As evidencialidades de raciocínio e sua combinação com tempo e modo no português brasileiro

Autores

  • Vítor Henrique Santos da Silva Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), São José do Rio Preto, São Paulo, Brasil https://orcid.org/0000-0003-4649-2170

Palavras-chave:

evidencialidade, inferência, dedução, raciocínio, Gramática Discursivo-Funcional.

Resumo

Analisando orações complexas em que a matriz é nucleada pelos verbos inferir, deduzir, concluir, perceber, observar e ver, este trabalho objetiva testar a hipótese de que, se esses verbos expressam inferência ou dedução, subtipos evidenciais de acordo com Hengeveld e Hattnher (2015), o tempo e o modo da encaixada é diferente a depender do subtipo. Os resultados comprovam essa hipótese, já que, nos dados analisados, a encaixada com a informação deduzida só se apresenta em tempos do passado e do presente do indicativo, enquanto a informação inferida ocorre nos tempos presente, passado e futuro e nos modos indicativo, subjuntivo e condicional. As ocorrências provêm do Corpus Brasileiro (SARDINHA; MOREIRA FILHO; ALAMBERT, 2010) e do Timestamped JSI web corpus 2014-2020 (TRAMPUS; NOVAK, 2012), e são analisadas com o auxílio do Goldvarb X (SANKOFF; TAGLIAMONTE; SMITH, 2005).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AIKHENVALD, A. Y. Evidentials: Their links with other grammatical categories. Linguistic Typology, v. 19, n. 2, p. 239-277, 2015.

AIKHENVALD, A. Y. Evidentiality. Oxford: Oxford University Press, 2004.

AIKHENVALD, A. Y.; DIXON, R. M. W. Dependencies between Grammatical Systems. Language, v. 74, n. 1, p. 56-80, mar. 1998.

CASTILHO, A. T. de. Nova Gramática do Português Brasileiro. São Paulo: Editora Contexto, 2010.

DIK, S. C. The theory of Functional Grammar. Part II - Complex and derived constructions. Nova York: Mouton de Gruyter, 1997.

FREITAG, R. M. O papel da freqüência de uso na gramaticalização de acho (que) e parece (que) marcadores de dúvida na fala de Florianópolis. Veredas, v. 7, n. 1 e n. 2, p. 113-132, jul./dez 2003.

HATTNHER, M. M. D. The interaction between tense and evidentials of event perception and deduction in Brazilian native languages. In: MACKENZIE, J. L.; OLBERTZ, H. (eds.). Casebook in Functional Discourse Grammar. 1. ed. Amsterdã: John Benjamins, 2013. p. 39-66.

HENGEVELD, K. The grammaticalization of tense and aspect. In: HEINE, B.; NARROG, H. (eds.). The Oxford Handbook of Grammaticalization. Oxford: Oxford University Press, 2011. p. 580-594.

HENGEVELD, K.; FISCHER, R.; GRANDIS, S. Episodes, New Topics and Conditionals in A’ingae. 2018. 70 slides. Disponível em: http://www.keeshengeveld.nl. Acesso em: 15 jan. 2019.

HENGEVELD, K.; MACKENZIE, L. Gramática Discursivo-Funcional. Tradução de Marize Mattos Dall’Aglio-Hattnher. In: SOUZA, E. R. F. Funcionalismo linguístico: análise e descrição. 1. ed. São Paulo: Contexto, 2012. p. 43-85.

HENGEVELD, K.; MACKENZIE, L. Functional Discourse Grammar. A typologically-based theory of language structure. Oxford: Oxford University Press, 2008.

KAPP, A. M. M. Relações entre tempo e evidencialidade nas línguas indígenas do Brasil: um estudo tipológico-funcional. 2013. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, 2013.

KAPP-BARBOZA, A. M. M. Usos do verbo saber e a expressão da evidencialidade no português brasileiro. 2017. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) - Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, UNESP, São José do Rio Preto, 2017.

KILGARRIFF, A. et al. Itri-04-08 The Sketch Engine. Information Technology, 2004.

SANKOFF, D.; TAGLIAMONTE, S. A.; SMITH, E. Goldvarb X: A variable rule application for Macintosh and Windows. Department of Linguistics, University of Toronto, 2005.

SANTANA, L. Relações de complementação no português brasileiro: uma perspectiva discursivo-funcional. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010.

SARDINHA, T. B.; MOREIRA FILHO, J. L.; ALAMBERT, E. Corpus Brasileiro. São Paulo: CEPRIL, LAEL, CNPq, Fapesp, PUCSP. 2010.

SILVA, V. H. S. A expressão lexical da dedução e da inferência em língua portuguesa: uma análise discursivo-funcional. 2020. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, São José do Rio Preto, 2020a.

SILVA, V. H. S. Padrões morfossintáticos da inferência e da dedução em língua portuguesa. Estudos Linguísticos, v. 49, n. 1, p. 346-363, abr. 2020b.

TRAMPUS, M.; NOVAK, B. The Internals Of An Aggregated Web News Feed. In: Multiconference on Information Society, 15, 2012. Anais eletrônicos... Ljubljana (Slovenia): Jožef Stefan Institute, 2012. Disponível em: http://library.ijs.si/Stacks/Proceedings/InformationSociety/2012/. Acesso em: 24 set. 2020.

VENDRAME, V. Os verbos ver, ouvir e sentir e a expressão da evidencialidade em língua portuguesa. 2010. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, UNESP, São José do Rio Preto, 2010.

Downloads

Publicado

27-12-2021

Como Citar

Silva, V. H. S. da. (2021). As evidencialidades de raciocínio e sua combinação com tempo e modo no português brasileiro. Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978), 50(3). Recuperado de https://revistas.gel.org.br/estudos-linguisticos/article/view/2909

Edição

Seção

Artigos