Construções completivas insubordinadas subjetivas-modais no português brasileiro

Flavia Bezerra de Menezes Hirata-Vale

Resumo


Neste trabalho descrevem-se e analisam-se os usos de construções completivas insubordinadas (CCI) no português brasileiro com função subjetiva-modal, de acordo com as propostas de Evans (2007, 2009), Van Linden e Van de Velde (2014), D'Hertefelt, (2015), Gras (2016), Sansiñena (2015), entre outros. As ocorrências foram coletadas em diferentes corpora de língua falada (Corpus do Português, Corpus Brasileiro, Corpus C-Oral e IBORUNA). Nas construções subjetivo-modais, o falante expressa sua atitude subjetiva em relação à proposição. As CCIs sempre são formalmente marcadas com o modo subjuntivo, têm natureza exclamativa ou optativa/hortativa, e os sujeitos são de terceira pessoa, singular ou plural. No uso de CCIs ocorre uma extensão funcional na medida em que essas construções expressam relações além do nível de oração, que podem ser avaliadas apenas discursivamente.


Palavras-chave


insubordinação; construções completivas; função subjetivo-modal

Texto completo:

PDF

Referências


ALVEZ, C. P. Construções condicionais insubordinadas adversativas: uma análise descritiva no português do Brasil. Relatório de Iniciação Científica. FAPESP, Processo nº: 2017/15225-9. São Carlos, 2020.

COIMBRA, E. C. Construções semi-insubordinadas no português brasileiro: uma análise sincrônica. Processo nº 2018/0773. Relatório final FAPESP. 2020.

CORADINI, M. C. As construções condicionais insubordinadas com a conjunção “se” no português sob uma perspectiva diacrônica. Relatório de Iniciação Científica. FAPESP, processo nº 2018/07734-3. São Carlos, 2020.

DECAT, M. B. N. Uma abordagem funcionalista para o estudo de processos linguísticos em gêneros textuais do português em uso. Revista LinguíStica/Revista do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 150-162, jun. 2012. Disponível em: http://www.letras.ufrj.br/poslinguistica/revistalinguistica. Acesso em: 02 set. 2018.

DECAT, M. B. N. Estruturas desgarradas em língua portuguesa. Campinas: Pontes. 2011.

DECAT, M. B. N. Relações retóricas e funções textual-discursivas na articulação de orações no português brasileiro em uso. Calidoscópio, v. 8, n. 3, p. 167-173, set./dez. 2010.

DECAT, M. B. N. Leite com manga morre”: da hipotaxe adverbial no português em uso. 1993. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada ao Ensino de Línguas) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1993.

D'HERTEFELT, S. Insubordination in six Germanic languages. 2015. Tese (Doutorado em Linguística) – Katholieke Universiteit Leuven, Leuven, 2015.

EVANS, N. Insubordination and its uses. In: NIKOLAEVA, I. (ed.). Finiteness. Theoretical and Empirical Foundations. Oxford: Oxford University Press, 2007. p. 366-431.

GARCÍA, W. E. La prosodia de las construcciones insubordinadas conectivo-argumentativas em español. 2016. Tese. (Doutorado em Linguística) – Universidade de Barcelona, Barcelona, 2016.

GOLDBERG, A. Constructions at Work: The Nature of Generalization in Language. Oxford, 2005.

GOLDBERG, A. Constructions: A Construction Grammar Approach to Argument Structure (Cognitive Theory of Language and Culture). Chicago: University of Chicago Press, 1995.

GRAS, P. Revisiting the functional typology of insubordination: Insubordinate que-constructions in Spanish. In: EVANS, N., WATANABE, H. (ed.). Dynamics of Insubordination. Amsterdam: Benjamins, 2016. p. 113-144.

HIRATA-VALE, F. B. M. Polifuncionalidade do conectivo “que” no português do Brasil: uma análise construcional-interacional. Projeto de Pesquisa em andamento. 2020.

HIRATA-VALE, F. B. M. Construções completivas insubordinadas no português: forma e função. Relatório Científico Final. Auxílio à pesquisa. FAPESP 2016/05224-2, 2018.

HIRATA-VALE, F. B. M. Construções condicionais insubordinadas no português: usos metatextuais. Estudos Linguísticos, v. 46, n. 1, p. 83-97, 2017.

HIRATA-VALE, F. B. M. O processo de insubordinação nas construções condicionais do português do Brasil. Relatório Científico Final. Bolsa de Pesquisa no Exterior. FAPESP: processo 13/24523-2, 2015.

HIRATA-VALE, F. B. M.; OLIVEIRA, T. P.; SILVA, C. F. Construções insubordinadas no português do Brasil: completivas e condicionais em análise. ODISSÉIA, v. 2, p. 25-41, 2017.

MITHUN, M. The extension of dependency beyond the sentence. Language, v. 84, n. 1, p. 69-119, 2008.

PIRES, C.; CORADINI, M. C. Construções condicionais insubordinadas adversativas: uma análise descritiva no português do brasil e sua comparação com o espanhol. Relatório Final. PIBIC/UFSCar. 2018.

SANSIÑENA, M. S. P. The multiple functional load of que: an interactional approach to insubordinate complement clauses in Spanish. 2015. PhD Thesis. Katholieke Universiteit Leuven, Leuven, 2015.

SANSIÑENA, M. S. P.; CORNILLIE, B.; DE SMET, H. Between subordinate and insubordinate. Complementizer-initial responses in English, French, German and Spanish. Trabalho apresentado no “Complex Sentences International Workshop (CSI)”. 2013a. Disponível em: http://www.arts.kuleuven.be/ling/fest/events/np-3-2013-CSI-2013. Acesso em: 02 set. 2018.

SANSIÑENA, M. S. P.; CORNILLIE, B.; DE SMET, H. Free-standing que-clauses and other directive strategies in Spanish. Leuven Working papers in Linguistics. 2013b. Disponível em: http://www.arts.kuleuven.be/ling/workingpapers/papers/pdf-files/LWPL7. Acesso em: 02 set. 2018.

SANSIÑENA, M. S.; DE SMET, H.; CORNILLIE, B. Between subordinate and insubordinate. Paths towards complementizer-initial main clauses. Journal of Pragmatics, v. 77, p. 3-9, 2015a.

SANSIÑENA, M. S.; DE SMET, H.; CORNILLIE, B. Displaced directives. Subjunctive free-standing que-clauses vs. imperatives in Spanish. Folia Linguistica, v. 49, n. 1, p. 257-285, 2015b.

SILVESTRE, A. P. S. “Se eu pudesse e se o meu dinheiro desse...”: Prosódia e Desgarramento no PB e no PE. 2017. Tese (Doutorado em Letras Vernáculas) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

STASSI-SÉ, J. Subordinação Discursiva no Português à luz da Gramática Discursivo-Funcional. 2012. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, São José do Rio Preto, 2012.

VAN LINDEN, A.; VAN DE VELDE, F. (Semi-)autonomous subordination in Dutch: Structures and semantic-pragmatic values. Journal of Pragmatics. http://dx.doi.org/10.1016/j.pragma.2013.08.022, 2013.

VERSTRAETE, J.; D'HERTEFELT, S.; VAN LINDEN, A. A typology of complement insubordination in Dutch. Studies in Language, n. 36, v. 1, p. 123-153, 2012.

VERSTRAETE, J. C.; D’HERTEFELT, S. Running in the family: Patterns of complement insubordination in Germanic. In: EVANS, N., WATANABE, H. (ed.). Dynamics of Insubordination. Amsterdam: Benjamins. 2016. p. 65-88.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v49i1.2675

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)