Pandemia e neologia em manchetes jornalísticas: criatividade lexical em foco

Autores

Palavras-chave:

léxico, neologia, produtividade lexical, coronavírus, pandemia.

Resumo

O presente artigo, motivado pelas relações entre língua e cultura, especialmente as relações entre léxico e fatos sociais, tem por objetivo mostrar alguns aspectos da inovação lexical no português contemporâneo do Brasil, a partir das criações neológicas no âmbito da mídia eletrônica (sites da internet), colhidas de manchetes jornalísticas, geradas pela forte influência dos fatos extralinguísticos decorrentes da pandemia da Covid-19. Nesse contexto, observaram-se diversos processos de renovação do léxico, com a inclusão de novas unidades, envolvendo a neologia formal, semântica e de empréstimo. Como procedimentos metodológicos, partindo do critério lexicográfico para identificação da unidade lexical neológica, foram examinadas reportagens da imprensa de circulação nacional, das quais foram selecionadas manchetes contendo trinta e nove neologismos. Com isso, o trabalho revela a abundância de palavras novas geradas no português brasileiro, no período de ocorrência da pandemia da Covid-19.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aderlande Pereira Ferraz, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Professor associado da Universidade Federal de Minas Gerais. Áreas de interesse: Lexicologia, Lexicografia e Terminologia, especialmente com os seguintes temas: descrição e ensino do léxico; neologismos, lexicografia pedagógica.

Geraldo José Rodrigues Liska, Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL), Alfenas, Minas Gerais, Brasil

Residente pós-doutoral em estudos linguísticos na UFMG (bolsa CAPES PNPD). Áreas de interesse: Linguística e de Ensino de Língua, com ênfase em Morfologia, Lexicologia, Semântica Lexical, Semântica Cultural e Estilística Léxica.

Referências

ALVES, I. M. Neologismo. São Paulo: Ática, 1990.

BOULANGER, J. C. Problematique d’une Methodologie de l’identification des neologismes en terminologie. In: Neologie et Lexicologie. Paris: Larousse, 1979.

CABRÉ, M. T. La Terminología – teoría, metodología, aplicaciones. Barcelona: Editorial Antártida/ Empúries. Trad. Castelhana de Carles Tebé. 1993.

GONÇALVES, C. A. Blends lexicais em em português: não-concatenatividade e correspondência. Veredas (UFJF). V. 14, n. 1, 2003, p. 16-35.

GONÇALVES, C. A. Processos morfológicos não-concatenativos: formato prosódico e latitude funcional. Alfa (ILCSE/UNESP), Araraquara, v. 48, n. 2, p. 30-66, 2004.

GUILBERT, L. La créativité lexicale. Paris: Larousse, 1975.

MONTEIRO, J. L. Morfologia portuguesa. 3ª ed. Campinas: Pontes, 1991.

SANDMANN, A. J. Formação de palavras no português brasileiro contemporâneo. Curitiba: Scientia et Labor / São Paulo: Ícone, 1989.

SANDMANN, A. J. Morfologia lexical. São Paulo: Contexto, 1992.

SILVA, A. S. O mundo dos sentidos em português: polissemia, semântica e cognição. Coimbra: Almedina, 2006.

VILELA, M. Estudos de Lexicologia do Português. Coimbra: Livraria Almedina, 1994.

Downloads

Publicado

27-12-2021

Como Citar

Ferraz, A. P., & Rodrigues Liska, G. J. (2021). Pandemia e neologia em manchetes jornalísticas: criatividade lexical em foco. Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978), 50(3). Recuperado de https://revistas.gel.org.br/estudos-linguisticos/article/view/3055

Edição

Seção

Artigos