A expressividade do sufixo “-inho” na obra Vidas secas

Maria da Graça de Souza

Resumo


Neste estudo temos por objetivo analisar, na obra Vidas secas, de Graciliano Ramos, as formações em -inho. Para isso o presente trabalho está fundamentado na estilística léxica ou da palavra que se ocupa, segundo Martins (1989), dos aspectos expressivos das palavras ligados aos seus componentes semânticos e morfológicos, sem, contudo, estarem desvinculados dos aspectos sintáticos e contextuais. Conforme Martins, a derivação sufixal é um processo de grande vitalidade, não só devido ao grande número de sufixos da língua, mas também pela variedade de conotações que muitos deles permitem sugerir. Nesse sentido, buscaremos analisar, em toda a obra, a seletividade lexical em –inho, verificando a expressividade desse sufixo.


Palavras-chave


expressividade; sufixo; léxico

Texto completo:

PDF

Referências


HOUAISS, I. A. Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa 1.0.5a. Rio de Janeiro: Objetiva, 2002. CD-ROM.

LAPA, R. M. Estilística da Língua Portuguesa. 7. ed. Rio de Janeiro: Acadêmica, 1973. 220 p.

MARTINS, N. S. Introdução à estilística. São Paulo: T.A. Queiroz, 1989. 227 p.

MELO, A. A. M. C. A crítica social e a escrita em Vidas Secas. Estud. Soc. Agric., Rio de Janeiro, v. 13, n. 370 2, p. 369-398, 2005. Acesso em: 15 maio 2012.

RAMOS, G. Vidas secas. 54. ed. Rio de Janeiro, São Paulo: Record, 1985. 155 p.

SILVA, A. S. da O mundo dos sentidos em português. Polissemia, semântica e cognição. Coimbra: Almedina, 2006. 392 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)