A sinonímia, a polissemia e a homonímia no vocabulário da Fauna e da Flora

Sabrina de Cássia Martins

Resumo


Durante muito tempo, as unidades lexicais especializadas foram vistas como monorreferenciais e monossêmicas, tendo como objetivo único e exclusivo padronizar a comunicação técnico-científica. Entretanto, assim como a ciência e a tecnologia passaram por um processo de evolução e transformação, também os estudos terminológicos evoluíram. Uma vez que as terminologias são consideradas como parte integrante do léxico de uma língua e são analisadas pelo prisma descritivo, tais unidades tornam-se passíveis de fenômenos semânticos. Este artigo objetiva relatar a presença da sinonímia, polissemia e homonímia na terminologia da Fauna e da Flora, e seu tratamento no Dicionário onomasiológico de expressões cromáticas da Fauna e Flora.

 


Palavras-chave


Terminologia; Fenômenos Semânticos; Fauna e Flora; Dicionários Especializados

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, I. M. Polissemia e homonímia em uma perspectiva terminológica. Alfa, São Paulo, v. 44, p. 261-272, 2000.

ARCAINI, E. Analisi linguistica e traduzione. Bologna: Patron Editore, 1991.

BALDINGER, K. Teoria Semantica: hacia una semantica moderna. Madri: Alcalá, 1970.

BARBOSA, M. A. Tradução e estudos interdisciplinares: A multiconceptualização do mundo. Revista Italiano UERJ, Ano 1, v.1, n. 1, p. 67-84, 2º semestre 2010.

BARROS, L. A. Curso básico de Terminologia. São Paulo: Edusp, 2004.

BERLIN, B.; KAY, P. Basic Color Terms: Their Universality and Evolution. Berkeley; Los Angeles: University of California Press, 1969.

CABRÉ, M. T. La terminologia: teoría, metodología, aplicaciones. Barcelona: Editorial Antártida/Empúries, 1993.

CONTENTE, M.; MAGALHÃES, J. Sinonimologia e tipologia contrastiva da sinonímia terminológica em Medicina. Riterm – Revista Debate Terminológico, n. 1, mar. 2005. Disponível em: . Acesso em: 01 abr. 2013.

CORREIA, M. Homonímia e polissemia: contributos para a delimitação dos conceitos. Palavras, n. 19, Lisboa: Associação dos Professores de Português, 2000, p. 57-75.

KRIEGER, M. G.; FINATTO, M. J. B. Introdução à Terminologia: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2004.

LANDAU, S. I. Dictionaries: The Art and Craft of Lexicography. New York; Sidney: The Cambridge University Press, 1989.

MARTINS, S. C. Dicionário onomasiológico de expressões cromáticas da fauna e flora. 2013. 220f. Dissertação (Mestrado) – São José do Rio Preto, 2013.

QUICKE, D. L. J. Principles and Techiniques of Contemporary Taxonomy. 2nd ed. London: Blakie Academic Professional, 1996.

SAGER, J. C. A Practical Course in Terminology Processing. Amsterdam;Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 1990.

ULLMANN, S. Semântica: uma introdução à ciência do significado. Tradução de J. A. Osório Mateus. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1964.

ZAVAGLIA, C. Os cromônimos no italiano e no português do Brasil: uma análise comparativa. 1996. 264f. Dissertação (Mestrado em Língua e Literatura Italiana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996.

ZAVAGLIA, C.Ambigüidade gerada pela homonímia: revisitação teórica, linhas limítrofes com a polissemia e proposta de critérios distintivos. D.E.L.T.A, v. 19, n. 2, p. 237-266, 2003


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)