Os estereótipos do caipira no discurso do humor

Emanuel Angelo Nascimento

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar os estereótipos do caipira em piadas regionalistas, a partir dos pressupostos teóricos da Análise do Discurso (AD) de linha francesa. Para tanto, levamos em conta, em nossas análises, a noção de estereótipo, a partir de Amossy e Herschberg-Pierrot (1997), além do conceito de cenografia enunciativa, desenvolvido por Maingueneau (1995, 2001, 2006). Mobilizamos, ainda, os estudos de Possenti (1991, 1998, 2010), Freud (1996), Bergson (2007), Raskin (1985) e Skinner (2002), partindo de um corpus composto por um conjunto de piadas sobre caipira. Nosso intuito foi demonstrar como o riso, a ideologia e o humor são articulados enunciativa e discursivamente, considerando o funcionamento do discurso humorístico, bem como a circulação de sentidos construídos sócio-historicamente, a partir da memória discursiva em torno de alguns estereótipos do caipira.

Palavras-chave


humor; discurso; estereótipos do caipira

Texto completo:

PDF

Referências


ACHARD, P. et al. Papel da memória. Campinas: Pontes, 1999 [1983].

AMARAL, A. O dialecto caipira: gramática, vocabulário. São Paulo: Casa Editora “O livro”, 1920.

AMOSSY, R. Estereótipo. In: CHARAUDEAU, P.; MAINGUENEAU, D. Dicionário de análise do discurso. São Paulo: Contexto, 2004 [2002].

AMOSSY, R.; HERSCHBERG-PIERROT, A. Stéréotypes et clichés. Langue, discours, société. Paris: Nathan Université, 1997.

AYRES, I. R.; LIMA, M. H. Jeca Tatu: um estereótipo que não quer calar. In: Anais do IX Seminário Nacional de Literatura, História e Memória (UNIOESTE/Cascavel). Assis: UNESP/FCLAs, 2009. p. 602-614.

BAUDRILLARD, J. Simulacres et simulation. Paris: Editions Galilée, 1981.

BENVENISTE, E. Problemas de lingüística geral I. Tradução de Maria da Gloria Novak e Luiza Neri. São Paulo: Editora Nacional/EDUSP, 1976.

BERGSON, H. O riso – ensaio sobre o significado do cômico. Tradução de Ivone Castilho Benedetti. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007 [1899].

CANDIDO, A. Os parceiros do Rio Bonito: estudo sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. Rio de Janeiro: José Olympio, 1964.

CARMELINO, A. C.; POSSENTI, S. O que dizem do Brasil as piadas? Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, Ed. da Unisul, v. 15, n. 3, p. 415-430, 2015.

CONDE, G. Piadas regionais: o caso dos gaúchos. 2005. 232 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

COURTINE, J.-J. Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. São Carlos: EduFSCAR, 2009 [1981].

FREUD, S. Os chistes e sua relação com o inconsciente. Edição Standard Brasileira das Obras Completas/Sigmund Freud, v. III. Rio de Janeiro: Imago, 1996 [1905].

FREDERICO, E. Y. O caipira e os outros. In: BOSI, A. (Org.) Cultura Brasileira: temas e situações. São Paulo: Ática, 1987. p. 103-113.

GIL, C. M. C. A linguagem da surpresa: proposta para o estudo da piada. 1991. 220 f. Tese (Doutorado em Letras Clássicas e Vernáculas) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1991.

GREGOLIN, M. R. F. V. O Jeca nacional: múltiplos olhares do interdiscurso. Revista do Gelne, Fortaleza, v. 2, n. 2, p. 01-04, 2000.

HENRY, P. Constructions relatives et articulations discursives. In: Analyse du discours, langue et ideologies. Langages, v. 9, n. 37, p. 81-98, 1975.

HOUAISS, A. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

LAJOLO, M. P. Jeca Tatu em três tempos. In: SCHWARZ, R. (Org.). Os pobres na literatura brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1983.

LOBATO, M. Urupês. 37. ed. Revisada. São Paulo: Brasiliense, 1994 [1918].

LÔBO, A. Os estereótipos nas piadas sobre baiano: humor e preconceito. Entremeios,

v. 2, p. 1-8, 2011.

______. As piadas sobre baiano: estereótipo, humor e preconceito. Anais do XVII Seminário de Teses em Andamento (SETA), v. 6, p. 3-15, 2012.

MAINGUENEAU, D. O contexto da obra literária. São Paulo: Martins Fontes, 1995 [1993].

______. Análise de textos de comunicação. São Paulo: Cortez, 2001 [1998].

______. Cenas da enunciação. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

MARIANO, N. F. O lugar do caipira no processo de modernização. Scripta Nova (Barcelona), v. 69 (22), p. 1-12, 2000.

MEIHY, J. C. S. B. A renovação da história e a literatura: o caipira na obra de Monteiro Lobato. Revista de História, São Paulo, USP, n. 103, 3. trim., p. 593-611, jul./set., 1975.

MORFAUX, L-M. C. Vocabulaire de la philosophie et des sciences humaines. Paris: Armand Colin, 1980.

NASCIMENTO, E. A. Humor, ideologia e discurso: a circulação dos estereótipos do caipira em piadas na internet. Texto Livre, v. 9, n. 1, p. 28-47, jul. 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2016a.

______. Fórmula e estereótipo em discursos de humor. Anais do IV Seminário Interdisciplinar das Ciências da Linguagem. Crateús: IFCE, 2016b.

______. O discurso do humor nos processos de enunciação digital. Anais do Evidosol e Ciltec On-line, v. 5, n. 1. Texto Livre: Linguagem e Tecnologia, UFMG, 2016c.

NEPONUCENO, R. Música caipira: da roça ao rodeio. São Paulo: Editora 34, 1999.

PAVEAU, M-A. Les prédiscours: sens, mémoire, cognition. Traduzido na edição brasileira como: Os pré-discursos: sentido, memória, cognição. Campinas: Pontes, 2013 [2006].

PÊCHEUX, M. Le discours: structure ou événement? Traduzido na edição brasileira como: O discurso: estrutura ou acontecimento? Tradução de Eni P. Orlandi. Campinas: Pontes, 1990 [1983].

PIRES, C. Conversas ao pé do fogo. São Paulo: Imprensa Oficial de SP, 1987 [1921].

POSSENTI, S. Pelo humor na linguística. DELTA, Educ, v. 7, n. 2, p. 491-519, 1991.

______. Os humores da língua: análise lingüística de piadas. Campinas: Mercado de Letras, 1998.

______. Humor, língua e discurso. São Paulo: Contexto, 2010.

PROPP, V. Comicidade e riso. São Paulo: Ática, 1992 [1976].

RASKIN, V. Semantic mechanisms of humor. Dordrecht: D. Reidel, 1985.

SANTIAGO-ALMEIDA, M. M. et al. Aspectos linguístico-culturais na rota caipira. In: CASTILHO, A. T. (Org.). História do português paulista. Série estudos I. Campinas: Publicações do IEL/UNICAMP/FAPESP, 2009. v. 1, p. 165-172.

SKINNER, Q. Hobbes e a teoria clássica do riso. São Leopoldo: Unisinos, 2002.

SOUZA, M. A. O véio Chico. Turma da Mônica. Crônicas, 22.11.2002. Disponível em: . Acesso em: 28 abr. 2016.

SUGIMOTO, L. Pesquisa disseca o universo das piadas. Jornal da Unicamp, ed. 282,

a 10 de abril de 2005, p. 8. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2016.

TEIXEIRA, R. Romaria. Jornal Contato, Vale do Paraíba, SP, ed. 566, ano 12, p. 16, 21 a 28 set. 2012.

TEODORO, C. A. O simulacro do caipira nas histórias em quadrinhos de Chico Bento. 2007. 151 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Semiótica) – Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2007.

TOLEDO, K. Quando o pensamento erudito voltou-se para a figura do caipira. Agência FAPESP, São Paulo, 24 nov. 2014.

TORRECILLAS, M. V. C. O estereótipo do caipira brasileiro na literatura, nos quadrinhos e na pintura. Cadernos de Pós-Graduação em Letras. Universidade Presbiteriana Mackenzie, v. 08, n. 1, p. 1-11, 2008.

TRAVAGLIA, L. C. O que é engraçado? Categorias do risível e o humor brasileiro na televisão. Estudos Lingüísticos e Literários, v. 5 e 6, p. 42-79, 1989.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v46i3.1529

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)