O léxico rural no Brasil Central: designações para “bruaca”

Luciene Gomes Freitas Marins

Resumo


Este trabalho discute vestígios de ruralidade no léxico dos habitantes da região Centro-Oeste com base nos princípios teóricos da lexicologia e da geolinguística. Para tanto, foram analisados 15 itens lexicais fornecidos como respostas para a questão 058/QSL – “objeto de couro, com tampa, para levar farinha, no lombo do cavalo ou do burro” – do Projeto Atlas Linguístico do Brasil (Projeto ALiB), vinculada à área semântica das atividades agropastoris. Os dados foram recolhidos de entrevistas realizadas em 23 localidades com 104 informantes do seguinte perfil: jovens e idosos, sexos masculino e feminino, com ensino fundamental e superior. As respostas foram distribuídas entre aquelas que nomeiam o conceito (bruaca>buraca, bolsa, baú de couro, caixa/de couro e mala) e as que nomeiam outros conceitos (capanga, alforje, surrão, boroca, embornal, sapicuá, cofo, caçuá e silhão).


Palavras-chave


léxico rural; região Centro-Oeste; Projeto AliB

Texto completo:

PDF

Referências


AULETE, C. Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa. Versão eletrônica. Rio de Janeiro: Lexikon, 2006. Disponível em: . Acesso em: 03 maio 2011.

AMARAL, A. O dialeto caipira: gramática, vocabulário. 4. ed. São Paulo: Hucitec, 1982 [1920]. 195 p.

BIDERMAN, M. T. C. As ciências do léxico. In: OLIVEIRA, A. M. P. de; ISQUERDO, A. N. (Org.). As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. 2. ed. Campo Grande: Editora da UFMS, 2001. p. 13-22.

BIDERMAN, M. T. C. A estrutura mental do léxico. In: BIDERMAN, M. T. C. Estudos de filologia linguística. São Paulo: Queiroz/Edusp, 1981. p. 131-145.

BORTONI-RICARDO, S. M. Nós cheguemu na escola, e agora? Sociolinguística & educação. 2. ed. São Paulo: Parábola, 2005. (Coleção Língua[gem]; 11). 236 p.

BOTELHO, J. M.; LEITE, I. L. Metaplasmos contemporâneos – um estudo acercas das atuais transformações fonéticas da Língua Portuguesa. In: II Congresso de Letras da UERJ – São Gonçalo (II CLUERJ- SG), 2005, São Gonçalo. Anais do II CLUERJ- SG.Disponível em Acesso em: 29 dez. 2011.

BLUTEAU, R. Vocabulário Portuguez & Latino. Coimbra: Colégio das Artes da Companhia de Jesus, 1712-1728. (Acervos on-line). Disponível em: . Acesso em: 03 maio 2011.

CARDOSO, S. A. M.; FERREIRA, C. da S. O léxico rural: glossário, comentários. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2000. 138 p.

COMITÊ NACIONAL DO PROJETO ALiB. Atlas Linguístico do Brasil: Questionário 2001. Londrina: Eduel, 2001. 47 p.

COSERIU, E. Teoria del lenguaje y linguistica general: cinco estudios. 3. ed. Madrid: Gredos, 1978. (Biblioteca romanica hispanica; 2. Estudios y ensayos; 61). 328p.

CUNHA, A. G. da. Dicionário etimológico Nova Fronteira da língua portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1996. 839 p.

CUNHA, C. O português e sua origem rural. In: CUNHA, C. Língua portuguesa e realidade brasileira. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1977. p. 67-85.

DICIONÁRIO INFORMAL DA LÍNGUA PORTUGUESA, 2006-2011. Disponível em: . Acesso em: 08 out. 2013.

DIÉGUES Jr., M. Regiões culturais do Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Nacional de estudos pedagógicos - Inep. Ministério da Educação e Cultura, 1960. 112 p.

FERREIRA, A. B. de H. Novo Dicionário Eletrônico Aurélio da Língua Portuguesa. 3. ed. Curitiba: Positivo, 2004. Versão 5.0.

FERREIRA, C.; CARDOSO, S. A. A dialetologia no Brasil. São Paulo: Contexto, 1994. 95 p.

HOUAISS, A. Dicionário Eletrônico Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

ISQUERDO, A. N. Revisitando os conceitos de rural e urbano no português do Brasil: contribuição do Projeto AliB. In: XXV e Congrès Internacional de Linguistique et de Philologie Romanes (CILPR). Innsbruck, 2010. Aceito para publicação na Actes. Max Niemeyer Verlag, 2010. p. 137-146.

LEÃO, A. C. Panorama sociológico do Brasil. Rio de Janeiro: Centro Brasileiro de Pesquisa Educacionais – Inep, 1958. 204 p.

LUCCHESI, D. Norma linguística e realidade social. In: BAGNO, Marcos (Org.). Linguística da norma. 2. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2004. p. 63-92.

MARINS, L. G. F. O rural e o urbano: novos e velhos falares na região Centro-Oeste do Brasil. 2012. 320 p. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagem. Área de Concentração: Linguística) – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2012.

MATEUS, M. H. M.; VILLALVA, A. O essencial sobre a história da língua portuguesa. Lisboa: Caminho, 2006. p. 106.

MORAIS SILVA, Antônio de. Diccionário da Lingua Portugueza. Lisboa: Tipographia Lacéridina, 1813. Tomos I e II. Disponível em: http://www.ieb.usp.br/online/index.asp>. Acesso em: 10 maio 2012.

PAVÃO, E. da S. Formação, estrutura e dinâmica da formação da economia de Mato Grosso do Sul no contexto das transformações da economia brasileira. 2005. 250 p. Dissertação (Mestrado em Economia. Área de Concentração: Economia Industrial) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005.

SAPIR, E. A Linguagem: introdução ao estudo da fala. Tradução de Joaquim Mattoso Câmara Junior. 2. ed. Rio de Janeiro: Acadêmica, 1971. 262 p.

TAUNAY, A. de E. História Geral das Bandeiras Paulistas (Tomo II). 3. v. São Paulo: Melhoramentos, 1975.

THUN, H. A dialetologia pluridimensional no Rio da Prata. In: ZILLES, A. M. S. (Org.). Estudos de variação linguística no Brasil e no Cone Sul. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2005. p. 63-92.

VIANNA, H. História do Brasil: Período Colonial. v. 1. 3 ed. São Paulo: Melhoramentos, 1965. 385 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)