Adaptações fonológicas na pronúncia de nomes de estabelecimentos comerciais brasileiros com elementos do inglês

Natália Cristine Prado

Resumo


Esta pesquisa tem como objetivo analisar as adaptações fonológicas que ocorrem nos nomes comerciais formados por elementos do inglês em contexto de Português Brasileiro, especificamente o processo de epêntese. Para realizar este estudo, primeiramente, coletamos nomes comerciais com elementos do inglês no interior do estado de São Paulo (Brasil) e, em seguida, submetemos uma amostra desses nomes comerciais que mantêm sua grafia inglesa à leitura por falantes do Português Brasileiro, com a intenção de comparar as realizações desses sujeitos com a pronúncia dessas palavras em Inglês Norte-Americano. Com este estudo, notamos que as adaptações na pronúncia dos anglicismos observados ocorreram para adequar as sílabas inglesas ao padrão silábico do português.

Palavras-chave


nomes comerciais; Português Brasileiro; Inglês Norte-Americano; epêntese.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, A. B. G. de. Adaptações fonológicas na pronúncia de estrangeirismos do inglês por falantes de Português Brasileiro. 2007. 266 f. Dissertação (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Araraquara.

BISOL, L. O ditongo na perspectiva da fonologia atual. D.E.L.T.A., São Paulo, v.5, n.2, 1989. p. 185-224.

CAGLIARI, L. C. Elementos de fonética do português brasileiro. São Paulo: Paulistana, 2007. 194 p.

______. Fonologia do Português – Análise pela Geometria de Traço e pela fonologia lexical (Parte II). Campinas: edição do autor, 1999. 157 p.

CÂMARA JR., J. M. Problemas de linguística descritiva. Petrópolis: Vozes. 2010[1969]. 71 p.

CARVALHO, N. Empréstimos linguísticos na língua portuguesa. São Paulo: Cortez, 2009. 95 p.

COLLISCHONN, G. A sílaba em português. In: BISOL, L. (Org.). Introdução a estudos de fonologia do português brasileiro. 4. ed. Porto Alegre: EDIPURCS, 2005[1996]. p. 101-133.

CRYSTAL, D. English as a Global Language. Cambridge: Cambrige University Press, 2003. 212 p.

FIORIN, J. L. Considerações em torno do Projeto de Lei nº 1676/99. In: FARACO, C. A. (Org.). Estrangeirismos: guerras em torno da língua. 3. ed. São Paulo: Parábola, 2004. p. 107-125.

FREITAS, M. A. de. Empréstimos, teoria auto-segmental e abertura vocálica. Cadernos de Estudos Linguísticos. Campinas: 1992. p. 71-81.

_______. Os Empréstimos do Inglês no Português do Brasil. 1984. 201 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1984.

FREITAS, M. A. de; NEIVA, A. M. S. Estruturação silábica e processos fonológicos no inglês e no português: empréstimos e aquisição. Revista Virtual de Estudos da Linguagem (ReVEL). Ano 4, n.7, p. 1-27, ago. 2006. Disponível em: . Acesso em: 30 jan. 2010.

GARCEZ, P. M.; ZILLES, A. M. S. Estrangeirismos: desejos e ameaças. In: FARACO, C. A. (Org.) Estrangeirismos: guerras em torno da língua. 3. ed. São Paulo: Parábola, 2004. p. 15-36.

HOGG, R.; McCULLY, C. Metrical Phonology: a coursebook. Cambridge: Cambridge University Press, 1999[1987]. 279 p.

LEE, S.-H. Epêntese no Português. In.: Estudos Linguísticos XXII – Anais dos Seminários do GEL. Ribeirão Preto: Instituição Moura Lacerda, 1993. v.II, p.847-854.

LOPEZ, B. The sound pattern of Brazilian Portuguese (Cariocan dialect). 1979. 304 f. Tese (doutorado, PhD) – Los Angeles: University of California.

MACEDO, N. Z. Análise fonológica de nomes próprios de origem estrangeira e novas criações em Português Brasileiro. 2015. 171 f. Dissertação (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara.

MASSINI-CAGLIARI, G. Changing Attitudes: Ways of Phonologically Adapting Proper Names in Archaic Brazilian and European Portuguese. In: KOLOKONTE, M.; JANKE, V. (Org.). Interfaces in Language 3. 1. ed. v. único. Newcastle upon Tyne: Cambridge Scholars, 2013. p. 159-178.

_______. Loans and foreign first names as clues to Phonological Identity in Brazilian Portuguese. In: HORNSBY, D. (Org.). Interfaces in language 2. 1. ed. v. 1. Newcastle upon Tyne: Cambridge Scholars, 2011a. p. 53-67.

_______. Adaptação fonológica de nomes próprios de origem estrangeira: comparação entre Português Arcaico e Português Brasileiro. Estudos Linguísticos, São Paulo, 40 (2), p. 795, mai.-ago. 2011b.

_______. Discutindo questões de identidade a partir da (não) adaptação fonológica de nomes próprios de origem estrangeira no Brasil. In: NEVES, M. H. de M. As interfaces da gramática. Araraquara: FCL-UNESP Laboratório Editorial; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. (Série Trilhas Linguísticas 18). p. 73-90.

PAIVA, V. L. M. de O. e. A língua inglesa enquanto signo na cultura brasileira. 1991. 312 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

PRADO, N. C. A influência da língua inglesa na formação de nomes comerciais: questões de identidade linguística e cultural. 2014. 343 f. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara.

ROACH, P. English Phonetics and Phonology: a pratical course. Cambridge: Cambridge Universtiy Press. 1998. 262 p.

SOUZA, S. M. L. S. de. Antropônimos de origem inglesa: adaptações ortográficas e fonético-fonológicas realizadas por falantes do português brasileiro de São Luís-MA. 2011. 247 f. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara.

WELLS, J. C. Longman pronunciation dictionary. 3rd ed. Edinburg Gate: Pearson, 2008. 922 p.

ZUCARELLI, F. E. Ditongos e hiatos nas cantigas medievais galego-portuguesas. 2002. 155 f. Dissertação (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v45i1.681

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)