Educação Bilíngue para Surdos e valorização de línguas minoritárias

Ivani Rodrigues Silva

Resumo


A educação de surdos passa, nesse momento, por mudanças importantes. Porém há, ainda, alguns aspectos que podem impedir o fomento efetivo de propostas de educação bilíngue para surdos, a saber, a (des)valorização de Libras como língua natural, a formação adequada de professores para trabalhar com alunos surdos nas escolas regulares, além da necessidade de se pensar na construção de materiais de ensino mais adequados para o ensino de alunos surdos. Neste artigo pretendo me deter sobre alguns desses pontos, tratando de aspectos que mostram a resistência da sociedade às línguas de sinais, difi cultando um projeto de educação bilíngue intercultural para alunos surdos.


Palavras-chave


Surdos, Educação Bilíngue, Línguas Minoritárias

Texto completo:

PDF

Referências


ALTENHOFEN, C. V. Bases para uma política linguística das línguas minoritárias no Brasil. In: NICOLAIDES, Christine et al. Política e Políticas Linguísticas. Campinas: Pontes, 2013. p. 93-116

ASSIS-PETTERSON, A. A.de. Como ser feliz no meio de anglicismos: processos transglóssicos e transculturais. In: MAHER, T. M. Trabalho de Lingüística Aplicada, Campinas, v. 47, n. 2, p. 393-407, jul./dez. 2008.

BAGNO, M. Preconceito lingüístico: o que é, como se faz. 51. ed. São Paulo: Loyola, 1999.

BRASIL. Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Diário Ofi cial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, 24 abr. 2002. Seção 1, p. 23.

CANAGARAJAH, S. Translingual practices: global englishes and cosmopolitan relations. New York: Routledge, 2013.

CAVALCANTI, M. Estudos sobre educação bilíngue e escolarização em contextos de minorias linguísticas no Brasil. DELTA, v. 15, p. 385-417, 1999. Número especial.

CAVALCANTI, M.; SILVA, I. R. “Já que ele não fala, podia ao menos escrever...”: O grafocentrismo naturalizado que insiste em normalizar o Surdo In: KLEIMAN, A. B.; CAVALCANTI, M. C. (Org.) Linguística Aplicada: suas faces e interfaces. Campinas/SP: Mercado de Letras, 2007.

COX, M. I. P.; ASSIS-PETTERSON, A. A. de. Transculturalidade e transglossia: para compreender o fenômeno das fricções contemporâneas sem nostalgia. In: CAVALCANTI, M. C.; BORTONI-RICARDO, S. M. (Org.). Transculturalidade, linguagem e educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2007. p. 23-44.

DE CERTEAU, M. A invenção do cotidiano. Petrópolis: Vozes, 2002 [1994].

FAVORITO, W. O difícil são as palavras: representações de/sobre estabelecidos e ‘outsiders’ na escolarização de jovens e adultos surdos. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, 2006.

FREEMAN, R. D. Bilingual education and social change. Clevedon, England:Multilingual Matters, 1998.

GESSER, A. “Um olho no professor surdo e outro na caneta”: ouvintes aprendendo a Língua Brasileira de Sinais. Tese (Doutorado) – Unicamp, Campinas, 2006.

KUMADA, K.M.O. “No começo ele não tem língua nenhuma, ele não fala, ele não tem LIBRAS, né?”: representações sobre línguas de sinais caseiras. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp, 2012.

MAHER, T. M. A Educação do entorno para interculturalidade e o plurilingüismo. In: KLEIMAN, A. B.; CAVALCANTI, M. C. (Org.). Lingüística aplicada: suas faces e interfaces. 2007. p. 255-270.

MAHER, T. M. Ecos de Resistência: políticas linguísticas e as línguas minoritárias brasileiras. In: MAHER, T. M. Política e Políticas Linguísticas. Campinas: Pontes, 2013. p. 117-134.

PAYER, O. M. Memória da língua imigração e nacionalidade. Campinas, 1999. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999.

KLEIMAN, A. B. Modelos de letramento e as práticas de alfabetização na escola. In: KLEIMAN, A. B. (Org.) Os signifi cados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1995.

SILVA, I. R. Quando ele fi ca bravo, o português sai direitinho; fora disso a gente não entende nada: o contexto multilíngue da surdez e o (re)conhecimento das línguas em seu entorno. Trab.Ling.Aplic., Campinas, v. 47, n. 2, p. 393-407, jul./dez.2008.

SILVA, I. R.; KUMADA, K. M. O. Representações sobre o contexto multilíngue da surdez. Interdisciplinar: Revista de Estudos em Língua e Literatura, v. 19, n. 1, p. 99-114, jul/dez 2013.

SILVA, I. R.; KUMADA, K. M. O. Perspectiva de Educação Intercultural Bilingue para Surdos. Rev. Estudos Linguísticos e Literários, Salvador, n. 50, p. 120-144, jul./dez. 2014.

STREET, B.V. Literacy in Theory and Practice. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.

VILHALVA, S. Mapeamento das línguas de sinais emergentes: um estudo sobre as comunidades lingüísticas indígenas de Mato Grosso do Sul. 124f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Federal de Santa Catarina, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)