O silêncio no discurso sobre o gaúcho na imprensa gaúcha em tempos de(s)censura (1964-1989)

George Uilian Monteiro

Resumo


Este artigo estuda o funcionamento do discurso sobre o gaúcho na imprensa em tempos de(s)censura. Filiada à escola francesa de Análise de Discurso (AD), nossa reflexão situa-se nos entremeios das bases constituídas: além da relação mito/não mito. Selecionamos algumas sequências discursivas a fim de formarmos nosso corpus de análise, observando a relação do que é dito com o que não é dito no espaço jornalístico. Para isso movimentamos os conceitos de discurso, silenciamento, memória discursiva e formação discursiva, na realização de um dispositivo teórico-analítico que explicite as contradições constitutivas do discurso jornalístico.


Palavras-chave


Análise de discurso; silêncio; gaúcho

Texto completo:

PDF

Referências


ALTHUSSER, L. Aparelhos ideológicos de Estado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2012 [1985]. 128 p.

AMORIM, P. Porto Alegre e o laçador. Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 13 set. 1969.

CLUBE PORTUGUÊS DO RECIFE. Estatutos do “Clube Português do Recife”. Recife, 2009. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2013.

GOLIN, T. Fronteira. Governos e movimentos espontâneos na fixação dos limites do Brasil com o Uruguai e a Argentina. Porto Alegre: L&PM Editores, 2002. 400 p.

HOUAISS. Dicionário eletrônico de Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2007.

INDURSKY, F. Formação Discursiva: Ela ainda merece que lutemos por ela?. In: II SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO, 2005. Anais eletrônicos… Porto Alegre: UFRGS, 2005. Disponível em . Acesso em: 6 set. 2013.

MARIANI, B. O Comunismo imaginário: práticas discursivas da imprensa sobre o PCB (1922-1989). 1996. 256 f. Tese (Doutorado em Letras. Área de Concentração: Estudos da Linguagem) – Universidade de Campinas, Campinas.

ORLANDI, E. P. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 5. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2007. 184 p.

ORLANDI, E. P. Apagamento político na ciência: notas à história da análise de discurso. Fragmentação, diluição, indistinção de sentidos e revisionismo. In: ORLANDI, E. P. Discurso em análise: sujeito, sentido, ideologia. Campinas: Pontes, 2012. p. 13-35.

ORLANDI, E. P. Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. Campinas: Pontes, 2001. 218 p.

ORLANDI, E. P. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. Campinas, Pontes, 2005.

PÊCHEUX, M. Papel da memória. In: ACHARD, P. Papel da memória. Campinas: Pontes, 1999, p. 49-56.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso. Uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Editora da Unicamp, 2009.

PÊCHEUX, M. Discurso: estrutura ou acontecimento. Campinas: Pontes, 2012.

PETRI, V. O funcionamento do movimento pendular próprio às análises discursivas na construção do “dispositivo experimental” da análise de discurso. In: PETRI, V.; DIAS, C. (Org.). Análise de discurso em perspectiva: teoria, método e análise. Santa Maria, RS: Editora da UFSM, 2013.

PETRI, V. Imaginário sobre o gaúcho no discurso literário: da representação do mito em Contos Gauchescos, de João Simões Lopes Neto, à desmitificação em Porteira Fechada, de Cyro Martins. 2004. 332 f. Tese (Doutorado em Letras. Área de Concentração: Teorias do texto e do discurso) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

VASCONCELOS, A. Assim é o Rio Grande. Jornal Zero Hora, Porto Alegre, 20 set. 1969.

ZOPPI-FONTANA, M. Um estranho no ninho: entre o jurídico e o político, o espaço público urbano. RUA Revista do núcleo de desenvolvimento da criatividade, Campinas, n. especial, p. 53-65, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)