Literatura, afeto e masculinidade: uma leitura de obras de Ondjaki e Mia Couto

Everton Fernando Micheletti

Resumo


O afeto marca grande parte das obras do escritor angolano Ondjaki e do escritor moçambicano Mia Couto, muitas vezes caracterizado pelas relações de gênero. Neste artigo, são analisadas as relações afetivas que envolvem a masculinidade, especialmente no âmbito das personagens, procurando-se verificar se a perspectiva é conformadora ou crítica quanto à ordem da divisão de gênero, a hegemonia masculina e consequente violência. Para tanto, são abordadas várias obras de modo a se identificar as características recorrentes de tais relações e as diferenças de perspectiva entre os dois autores, tomando-se como referenciais teóricos principais os textos de Connell (2005, 2002, 1995) sobre as “masculinidades”, de Sedgwick (1985) sobre o “desejo homossocial masculino” e, também, alguns conceitos e pressupostos das “teorias do afeto” (SEIGWORTH; GREGG, 2010; ANDERSON, 2009) que podem contribuir com as discussões sobre masculinidade e literatura.


Palavras-chave


literatura africana; Ondjaki; Mia Couto; masculinidade; afeto

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, B. Affective atmospheres. Emotion, Space and Society, Elsevier, v. 2, p. 77-81, 2009.

BLOCH, E. O Princípio Esperança. v. I. Rio de Janeiro: Ed. UERJ/Contraponto, 2005.

BUTLER. J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 13. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

CONNELL, R. W. Masculinities. 2. ed. Berkeley/Los Angeles: University of California Press, 2005.

CONNELL, R. W. Understanding men: gender sociology and the new international research on masculinities. Social Thought & Research, Lawrence: University of Kansas, v. 24, n. 1-2, p. 13-31, 2002.

CONNELL, R. W. Políticas da masculinidade. Educação & Realidade, Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, v. 20, n. 2, p. 185-206, 1995.

CONNELL, R. W.; MESSERSCHMIDT, J. W. Masculinidade hegemônica: repensando o conceito. Estudos Feministas, Florianópolis: UFSC, v. 21, n. 1, p. 241-282, 2013.

COUTO, M. Cada homem é uma raça. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

COUTO, M. Estórias abensonhadas. São Paulo: Companhia das Letras, 2012a.

COUTO, M. A confissão da leoa. São Paulo: Companhia das Letras, 2012b.

COUTO, M. Antes de nascer o mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2009a.

COUTO, M. O fio das missangas. São Paulo: Companhia das Letras, 2009b.

COUTO, M. Cronicando. 2. ed. Maputo: Ndjira, 2008.

COUTO, M. Terra sonâmbula. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

COUTO, M. O último voo do flamingo. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

COUTO, M. Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

DOUBROVSKY, J. S. O último eu. In: NORONHA, J. M. G. (org.). Ensaios sobre a autoficção. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2014. p. 111-125.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade: I. A vontade de saber. 13. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

HALL, S. Da Diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Ed. UFMG/ UNESCO, 2003.

ONDJAKI. Os transparentes. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

ONDJAKI. A bicicleta que tinha bigodes. Rio de Janeiro: Pallas, 2012.

ONDJAKI. Quantas madrugadas tem a noite. São Paulo: Leya, 2010.

ONDJAKI. AvóDezanove e o segredo do soviético. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

ONDJAKI. Os da minha rua. Rio de Janeiro: Língua Geral, 2007.

ONDJAKI. Bom dia camaradas. Rio de Janeiro: Agir, 2006.

RUFFATO, L. Bom dia, camarada leitor brasileiro! In: ONDJAKI. Bom dia camaradas. Rio de Janeiro: Agir, 2006. p. 09-13.

SARLO, B. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo/Belo Horizonte: Companhia das Letras/UFMG, 2007.

SARTRE, J. P. Que é a literatura? 3. ed. São Paulo: Ática, 2004.

SEDGWICK, E. K. Between Men: English Literature and Male Homosocial Desire. New York: Columbia University, 1985.

SEIGWORTH, G. J.; GREGG, M. An inventory of shimmers. In: AHMED, S. The affect theory reader. Durham/London: Duke University Press, 2010. p. 01-25.

VIEIRA, J. L. João Vêncio: os seus amores. 2. ed. Lisboa: Edições 70, 1987.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v49i1.2631

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)