O erro e a autocorreção na relação da criança com a língua

Irani Rodrigues Maldonade

Resumo


Este artigo tem como objetivo refletir sobre a relação da criança com a língua, amparada pela teorização desenvolvida por De Lemos (1992, 2002). Na etapa anterior da pesquisa, o erro e a autocorreção foram considerados na fala de uma criança brasileira (M), de forma que possibilitou recortar dois movimentos no processo de aquisição da linguagem, que merecem agora ser explorados: a) aquele em que parte da mensagem remete à própria mensagem e b) aquele em que parte da mensagem remete ao código. Para tanto, o quadro teórico de Jakobson é retomado na proposta interacionista. Os resultados mostram que a criança não toma a língua como objeto da mesma forma que o adulto, pois ela não está da mesma forma que ele na língua. Além disso, o jogo paralelístico mostra como as relações na (da) língua são constituídas e colocadas em cena de modo particular e único na fala de M.


Palavras-chave


aquisição da linguagem; erro, autocorreção, interacionismo

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)