Modos de procedimentos teóricos e analíticos nas pesquisas em análise do siscurso da Universidade de São Paulo (USP) e na Universidade do Porto (UP)

Lucas do Nascimento

Resumo


Este artigo compara resultados de pesquisas acadêmicas em análise do discurso realizadas na Universidade de São Paulo (USP) e na Universidade do Porto (UP). O corpus selecionado são dois artigos acadêmicos da USP e duas dissertações de mestrado da UP, que se filiam teoricamente à área da análise do discurso (AD). A comparação leva em consideração postulados de Michel Pêcheux (1990 [1983]) sobre procedimento teórico e analítico, assim como três aspectos do fazer científico, conforme a epistemologia e a história da ciência (KUHN, 1978; SWIGGERS, 2004): (i.) tradição científica específica; (ii.) apropriação inovadora; e (iii.) meta-terminologia. Os resultados indiciam que as duas pesquisas da USP se filiam ao fundador francês da AD, com outros teóricos franceses e brasileiros da área, e as duas pesquisas da UP se filiam a autores vinculados à gramática, à pragmática, à ideologia e à publicidade, mas se dizem inseridas na linguística do texto/análise do discurso.


Palavras-chave


Pesquisa acadêmica; análise do discurso francesa; procedimentos teóricos e analíticos

Texto completo:

PDF

Referências


BACHELARD, Gaston. A Formação do Espírito Científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Tradução de Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BARZOTTO, Valdir Heitor. Implicações da escolha do objeto de análise e do campo de interlocução para a teoria. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61., 2013, Programação... São Paulo: GEL, 2013. Disponível em: . Acesso em: 2 ago. 2013.

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas e sinais – morfologia e história. Tradução de Frederico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

KUHN, Thomas. Estrutura das Revoluções Científicas. Tradução de Beatriz Vianna Boeira e Nelson Boeira. São Paulo: Perspectiva, 1978.

NASCIMENTO, Lucas do. O objeto midiático e o discurso acadêmico da AD sobre o Ensino de Português. In: SEMINÁRIO DO GEL, 60., 2012, Programação... São Paulo: GEL, 2012. Disponível em: . Acesso em: 6 jul. 2013.

NASCIMENTO, Lucas do. Modos de procedimentos teóricos e analíticos em pesquisas na Análise do

Discurso da USP e da UP (Portugal). In: SEMINÁRIO DO GEL, 61., 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Disponível em: . Acesso em: 06 jul. 2013.

PÊCHEUX, Michel. Análise Automática do Discurso (AAD-69). In: GADET, F.; HAK, T. (Org.) Por Uma Análise Automática do Discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Tradução de Bethania S. Mariani et al. 3. ed. Campinas: Ed. Unicamp, 1997 [1969]. p. 61-161.

PÊCHEUX, Michel. Les Vérités de la Palice. Paris: Maspero, 1975. [Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução de Eni Pulcinelli Orlandi et al. 2. ed. Campinas:

Ed. Unicamp, 1995].

PÊCHEUX, Michel. L’énoncé: enchássement, articulation et dé-liaison. In: CONEIN, Bernard et al. (Org.). Matérialités discursives. Lille: Presses Universitaires de Lille, 1981. p. 143-148.

PÊCHEUX, Michel. Sur la (dé-)construction des theories linguistiques, DRLAV, no. 27, 1982, p. 1-24. [Sobre a (des-)construção das teorias lingüísticas. Cadernos de Tradução do Instituto de Letras da UFRGS, Porto Alegre, n. 4, p. 35-55, out. 1998].

PÊCHEUX, Michel. Discourse: structure or event? In: PÊCHEUX, Michel. L’inquietude du Discours. Textes choisis et présentés par Denise Maldidier. Paris: Éditions des Cendres, 1990 [1983]. p. 303-323.

PÊCHEUX, Michel. Sur les contexts épistémologiques de l’analyse de discourse, Mots, n. 9, p. 7-17, 1984. [Sobre os contextos epistemológicos da análise do discurso. Escritos, n. 4, Campinas: Nudecri, 1999. p. 07-16.]

SWIGGERS, Pierre. Modelos, Métodos y Problemas en la Historiografia de la Linguística. In: CORRALES ZUMBADO, C.; DORTA LUIS, J. et al. (Ed.). Nuevas aportaciones a la historiografía lingüística. Madrid: Arco, 2004. p. 113-146.

SWIGGERS, Pierre. Le métalangage de la linguistique: refflexions à propos de la terminologie e de la terminographie linguistiques. Revista do GEL, São Paulo, v. 7, n. 2, p. 9-29, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)