Subordinação discursiva no português: a função interacional transição

Joceli Catarina Stassi Sé

Resumo


Este artigo investiga, sob o escopo da Gramática Discursivo-Funcional (HENGEVELD; MACKENZIE, 2008), construções introduzidas por porque que não exibem dependência morfossintática nem semântica em relação a uma oração principal imediatamente anterior ou posterior. Busca-se determinar, nas variedades lusófonas que têm o português como língua oficial, as propriedades pragmáticas, semânticas, morfossintáticas e fonológicas dessas construções, bem como especificar seu funcionamento no discurso. Os resultados permitem constatar que essas estruturas, determinadas no nível interpessoal da teoria, são movimentos que contribuem para o avanço da interação com a função de indicar transição de assunto, estabelecendo relações de subordinação discursiva.


Palavras-chave


Discourse subordination in Portuguese: the interactional function transition

Texto completo:

PDF

Referências


BARTH, D. “That’s true, although not really, but still”: expressing concession in spoken English. In: KUHLEN, E. C.; KORTMANN, B. (Ed.). Cause, condition, concession, contrast cognitive and discourse perspectives. New York: Mounton de Gruyter, 2000. p. 411-437.

CREVELS, M. Concession: a typological study. 2000. Dissertation (Master’s Degree) – University of Amsterdam, Amsterdam, Netherlands, 2000.

DECAT, M. B. N. Por uma abordagem da (in)dependência de cláusulas à luz da noção de “unidade informacional”. Scripta, Belo Horizonte, MG, v. 2, n. 4, p. 23-38, 1999.

GARCIA, O. Comunicação em prosa moderna. 10. ed. São Paulo: FGV, 1982.

GARCIA, S. T. As relações concessivas no português falado sob a perspectiva da gramática discursivo-funcional. 2010. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos, área de concentração Análise Linguística) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, São José do Rio Preto, SP, 2010.

GÓIS, C. Método de análise (léxica e lógica) ou sintaxe das relações. 20. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1955.

HAIMAN, J.; THOMPSON, S. A. “Subordination” in universal grammar. In: ANNUAL MEETING OF THE BERKELEY LINGUISTICS SOCIETY, 10., 1984, Berkeley, California, US. Annals... Berkeley, California, US: Berkeley Linguistics Society, 1984. p. 510-523.

HENGEVELD, K. Adverbial clauses in the languages of Europe. In: AUWERA, J. V. D. (Ed.). Adverbial constructions in the languages of Europe (empirical approaches to language typology/eurotyp 20-3). Berlin: Mouton de Gruyter, 1998. p. 335-419.

HENGEVELD, K.; MACKENZIE, L. Functional discourse grammar: a typologically-based theory of language structure. Oxford, England: Oxford University Press, 2008.

JUBRAN, C. C. A. S.; KOCH, I. G. V. Gramática do português culto falado no Brasil. v. 1. Campinas, SP: Unicamp, 2006.

NOVAES, N. B. A relação conclusiva nas variedades lusófonas: a variedade europeia. Anais do SILEL, v. 3, n. 1. Uberlândia: Edufu, 2013.

PÉREZ QUINTERO, M. J. P. Adverbial subordination in english: a functional approach. In: Language and computers: studies in practical linguistics, n. 41. Amsterdam and New York: Rodopi, 2002.

PEZATTI, E. G. A relação adverbial explicativa nas variedades do português. In: SIMPÓSIO MUNDIAL DE ESTUDOS DE LÍNGUA PORTUGUESA (SIMELP), 2., 2009.

SPOSITO, C. C. Construções adverbiais de causa, razão, explicação e motivação na lusofonia: uma abordagem discursivo-funcional. 2012. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos, área de concentração Análise Linguística) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, São José do Rio Preto, SP, 2012.

STASSI-SÉ, J. Subordinação discursiva no português à luz da gramática discursivo-funcional. 2012. 194 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, São José do Rio Preto, SP, 2012.

THOMPSON, S. A. Subordination in formal and informal discourse. In: SCHIFFRIN, D. (Ed.). Meaning, form, and use in context: linguistic applications. Washington, US: Georgetown University Press, 1984.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)