O trabalho com gramática nos anos iniciais do ensino fundamental

Ana Luzia Videira Parisotto

Resumo


Este artigo traz os resultados oriundos de uma pesquisa maior, financiada pelo CNPq, que tem como objetivo suscitar a reflexão sobre formação docente e ensino de língua materna, a fim de compreender as dificuldades enfrentadas cotidianamente pelo professor e quais as contribuições possíveis para a superação do fracasso escolar. É uma pesquisa de base qualitativa, tendo como sujeitos professores de 22 escolas de ensino fundamental do município de Presidente Prudente. O recorte estabelecido para este artigo será o de apresentar os dados relativos ao ensino de gramática. Os resultados apontam que há necessidade de que os professores observem que o ensino de gramática pode acontecer por meio de atividades de leitura, de escrita ou de refacção de textos produzidos por seus alunos do ensino fundamental.


Palavras-chave


ensino de língua materna; ensino de gramática; formação docente

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, M. E. D. A. de. O que é um estudo de caso qualitativo em Educação? Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 22, n. 40, p. 95-103, jul./dez. 2013.

ANTUNES, I. Muito além da gramática: por um ensino de línguas sem pedras no caminho. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

______. Gramática contextualizada: limpando o 'pó das ideias simples'. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

BORTONI-RICARDO, S. M.; MACHADO, V. R.; CASTANHEIRA, S. F. Formação do professor como agente letrador. São Paulo: Contexto, 2010.

FRANCHI, C. Mas o que é mesmo "gramática"? In: POSSENTI, S. (Org.). Mas o que é mesmo "gramática"? São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

GERALDI, J. W. Linguagem e ensino: exercícios de militância e divulgação. Campinas: Mercado de Letras, 1996.

______. Portos de passagem. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2005.

KLEIMAN, A. B. Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. 2. ed. Campinas: Mercado de Letras, 2012.

LAJOLO, M. O texto não é pretexto. In: ZILBERMAN, R. (Org.). Leitura em crise na escola: as alternativas do professor. Porto Alegre: mercado Aberto, 1982.

MARCELO GARCIA, C. Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto Ed., 1999.

MATTOS E SILVA, R. V. "O português são dois...": novas fronteiras, velhos problemas. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

NEVES, M. H. M. Texto e gramática. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2013.

______. Gramática na escola. 5. ed. São Paulo: Contexto, 2001.

PERINI, M. A. Sofrendo a gramática. São Paulo: Ática, 2000.

POSSENTI, S. Por que (não) ensinar gramática na escola. 2. ed. Campinas: São Paulo: Mercado de Letras, 2012.

RINALDI, R. P.; PARISOTTO, A. L. V. Desenvolvimento profissional de professores e formadores da educação básica: primeiras aproximações. Revista Teias, v. 14, n. 31,

p. 180-202, mai./ago. 2013.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez, 2008.

TARDIF, M. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários. Rio de Janeiro: PUC, 1999.

______. Saberes docentes e formação profissional. 8. ed. Petrópolis: Vozes, 2007.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v46i2.1627

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)