A influência da escrita na pronúncia do português falado por japoneses

Gustavo Massami Nomura

Resumo


Este estudo tem por objetivo observar a produção de estruturas silábicas complexas, com a consoante na posição de ataque complexo ou coda, por falantes japoneses em processo de aprendizagem da língua portuguesa na cidade de São Paulo. Entre os desvios encontrados, está a inserção da vogal [ɯ] em vez de [i] quando a palavra apresenta graficamente as consoantes /d/, /t/, /b/ e /p/ em final de sílaba, apesar de a pronúncia dessas consoantes com a vogal /i/ ser possível na língua japonesa. Além disso, a consoante /l/ em final de sílaba pronunciada como a semivogal [w] também seria possível em japonês. No entanto, o que se observou foi a rotacização da consoante /l/ e a epêntese da vogal [ɯ] para que a sílaba CVC fosse ressilabificada em duas sílabas CV. Isso mostra que alguns dos desvios não podem ser explicados se considerada a ortoépia da palavra, mas a sua ortografia.


Palavras-chave


fonologia de L2; português como L2; fonologia do japonês; aquisição silábica

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)