A tradução de termos culturalmente marcados em algumas obras de Jorge Amado para a língua inglesa

Laura de Almeida, Iavnir Azevedo delvizio

Resumo


Apresentamos uma análise dos termos culturalmente marcados na tradução de três obras de Jorge Amado para a língua inglesa. Baseamo-nos em estudos da tradução cultural assim como nos estudos culturais. Abordamos a questão da intraduzibilidade e da impossibilidade da tradução por Mounin (1975) e Ronái (1989), além da tradução cultural por Aubert (1995, 1998). Apoiamo-nos também nos estudos culturais de Fanon (1979), Hall (2002) e Bhabha (2007). Classificamos os termos coletados com base nos procedimentos técnicos da tradução categorizados por Vinay e Darbelnet (1960 apud CAMPOS, 1987). Constatamos que muitos dos termos selecionados se classificam como empréstimo e adaptação, o que ressalta uma relativa lacuna entre idiomas diferentes, que nem sempre têm o mesmo termo ao traduzirmos uma cultura por outra.


Palavras-chave


língua e cultura; identidade; tradução cultural.

Texto completo:

PDF

Referências


AMADO, J. Dona Flor e seus Dois Maridos. São Paulo: Martins, 1966. 535 p.

AMADO, J. Dona Flor and her two husbands. Tradução norte-americana de Harriet De Onís, H. Nova York: Alfred A. Knopf, 2006. 549 p.

AMADO, J. Teresa Batista cansada de guerra. São Paulo: Martins, 1972. 367 p.

AMADO, J. Teresa Batista home from the wars. Tradução de Barbara Shelby. Nova York: Alfred A. Knopf,1975. 549 p.

AMADO, J. Tocaia Grande: a face obscura: romance. 11. ed. Rio de Janeiro: Record, 1998. 485 p.

AMADO, J. Showdown. Tradução de Gregory Rabassa. Nova York: Bantam Book, 1988. 422 p.

AUBERT, F. H. Desafios da tradução cultural. TradTerm, São Paulo, v.2, p. 31-44, 1995.

AUBERT, F. H. Modalidades de tradução: teoria e resultados. TradTerm, São Paulo, v.5(1), p. 99-128, 1998.

BARBOSA, H. G. Procedimentos técnicos da tradução: uma nova proposta. Campinas: Pontes, 1990. 120 p.

BASTIDE, R. O candomblé da Bahia: rito nagô. Tradução de Maria Isaura Pereira de Queiroz; revisão técnica de Reginaldo Prandi. Título original: Le candomblé de Bahia (rite nagô). São Paulo: Companhia das Letras, 2001. 379 p.

BHABHA, H. O Local da Cultura. Tradução de Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis e Glaucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: UFMG, 2007. 395 p.

CAMPOS, G. O que é tradução. 2. ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987. 88 p.

FANON, F. Os condenados da terra. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979. 275 p. (Perspectivas do homem. Série política; 42).

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guaracira Lopes Louro. 7. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. 104 p.

MOUNIN, G. Os problemas teóricos da tradução. Tradução de Heloysa de Lima Dantas. Les problemes théoriques de La traduction. São Paulo: Cultrix; Paris, Gallimard, 1975. 266 p.

PÓVOAS, R. C. A linguagem do candomblé: níveis sociolingüísticos de integração afro-portuguesa. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1989. 193 p.

PÓVOAS, R. C. Da porteira para fora: mundo de preto em terra de branco. Ilhéus: Editus, 2007. 482 p.

RONAI, P. Escola de tradutores. Rio de janeiro: Nova Fronteira, 1989. 171 p.

SANGIRARDI JUNIOR. Deuses da África e do Brasil: candomblé & umbanda. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1988. 206 p.

SILVA, V. Candomblé e Umbanda. Caminhos da devoção brasileira. São Paulo: Editora Ática, 1994. 149 p.

VALIDÓRIO, V. C.; CAMARGO, D. C. Um Estudo da Tradução de Termos Culturalmente Marcados em O Sumiço da Santa: The War of The Saints e Mar Morto: Sea of Death, de Jorge Amado, traduzidas por Gregory Rabassa. Estudos Linguísticos, XXXIV, p. 1349-1354, 2005.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v45i2.698

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)