Da minha parte ao trabalho: uma análise do significante “trabalho” em falas de mulheres trabalhadoras rurais quilombolas

Ana Josefina Ferrari

Resumo


Propomos, neste trabalho, apresentar a noção de trabalho que surge do corpus de nossa pesquisa “Memória de mulheres quilombolas” que coordeno. Especificamente, observaremos quais são os processos discursivos que constituem a memória discursiva do significante trabalho a partir do qual as mulheres quilombolas significam e se significam como trabalhadoras rurais, e analisar como esses processos se configuram nas suas falas. Para isso, usamos diferentes métodos de coleta de dados em campo, dentre eles o vídeo. Descreveremos, hoje, o funcionamento dos processos de produção que constituem a memória discursiva em relação a processos de subjetivação e de identificação que constituem o sujeito do discurso, no nosso caso, as mulheres quilombolas trabalhadoras rurais. Filiamos nosso trabalho, teórica e metodologicamente à Análise de Discurso francesa.


Palavras-chave


mulheres quilombolas; análise do discurso; Batuva; quilombola; trabalho.

Texto completo:

PDF

Referências


ACHARD, P. Memória e produção discursiva do sentido. In: ACHARD, P. et al. Papel da Memória. Campinas: Pontes, 1999. p. 11-21. 71 p.

ARENDT, H. A condição humana. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2001. 407 p.

COURTINE, J.-J.; MARANDIN, J. M. Quel objet pour l'analyse de discours? Matérialités discursives, p. 21-33, 1981.

DUMORA, C. Vivre et survivre dans une aire d'environnement protegé: le cas d'une petite paysannerie de l'apa de Guaraqueçaba, Parana, Brésil. 2006. 678 f. Tese (Doutorado em Antropologia) – Université Victor Segalen Bordeaux 2.

FONTANA, Z. M. Acontecimento, arquivo, memória: às margens da lei. LEITURA. Revista do Programa de Pós-graduação em Letras (UFAL), 30, p. 175-205, 2002.

FONTANA, Z. M. Arquivo jurídico e exterioridade. A construção do corpus discursivo e sua descrição/interpretação. In: GUIMARÃES, E. Sentido e memória. Campinas: Pontes, 2006. p. 93-115.

FONTANA, Z. M. Identidades (in)formais. Contradição, processos de designação e subjetivação na diferença. Organon (UFRGS), Porto Alegre, v. 17, n. 35, p. 245-282, 2003.

FONTANA, Z. M. Lugares de enunciação e discurso. In: Boletim da Associação brasileira de Lingüística, v. 1, p. 199-201. Fortaleza, ABRALIN/UFC, 2003.

GONÇALVES, I.; FERRARI, A. J. (Org.). Minha triste e alegre história de vida. 1. ed. Matinhos: Editora UFPR Litoral, 2013. v. 5. 177p.

INVENTÁRIO CULTURAL DE QUILOMBOS DO VALE DO RIBEIRA. Disponível em: .

LEANDRO FERREIRA, M. C. Glossário de Termos do Discurso. Porto Alegre: UFRGS, Instituto de Letras, 2001. 7 p.

MARX, K. Manuscritos econômico filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2004. 404 p.

ORLANDI, E. P. Interpretação, Autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Campinas: Pontes, 2001. 150 p.

ORLANDI, E. P. Formas de individuação do sujeito feminino e sociedade contemporânea: O caso da delinquência” In: ORLANDI, E. Discurso e Políticas Públicas Urbanas: A fabricação do consenso. Campinas: Editora RG, 2010. 160 p

ORLANDI, E. P.; GUIMARÃES, E. História das Idéias Lingüísticas – Construção do Saber Metalingüístico e Constituição da Língua Nacional. Cáceres: Pontes/Unemat, 2001. 307 p.

PAYER, M. Educação popular e linguagem. Reprodução, confrontos e deslocamentos de sentidos. Campinas, Ed. da UNICAMP, 1993. 96 p.

PAYER, M. Memória da língua. Imigração e nacionalidade. Tese de doutorado. IEL/UNICAMP, 1999. 229 p.

PÊCHEUX. M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução de Eni P. Orlandi [et al.]. Campinas: Editora da UNICAMP, 1995. 317 p.

TERRA E CIDADANIA: Relatório 2005-2009 – GT Clóvis Moura. Disponível em: .




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v45i3.983

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)