Professores de língua materna e estrangeira na sociedade tecnológica: perspectivas atuais e tendências de mercado

Maria Helena da Nóbrega

Resumo


Ao divulgar o conteúdo apresentado em minicurso no 64° Seminário do GEL, este texto discorre sobre as possibilidades de atuação para profissionais de língua materna e estrangeira. EJA, Libras, tecnologia educacional, português para falantes de outras línguas no Brasil e no exterior, o trabalho nas editoras e no mercado audiovisual estão entre as escolhas possíveis, nem sempre de forma excludente. Essa diversificação sugere que o profissional deve estabelecer estratégias para alcançar as metas definidas para a própria carreira. Para finalizar, os participantes avaliam vagas reais de emprego, considerando os benefícios oferecidos em cada caso.


Palavras-chave


professor; revisor; língua portuguesa; tecnologia

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, J. J. F. de. Libras na formação de professores: percepções dos alunos e da professora. 2012. 151 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Educação, Comunicação e Artes, Universidade Estadual de Londrina, Londrina. Disponível em: . Acesso em: 14 ago. 2016.

ARAÚJO, U. F.; ARANTES, V. A. Comunidade, conhecimento e resolução de problemas: o projeto acadêmico da USP Leste. In: ARAÚJO, U. F.; SASTRE, G. (Org.). Aprendizagem baseada em problemas no ensino superior. São Paulo: Summus, 2009. p. 101-121.

BARTON, D.; LEE, C. Linguagem online: textos e práticas digitais. Tradução de Milton Camargo Mota. São Paulo: Parábola, 2015.

COSTA, A. B. de C. e. Letramento digital na educação básica de jovens e adultos. In: ALMEIDA, M. G. de; FREITAS, M. do C. D. (Org.). A escola no século XXI – v. 2 – Docentes e discentes na sociedade da informação. Rio de Janeiro: Brasport, 2012. p. 21-43.

DEMO, P. Outra universidade. 2010. Disponível em: . Acesso em: 18 ago. 2016.

GONÇALVES, M. G.; ROCHAEL, M. C. N. A importância da didática para a formação docente do ensino superior. In: Revista Científica da FEPI – Fundação de Ensino e Pesquisa de Itajubá. Itajubá. v. 7, 2015. p. 1-31. Disponível em: . Acesso em: 18 ago. 2016.

HAAG, C. Diversidade brasileira. In: Revista FAPESP. São Paulo: Fapesp, jul. 2010. p. 86-89.

LEFFA, V. Metodologia do ensino de línguas. In: BOHN, H. I.; VANDRESEN, P. Tópicos em linguística aplicada: o ensino de línguas estrangeiras. Florianópolis: Ed. da UFSC, 1988. p. 211-236. Disponível em: . Acesso em: 7 set. 2016.

MOITA LOPES, L. P. da. Linguística aplicada e vida contemporânea: problematização dos construtos que têm orientado a pesquisa. In: _____. (Org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006. p. 85-107.

OLIVETTE, C. Estudo identifica profissões do futuro. In: O Estado de S. Paulo. São Paulo, 14 ago. 2016. Caderno de Empregos. p. 2.

PAIVA, V. L. M. de O. e. O uso da tecnologia no ensino de línguas estrangeiras. In: JESUS, D. M. de; MACIEL, R. F. (Org.). Olhares sobre tecnologias digitais: linguagens, ensino, formação e prática docente. Campinas: Pontes, 2015. p. 21-34.

QUEVEDO, A. A inclusão de tecnologias digitais de informação e comunicação na prática pedagógica de professores do ensino superior. In: JESUS, D. M. de; MACIEL, R. F. (Org.). Olhares sobre tecnologias digitais: linguagens, ensino, formação e prática docente. Campinas: Pontes, 2015. p. 161-178.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v46i2.1742

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)