A Guerra do Contestado na Literatura: as fronteiras entre ficção, história e memória em "O Bruxo do Contestado", de Godofredo Oliveira Neto.

Sérgio Roberto Massagli

Resumo


Em suas célebres teses “Sobre o conceito da História”, Walter Benjamin afirma que a história é objeto de uma construção cujo lugar não é o tempo homogêneo e vazio, mas um tempo saturado de “agoras” que fazem explodir o “continuum da história”. Assim, podemos dizer que as histórias dos excluídos fazem ecoar na história do Brasil, em explosões sucessivas, gritos marcados pelos mesmos elementos de violência, bravura, desespero, traição e infâmia. Da Balaiada a Canudos, do Cangaço ao Contestado, a história revela as dobras em que esses “agoras” se pregam uns aos outros em um misterioso enredamento. Este artigo se propõe a discutir, ainda que suscintamente, como o romance, enquanto gênero, especialmente o gênero chamado metaficção historiográfica, enfrenta os desafios da narração da memória, individual e coletiva. Para tanto, será analisado, particularmente no plano de sua narração, o romance O bruxo do Contestado, do escritor catarinense Godofredo de Oliveira Neto.


Palavras-chave


memória; ficção; história; metaficção historiográfica

Texto completo:

PDF

Referências


AURAS, M. Guerra do Contestado: a organização da Irmandade Cabocla. Florianópolis: Ed. da UFSC, 1984.

BARTHES, R. A aventura semiológica. BARTHES, R. A aventura semiológica. Tradução de Maria de S. Cruz. Lisboa: Edições 70, 1987. p. 103-104.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7. ed. Tradução de Sérgio P. Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 2010.

BERNARDO, G. O livro da metaficção. Rio de Janeiro: Tinta Negra Bazar Editorial, 2010.

BURKE, P. Abertura: a nova história, seu passado e seu futuro. In: A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: UNESP, 1992. p. 7-16.

CABRAL, O. R. A campanha do Contestado. Florianópolis: Lunardelli. 1979.

CHARTIER, R. Introdução. In: A história cultural. Lisboa: Difel, 1990.

GAGNEBIN, J.-M. Limiar, aura e rememoração: ensaios sobre Walter Benjamin. São Paulo: Editora 34, 2014.

GINZBURG, C. O queijo e os vermes. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

HEYMANN, L. Q. “O devoir de mémoire na França contemporânea: entre memória, história, legislação e direitos”. In: GOMES, A. de C. (Coord.). Direitos e cidadania: memória, política e cultura. Rio de Janeiro: FGV, 2007. p. 15-43.

HIRSCH, M. The generation of Postmemory, Writing and visual culture after the Holocaust. Columbia University Press, 2012.

HUTCHEON, L. Poética do Pós-Modernismo: história, poesia, ficção. Tradução de Ricardo Cruz. Rio de Janeiro: Imago, 1991.

JOUVE, V. A leitura. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

LALIEU, O. “L’invention du “devoir de mémoire”. In: Vingtième Siècle. Revue d’histoire, 69, p. 83-94, jan.-mar. 2001.

LEVI, G. Sobre a micro-história. In: BURKE, P. A escrita da história. São Paulo: UNESP, 1992.

LIMA, L. C. História. Ficção. Literatura. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

MONTEIRO, D. T. Os errantes do novo século: um estudo sobre o surto milenarista do Contestado. São Paulo: Duas Cidades, 1974.

OLIVEIRA NETO, G. O Bruxo do Contestado. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1996.

PESAVENTO, S. J. História e história cultural. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. PERRONE-MOISÉS, L. A criação do texto literário. In: Flores da escrivaninha. São Paulo: Cia. das Letras, 1990.

QUEIROZ, M. I. P. O messianismo no Brasil e no mundo. São Paulo: EDUSP, 1965.

QUEIRÓS, M. V. de. Messianismo e Conflito Social: a Guerra Sertaneja do Contestado. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966.

RICOEUR, P. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora da UNICAMP, 2007.

SARLO, B. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

VAINFAS, R. Os protagonistas anônimos da história. São Paulo: Campus, 2002.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v46i3.1510

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)