Neuroeducação e dificuldades de leitura e escrita: análise à luz da Neurolinguística Discursiva

Autores

Palavras-chave:

neuroeducação, dislexia, dificuldades escolares

Resumo

Um dos objetos de análise da Neurolinguística Discursiva (ND) é o aumento de cursos que relacionam os estudos da cognição, a psicologia e a neurologia – as chamadas neurociências – com a educação. O objetivo desses cursos, em geral, é ajudar o professor a compreender processos biológicos envolvidos na aprendizagem e o funcionamento cerebral, o que, em tese, ajudaria a compreender as dificuldades dos alunos e repensar as práticas pedagógicas. Neste trabalho, analisamos o recente avanço das chamadas Neurociências ou a Neuroeducação sobre os cursos de formação de professores e sua abordagem das dificuldades de aprendizagem, sobretudo da Dislexia. À luz da ND, analisamos um artigo representativo do ponto de vista que a Neurociência divulga sobre a Dislexia e propomos um contradiscurso para esta perspectiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABAURRE, M. B.; FIAD, R. S.; MAYRINK-SABINSON, M. L. Cenas de aquisição da escrita. Campinas: Mercado de Letras, 2006.

AGAMBEN, G. O que é contemporâneo? e outros ensaios. Chapecó: Argos, 2009.

ALTREIDER, A. Dislexia: Varlendo contra o vento. In: FILHO, C. A. B. et al. (org). Neurologia e Aprendizagem: Abordagem Multidisciplinar. Porto Alegre: Artmed, 2015.

AMARAL, A. et al. Omissão de grafemas e características da sílaba na escrita infantil. Rev. CEFAC, vol. 13, n. 5, p. 846-855, set-out. 2011.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION (APA). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. Porto Alegre: Artmed, 2014.

CAGLIARI, L. C. Alfabetização e linguística. São Paulo: Scipione, 1989.

COUDRY, M. Diálogo com a Neurolinguística para a formação de professores. In: SERRANI, S. Letramento, discurso e trabalho docente. Vinhedo: Horizonte, 2010.

COUDRY, M. Despatologizar é preciso. In: II SIMELP: Panorâmica de Linguística, Literatura e Cultura. Anais do evento. Évora: Universidade de Évora, v. 1, 2009.

COUDRY, M. Patologia estabelecida e vivências com o escrito. ENAL. Anais do 7o Encontro Nacional sobre Aquisição da Linguagem. Porto Alegre: PUCRS, 2007.

FRANCHI, C. Linguagem: atividade constitutiva. Cadernos de Estudos Linguísticos, n. 22, 1992.

FREUD, S. La afasia. Buenos Aires: Ediciones Nueva Visión, 1973.

HELLER-ROAZEN, D. Ecolalias. Campinas: Editora UNICAMP, 2010.

HORA, D. M. O olho clínico do professor. Rio de Janeiro: Contra-Capa, 2011.

LURIA, A. R. El cérebro en acción. Barcelona: Fontanela, 1979.

LURIA, A. O desenvolvimento da escrita na criança. In: VYGOTSKY, S.; LEONTIEV, A. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone, 2001.

LURIA. A. Curso de psicologia geral, vol. 3. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.

MAINGUENAU, D. Gênese dos discursos. Curitiba: Criar Edições, 2005.

MOREL, S.; CARIO, E.; “Interview. Stanislas Morel: «Les neurosciences illustrent la dépolitisation actuelle de la question scolaire»". Libération (online), 19 de janeiro de 2018. Disponível em: https://www.liberation.fr/debats/2018/01/19/stanislas-morel-les-neurosciences- illustrent-la-depolitisation-actuelle-de-la-question-scolaire_1623801. Acesso em: 14 jun. 2019.

MOUTINHO, I. Contribuições da Neurolinguística Discursiva para a formação de professores. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2019.

MOYSÉS, M. A. A Institucionalização Invisível: Crianças que não aprendem na escola. Campinas, SP: Mercado de letras; São Paulo 2001.

VYGOTSKY, L. S. Psicologia pedagógica. São Paulo: Martins Fontes, 2001

Downloads

Publicado

27-12-2021

Como Citar

Moutinho, I. de C. N., & Coudry, M. I. H. (2021). Neuroeducação e dificuldades de leitura e escrita: análise à luz da Neurolinguística Discursiva. Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978), 50(3). Recuperado de https://revistas.gel.org.br/estudos-linguisticos/article/view/2904

Edição

Seção

Artigos