A construção relativa no português brasileiro: aspectos prosódicos delimitativos

Aliana Lopes Câmara

Resumo


Neste artigo, apresenta-se uma descrição das construções relativas no português brasileiro, para delimitação dos aspectos prosódicos que distinguem a oração relativa restritiva da oração relativa apositiva. O arcabouço teórico é a Gramática Discursivo-Funcional (HENGEVELD; MACKENZIE, 2008) e a teoria autossegmental e métrica (LADD, 1998). Inicialmente, realizou-se uma análise de oitiva de todas as ocorrências do corpus“Português Falado” para verificar quais elementos prosódicos influenciam no processo de codificação da oração relativa. Para visualização desses resultados, algumas ocorrências foram analisadas por meio do programa computacional PRAAT. A análise comprova que a relativa apositiva no português brasileiro constitui uma Frase Entoacional e a relativa restritiva, uma Frase Fonológica.


Palavras-chave


Oração relativa; entoação; tessitura; português brasileiro

Texto completo:

PDF

Referências


BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. Rio de Janeiro: Lucerna, 1999.

CAGLIARI, L. C. Prosódica: algumas funções dos supra-segmentos. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 23, p. 137-151, jul./dez., 1992.

CAMACHO, R. G. Construções relativas sob a perspectiva discursivo-funcional. In: SOUZA, E. R. (Org.). Funcionalismo Linguístico. 12. ed. São Paulo: Contexto, 2012. p. 171-200. (Novas tendências teóricas, v. 1).

CAMACHO, R. G. Construções relativas nas variedades do português: uma interpretação discursivofuncional. Filologia e Linguística Portuguesa, São Paulo, v. 15, n. 1, p. 179-214, 2013.CORRÊA, W. R. Oração relativa: o que se fala e o que se aprende no português brasileiro. 1998. 165f. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, 1998.

CRISTOFARO, S. Subordination. Oxford: University Press, 2003.

CUNHA, C.; CINTRA, L. Nova gramática do português contemporâneo. 5. ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2008.

DIK, S. C. The theory of Functional Grammar. Part 1: The structure of the clause. Berlin; New York: Mouton de Gruyter, 1997.

FOX, B. A. The Noun Phrase Accessibility Hierarchy Reinterpreted: Subject Primacy or the Absolutive Hypothesis? Language, v. 63, n. 4, p. 856-870, 1987.

GIVÓN, T. Syntax. Amsterdam: John Benjamins, 2001. v. 2.

HENGEVELD, K.; MACKENZIE, J. L. Functional discourse grammar: a typologically-based theory of language structure. Oxford: Oxford University Press, 2008.

LADD, D. R. Intonational Phonology. Cambridge University Press: New York, 1998.

NESPOR, M.; VOGEL, I. Prosodic Phonology. Dordrecht-Holland: Foris Publications, 1986.

KATO, M. A. Recontando a história das relativas em uma perspectiva paramétrica. In: ROBERTS, I.; KATO, M. A (Org.). Português brasileiro: uma viagem diacrônica. Homenagem a Fernando Tarallo. Campinas: Editora da Unicamp, 1996.

TARALLO, F. L. Relativization Strategies in Brazilian Portuguese. 1983. 273f. PhD Dissertation, University of Pennsylvania, Philadelphia, 1983.

TENANI, L. E. Marcas prosódicas das inserções parentéticas. 1996. 189 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade de Campinas, Campinas, 1996.

TENANI, L. E. Domínios prosódicos no Português do Brasil: implicações para a prosódia e para a aplicação de processos fonológicos.317f. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade de Campinas, Campinas, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)