Do fonológico ao discursivo: hipóteses sobre a produção da chamada “fala telegráfica” no contexto das afasias

Rosana do Carmo Novaes-Pinto

Resumo


Os estudos sobre a chamada “fala telegráfica” são, em geral, desenvolvidos no contexto das investigações sobre o agramatismo. Essa produção caracteriza-se pela omissão e/ou substituição de morfemas livres ou flexionais, com predominância de palavras de classes abertas e tem sido, na maioria dos estudos linguísticos, atribuída a um déficit de natureza sintática (GRODZINSKY, 1984). Entretanto, há autores que a relacionam a um distúrbio de acesso lexical, predominantemente morfológico (BRADLEY et al., 1980), enquanto outros afirmam tratar-se de dificuldades no acesso fonológico (KEAN, 1985). Embora em menor número, há trabalhos que destacam sua natureza predominantemente pragmática (KOLK et al., 1985; NESPOLOUS, 1997). Caramazza e Berndt (1985), partindo da diversidade de perspectivas, caracterizam o agramatismo como um “déficit multicomponencial”. Este artigo visa apresentar uma abordagem integrada dos níveis linguísticos (JAKOBSON, 1954; COUDRY, 1988[1986]), à luz da Neurolinguística de orientação enunciativo-discursiva, tendo como foco a produção de “fala telegráfica”.


Palavras-chave


afasia; agramatismo; fala telegráfica; níveis linguísticos; neurolinguística

Texto completo:

PDF

Referências


ABAURRE, M. B. Os estudos linguísticos e a aquisição da escrita. In: CASTRO, M. F. (org.). O Método e o Dado no Estudo da Linguagem. Campinas: Editora da UNICAMP, 1996. p. 111-164.

AVRUTIN, S. Comprehension of discourse-linked and non-discourse-linked questions by children and Broca's aphasics. In: GRODZINSKY, Y.; SHAPIRO, L.; SWINNEY, D. (ed.). Language and the Brain: Representation and Processing. San Diego: Academic Press, 2000. p. 295-313.

BAKHTIN, M. O enunciado, a unidade da comunicação verbal. In: BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997. p. 289-327.

BRADLEY, D. C; GARRETT, M. F.; ZURIFF, E. B. Sintactic Deficits in Broca’s afasia. In: CAPLAN, D. (org.). Biological studies of mental processes. Cambridge: MIT Press, 1980. p. 269-286.

CARAMAZZA, A.; BERNDT, R. A Multicomponent Deficit View of Agrammatic Broca’s afasia. In: KEAN, M. (org.). Agrammatism. New York: Academic Press, 1985. p. 27-62.

CAZAROTTI-PACHECO, M. Contribuições da análise microgenética às pesquisas em neurolinguística. Estudos Linguísticos, v. 45, n. 2, p. 582-594, 2016.

CAZAROTTI-PACHECO, M. O discurso narrativo nas afasias. 2012. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012.

COUDRY, M. I. O que é o dado em neurolinguística? In: CASTRO, M. F. (org.). O Método e o Dado no Estudo da Linguagem. Campinas: Editora da UNICAMP, 1996. p. 179-194.

COUDRY, M. I. Diário de Narciso – discurso e afasia. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

COUDRY, M. I.; POSSENTI, S. Avaliar Discursos Patológicos. Cadernos de Estudos Linguísticos, v. 5, p. 99-109, 1983.

DAMÁSIO, A. What a difference a decade makes. Current Opinion in Neurology, Iowa, U.S.A: Rapid Science Publishers, v. 20, p. 177-178, 1997.

FRANCHI, C. Hipóteses para uma análise funcional da linguagem. 1977. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1977.

FRANCHI, C. Linguagem – Atividade Constitutiva. Almanaque, 5. São Paulo: Brasiliense, 1977. p. 9-27.

FREUD, S. A interpretação das afasias. Lisboa: Edições 70, 1871.

GOODGLASS, H.; MENN, L. Is Agrammatism a Unitary Phenomenon? In: KEAN, M. L. Agrammatism. New York: Academic Press, 1985. p. 1-25.

GOODGLASS, H.; KAPLAN, J. Evaluación de La Afasia y Transtornos Relacionados. Madrid: Editorial Medica Panamericana (Spanish adaptation by José E. Garcia-Albea; M.L Sánchez Bernardos). Original Title: The assessment of Aphasia and Related Disorders, 1996.

GRODZINSKY, Y. The syntactic characterization of Agrammatism. Cognition, v. 16, p. 99-120, 1984.

GREGOLIN-GUINDASTE, R. O agramatismo: um estudo de caso em Português. 1996. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1996.

JACKSON, J. H. On the Nature of the Duality of the Brain. The Medical Press and Circular, v. 1, p. 41-44, 1874.

JAKOBSON, R. Dois aspectos da linguagem e dois tipos de afasias. In: JAKOBSON, R. Linguística e Comunicação. São Paulo: Cultrix, 1954.

KEAN, M. L. Grammatical representations and the description of language processes. In: KAPLAN, D. (ed.). Biological studies of mental processes. Cambridge: MIT Press, 1980.

KEAN, M. L. Agrammatism, a phonological deficit? Cognition, p. 69-83, 1979.

KEAN, M. L. Agrammatism. New York: Academic Press, 1985.

KLEPPA, L. Preposições ligadas a verbos na fala de uma criança em processo de aquisição de linguagem e de dois sujeitos agramáticos em processo de reconstrução de linguagem ou “Eu e você? Diferente”. 2008. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

KOLK, H.; GRUNSVEN, M.; KEISER, A. On parallelism between production and comprehension in agrammatism. In: KEAN, M. Agrammatism. New York: Academic Press, 1985. p. 165-203.

LIMA, A. R. Uma abordagem funcional para os enunciados de estilo telegráfico: contribuições para estudo da relação entre pensamento e linguagem. Projeto de Doutorado-Sanduíche. Fapesp, 2019.

LIMA, A. R. As palavras funcionais na chamada “fala telegráfica” em enunciados de sujeitos afásicos. 2017. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2017.

LIMA, A. R.; NOVAES-PINTO, R. C. A chamada “fala telegráfica” e sua relação com as dificuldades de encontrar palavras: uma reflexão a partir de enunciados de sujeitos afásicos não-fluentes. Estudos Linguísticos, v. 46, n. 2, p. 715-729, 2017.

LINNEBARGER, M.; SCHWARTZ, M. F.; SAFFRAN, E. M. Sensitivity to grammatical structure in so-called agrammatic aphasics. Cognition, v. 13, p. 361-392, 1983.

LURIA, A. Pensamento e Linguagem: as últimas conferências de Luria. Porto Alegre: Artes Médicas Editora, 1976.

LURIA, A. The working brain. London: Penguin Books, 1973.

MENN, L.; OBLER, L. K. Theoretical motivations for the cross-language study of agrammatism. In: MENN, L.; OBLER, L. Agrammatic Aphasia: A cross-language narrative study. Amsterdam: John Benjamin Publishing Company, 1990. p. 3-12.

MENN, L.; MARTOHARDJONO, G. Morphological vs. phonological explanations for affix errors in agrammatism. Aphasiology, v. 31, n. 8, p. 1-23, 2016.

NESPOLOUS, J. L. A contribuição das ciências cognitivas – e, particularmente, da Psicolinguística cognitive – ao estudo das alterações de linguagem ou "do descritivo ao interpretative. In: RODRIGUES, N.; MANSUR, L. Temas em Neuropsicologia. Série de Neuropsicologia, 1993. v. 1, p. 19-37.

NESPOLOUS, J. L.; DORDAIN, M.). Agramatismo: Alteração sintática ou Morfemática? Um estudo de caso. In: MANSUR, L.; RODRIGUES, N. Temas em Neurolinguística. Série de neuropsicologia, 1995. v. 2

NESPOLOUS, J. L. El agramatismo en vísperas del año 2000: reflexiones Y Perspectivas. Neuropsychologia Latina, Sociedad Latinoamericana de Neuropsicología, v. 3, p. 2-3, 1997.

NOVAES-PINTO, R. Desafios metodológicos da pesquisa em Neurolinguística no início do século XXI. Estudos Linguísticos, v. 40, n. 2, p. 966-980, 2011.

NOVAES-PINTO, R. A adoção de conceitos bakhtinianos para a análise de linguagem de sujeitos afásicos. Estudos da Lingua(gem), v. 1, p. 111-148, 2004.

NOVAES-PINTO, R. Contribuição de Conceitos Bakhtinianos para a Análise de Dados nas diferentes formas de afasias. Estudos Linguísticos, São Paulo, n. 32, 2003.

NOVAES-PINTO, R. A contribuição do estudo discursivo para uma análise crítica das categorias clínicas. 1999. Tese. (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999.

NOVAES-PINTO, R. C. Agramatismo: uma contribuição para o estudo do processamento normal da linguagem. 1992. Dissertação. (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1992.

NOVAES-PINTO, R.; OLIVEIRA, M. V. Uncovering hidden meanings in legal discourse on the elderly: A semioethical perspective. Semiotica, Berlin, v. 2016, p. 301-321, 2016.

OLIVEIRA, M. V. B. Palavras na ponta-da-língua : uma abordagem neurolinguística. 2015. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015.

PITRES, A. L’aphasie amnesique et ses variets cliniques. Progress med., 1898.

RESNIK, M. Agramatismo: categorias funcionales y agramatismo". Neuropsychologia Latina, v. 3, p. 11, 1997.

SAUSSURE, F. Cours de Linguistique Générale. Paris: Payot, 1916.

THOMPSON, C. K.; FIX, S.; GITELMAN, D. Selective impairment of morphosyntactic production in a neurological patient. Journal of Neurolinguistics, v. 15, p. 189-207, 2002.

TISSOT, R.; MOUNIN, F.; LHERMITTE, F. Agrammatisme. Étude neuropsycholinguistique. Bruxelles: Dessart. 1973.

VYGOTSKY, L. S. A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v49i1.2624

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)