Uma análise dos aspectos semânticos de ter, tener e haber em construções com o particípio passado, no português brasileiro e no espanhol

Laís França Campos Rocha

Resumo


Este artigo objetiva descrever as construções “ter + particípio”, “tener / haber + particípio”, com o verbo no presente do indicativo, no português brasileiro (PB) e no espanhol. No PB, é consenso entre os linguistas da área dos estudos semânticos a inadequação da nomenclatura “pretérito perfeito composto”, atribuída a tal perífrase pela tradição gramatical. No espanhol, conforme a Real Academia Española (RAE), tener não é considerado um verbo formador de tempo composto (TC), mas sim de perífrase verbal. O TC é formado exclusivamente por haber. Entretanto, na RAE afirma-se que existe outra variante dialetal em que o verbo tener se aproxima do auxiliar do TC do PB. Busca-se defender, então, que os falantes da língua espanhola recorrem ao uso de tener em TC por ele ser capaz de expressar iteratividade, sentido esse que haber não expressa. Acredita-se, dessa forma, que tener esteja seguindo os passos de “ter” no processo de gramaticalização.


Palavras-chave


perífrases verbais; auxiliaridade; gramaticalização; semântica

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, L. S. O pretérito em espanhol: usos e valores do perfecto compuesto nas regiões dialetais argentinas. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2013.

BAGNO, M. Gramática pedagógica do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2011.

BASSO, R.; FERRAREZI Jr., C. (Org.). Semântica, semânticas. São Paulo: Contexto, 2013.

BECHARA, E. Moderna Gramática Portuguesa. 37. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

BERTUCCI, R A. A auxiliaridade do verbo chegar em português brasileiro. 2007. 94 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Setor de Ciências Humanas, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2007.

CARDOSO, A.; PEREIRA, S. Contributos para o estudo da emergência do tempo composto em português. Revista da ABRALIN, v. 2, n. 2, p. 159-181, dez., 2003.

CASTILHO, A. T. de. Nova Gramática do Português Brasileiro. São Paulo: Contexto, 2014.

CEOLIN, R. Falsos amigos estruturais entre o português e o castelhano. Revista Philologica Romanica, Institut für Romanistik-Universität Salzburg, Iauna 4, p. 39-48, 2003.

CUNHA, C., CINTRA, L. F. L. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Lexikon, 2008.

FENTE, R. G.; FERNÁNDEZ, J. A.; FEIJÓO, L. G. Perífrasis verbales. Madrid: Sociedad Española de Librería, 1997.

HARRE, C. E. Tener + Past Participle: a case study in linguistic description. London: Routledge, 1991.

HARRIS, M. The ‘past simple’ and the ‘present perfect’ in Romance. In: NIGEL, V.; HARRIS, M. (Ed.). Studies in the Romance Verb. London: Croom Helm, 1982. p. 42-70.

HOPER, P. J. On some principles of grammaticization. In: TRAUGOTT, E. C.; HEINE, B. Approaches to grammaticalization. Amsterdam – Philadelphia: Benjamins, 1991. p. 17-35.

ILARI, R. Notas sobre o passado composto em português. Revista Letras, Curitiba: UFPR, n. 55, p. 129-152, jan./jun. 2001a. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2015.

______. A expressão do tempo em português. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2001b.

ILARI, R. BASSO, R. O verbo. In: ILARI, R.; NEVES, M. H. M. (Org.). Gramática do português culto falado no Brasil. v. 2. Campinas: UNICAMP, 2008.

LOPES, K. H. Uma análise do verbo tener à luz do confronto com o verbo ter. 2008. 121 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Faculdade de Filosofia, Ciências Humanas e Letras, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

MENON, O. P. da S. Perífrases com o verbo ir: variação e gramaticalização. In: PUSCH, C. D.; WESCH, A. Verbalperiphrasen in den(ibero-) romanischen Sprachen. Hamburg: Helmuth Buske Verlag, 2003.

MIKOLAJCZAK, S. A perspectiva comparativa do pretérito perfeito composto, pretérito perfecto compuesto e present perfect. Studia Romanica Posnaniensia, v. 40/1, p. 81-93, 2013.

REAL ACADEMIA ESPAÑOLA. Nueva gramática de la lengua española – Manual. Madrid: Espasa Libros, 2010.

REICHENBACH, H. The Tenses of Verbs. In: Elements of symbolic logic. New York: Macmillan, 1947.

ROCHA LIMA, C. H. da. Gramática normativa da língua portuguesa. Rio de Janeiro: José Olympio, 2010.

VITRAL, L.; RAMOS, J. Gramaticalização: uma abordagem formal. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro; Belo Horizonte: Faculdade de Letras FALE/UFMG, 2006.

SAEED, J. Semantics – introducing linguistics. Blackwell Publishing ltd, 2003.

SQUARTINI, M. Verbal Periphrases in Romance: Aspect, actionality and grammaticalization. Berlin; New York: Mouton de Gruyter, 1998.

WACHOWICZ, T. C. O aspecto do auxiliar. Comunicação apresentada em reunião do GT “Teoria da gramática” da ANPOLL, Ouro Preto/MG, 2006.

WACHOWICZ, T.; FOLTRAN, M. J. Sobre a noção de aspecto. Cadernos de Estudos Linguísticos (UNICAMP), v. 48, p. 211-232, 2006.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v46i1.1621

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)