rio Grande do Sul: linguagens, códigos e suas tecnologias. Porto Alegre: SE/DP, 2009. v. 1, p. 127-172.

SCHLATTER, M. O ensino de leitura em língua estrangeira na escola: uma proposta de letramento. Calidoscópio, v. 7, n. 1, p. 11-23, jan./abr. 2009.

VANDERGRIFT, L. Listening to learn or learning to listen? Annual Review of Applied Linguistic, Cambridge University Press, v. 24, p. 3-25, 2004.

VIGOTSKI, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2008.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v49i1.2588

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)