A expressão da pluracionalidade em libras

Luciana Sanchez-Mendes, André Nogueira Xavier

Resumo


Este artigo descreve o comportamento semântico da duplicação de mão em verbos tipicamente produzidos com uma mão na Língua Brasileira de Sinais (libras). Defendemos que a duplicação de mãos nesses sinais expressa pluracionalidade e argumentamos que um traço que determina a leitura dos verbos pluracionalizados na libras é a direcionalidade. 


Palavras-chave


libras; semântica verbal; pluracionalidade; direcionalidade

Texto completo:

PDF

Referências


CUSIC, D. D. Verbal Plurality and Aspect. 1981. 388 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Stanford University, Stanford, Estados Unidos.

FELIPE DE SOUZA, T. A. A relação sintático-semântica dos verbos e seus argumentos na Língua Brasileira de Sinais (libras). 1998. 298 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Centro de Letras e Artes, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

FINAU, R. A. Os Sinais de Tempo e Aspecto na libras. 2004. 238 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

HENRY, J. The Kaingang language. International Journal of American Linguistics, n. 14.3, p. 194-213, 1948.

KEY, H. Stem construction and affixation of Sierra Nahuat verbs. International Journal of American Linguistics, n.26, p. 130-145, 1960.

MALAIA, E.; WILBUR, R. B. Telicity expression in the visual modality. In: DEMONDE, V.; MCNALLY, L. (eds.). Telicity, Change, and State. Nova Iorque: Oxford University Press, 2012. p. 122–138.

MOREIRA, R. L. Uma Descrição da Dêixis de Pessoa na Língua de Sinais Brasileira (LSB): Pronomes Pessoais e Verbos Indicadores. 2007. 150 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Departamento de Linguística, Universidade de São Paulo, São Paulo.

LASERSOHN, P. Plurality, Conjunction, and Events. Boston: Kluwer Academic Publishers, 1995. 304 p.

QUADROS, R. M.; KARNOPP, L. Língua de sinais brasileira: estudos lingüísticos. Porto Alegre: ARTMED, 2004. 221 p.

RODERO-TAKAHIRA, A. G. Compostos na língua de sinais brasileira. 2015. 161 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

ROSE, F. Reduplication in Tupi-Guarani languages: going into opposite directions. Studies on Reduplication, Mouton de Gruyter. 2005. p. 351-368.

SANCHEZ-MENDES, L.; MÜLLER, A. The Expression of Quantification in Karitiana: Pluractionality and Quantifiers. In: DEAL, A. R. (ed.). UMOP 35: Proceedings of the 4th Conference of semantics of under-represented languages in the Americas. Amherst: BookSurge Publishing, 2007. p. 247-257.

STRICKLAND, B.; GERACI, C.; CHEMLA, E.; SCHLENKER, P.; KELEPIR, M.; PFAU, R. Event representations constrain the structure of language: Sign language as a window into universally accessible linguistic biases. PNAS, n. 112 (19), p. 5968-5973, 2015.

VENDLER, Z. Verbs and times. The Philosophical Review, n. 66.2, p. 143-160, 1957.

WILBUR, R. B. Representation of telicity in ASL. Chicago Linguistic Society, n. 39(1), p. 354-368, 2003.

XAVIER, A. N. Uma ou duas? Eis a questão! Um estudo do parâmetro número de mãos na produção de sinais da Língua Brasileira de Sinais (libras). 2014. 158 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

YU, A. Pluractionality in Chechen. Natural Language Semantics, n. 11, p. 289-321, 2003.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v45i1.633

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)