Variações individuais nos processos linguístico-cognitivos de envelhecimento normal ou patológico: "Cada caso é um caso"

Rosana do Carmo Novaes Pinto

Resumo


Este trabalho apresenta algumas reflexões desenvolvidas no âmbito do GELEP (Grupo de Estudos da Linguagem no Envelhecimento e nas Patologias/CNPq), orientadas pela Neurolinguística enunciativo-discursiva. Essa perspectiva teórico-metodológica concebe a linguagem como “atividade”, como “trabalho” dos sujeitos com e sobre a língua para produzir enunciados – as “células vivas” dos processos dialógicos de significação (cf. BAKHTIN, 1997). Abordamos os limites das categorias clínicas diante da grande variação inter e intra-individuais observadas nos episódios dialógicos com indivíduos em processo de envelhecimento (normal ou patológico). As análises deixam entrever aspectos subjetivos que influenciam as diferentes formas de significação e de reorganização da linguagem – dentre os quais a relação do sujeito com sua doença (SACKS, 1997) –, que deve ser considerada tanto quanto a etiologia e/ou os sintomas, para a compreensão de um caso singular.


Palavras-chave


envelhecimento; afasia; envelhecimento patológico

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: ________. Estética da Criação Verbal. Tradução feita a partir da versão em francês por Maria Emsantina Galvão Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 1997. p. 277-326.

_______. Para uma filosofia do ato responsável. São Paulo: Pedro & João Editores, 2010.

BEAUVOIR, S. A velhice. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, 1988. Disponível em: . Acesso em: 02 fev. 2014.

_______. Lei nº 8.842, de 4 de Janeiro de 1994. Política Nacional do Idoso, 1994. Disponível em: . Acesso em: 17 fev. 2014.

_______. Lei nº 10.741, de 1 de Outubro de 2003. Estatuto do Idoso, 2003. Disponível em: . Acesso em: 17 fev. 2014.

CANGUILHEM, G. O Normal e o Patológico. Rio de Janeiro: Ed. Forense Universitária, 1995.

COUDRY, M. I. H. Diário de Narciso: discurso e afasia. São Paulo: Martins Fontes, 1988 [1986].

DAMÁSIO, A. What a difference a decade makes. Current Opinion in Neurology, Iowa, U. S. A: Rapid Science Publishers, v. 20, p. 177-178, 1997.

DAMICO, J. S. et al. Qualitative methods in aphasia research: basic issues. Aphasiology, London, v. 13, n. 9-11, p. 651-665, ago. 1999. Disponível em: . Acesso em: 08 ago. 2011.

DEBERT, G. A antropologia e o estudo dos grupos e das categorias de idade. In: BARROS, M. M. L. Velhice ou terceira idade? Estudos antropológicos sobre identidade, memoria e politica. Rio de Janeiro: FGV, 2008.

FARACO, C. A. Linguagem e Diálogo – As Ideias Linguísticas do Circulo de Bakhtin. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

FOUCAULT, M. O nascimento da clínica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1998 [1963].

_______. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995 [1969].

FORTES, M. Age, generation, and social structure. In: KERTZER, D.; KEITH, J. (Ed.). Age and Antropological theory. Ithaca: Cornell University Press, 1984.

FRANCHI, C. Hipóteses para uma análise funcional da linguagem. 1977. 259 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1975.

GAMBURGO, L. Envelhecimento e linguagem. Um estudo da linguagem como prática dialógica e social em idosos. 2006. 137 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, 2006.

GÓES, M. C. R. de. A abordagem microgenética na matriz histórico-cultural: uma perspectiva para o estudo da constituição da subjetividade. Cadernos Cedes, Relações de ensino: análises na perspectiva histórico-cultural, Campinas, n. 50, p. 9-25, 2000.

KEARNS, K. Qualitative research methods in aphasia: a welcome addition. Aphasiology, v. 13, n. 9-11, p. 649-650, 1999.

LOURENÇO, R. C.; MASSI, G. Linguagem e Velhice: Considerações acerca do papel da escrita no processo de envelhecimento. Curitiba: Juruá Ed., 2011.

LURIA, A. Neuropsychological studies in aphasia. Amsterdam: Sweets & Zeitlinger B. V., 1977.

LYON, J. A commentary on qualitative research in afasia. Aphasiology, v. 13, n. 9-11,

p. 681-687, 1999.

MAZUCHELLI, L. P. A Dificuldade para Encontrar Palavras: inferências a partir da análise qualitativa de entrevistas com sujeitos idosos. Revista Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 46, 2017 (no prelo).

MECACCI, L. Conhecendo o cérebro. São Paulo: Nobel Instituto Italiano di Cultura di São Paulo, 1984.

MINAYO, M. C. Violência contra idosos: O avesso do respeito à experiência e à sabedoria. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2005.

NERI, A. L. Envelhecer num país de jovens. Significados de velho e velhice segundo brasileiros não idosos. Campinas: Editora da UNICAMP, 1991.

_______. Maturidade e Velhice. Trajetórias individuais e socioculturais. Campinas: Papirus Ed. 2001.

NERI, A. L.; DEBERT, Velhice e Sociedade. Campinas: Papirus Ed., 1999.

NESPOLOUS, J. L. A contribuição das ciências cognitivas – e, particularmente, da Psicolinguística cognitiva – ao estudo das alterações de linguagem ou "do descritivo ao interpretativo". In: RODRIGUES, N.; MANSUR, L. Temas em Neuropsicologia, Série de Neuropsicologia, v. 1, p. 19- 37, 1997.

OLIVEIRA, M. V. B.; NOVAES-PINTO, R. C. On the relation between memory and language from a historical-cultural perspective in neurolinguistics. Southern Semiotic Review, v. 4, p. 1-15, 2014.

NOVAES-PINTO, R. C. A contribuição do estudo discursivo para uma análise crítica das categorias clínicas. 1999. 272 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 1999.

_______. Preconceito linguístico e exclusão social nas chamadas patologias de linguagem. Avesso do Avesso: Revista de Educação. FAC-Araçatuba, São Paulo, v. 5,

n. 5, p. 8-36, 2008.

______. Desafios metodológicos da pesquisa em Neurolinguística no início do século XXI. Revista Estudos Linguísticos, v. 40, p. 966-980, 2011.

______. A social cultural-approach to aphasia: contributions from the work developed at a center for aphasic subjects. In: TAN, Ü. (Ed.). Latest Findings in Intellectual and Developmental Disabilities Research, Croatia, 2012b, p. 219-244. Disponível em: . Acesso em: 01 mar. 2012.

NOVAES-PINTO, R. C.; OLIVEIRA, M. V. B. Uncovering hidden meanings in legal discourse on the elderly: a semioethical perspective. Semiotica (online), p. 1-21, 2016.

NOVAES-PINTO, R. C.; SANTANA, A. P. A semiologia das afasias. In: MANCOPES, R.; SANTANA, A. P. (Org.). Perspectivas na clínica das afasias: o sujeito e o discurso. São Paulo: Editora Santos, 2009a. p. 18-40.

NOVAES-PINTO, R. C.; SANTANA, A. P. Semiologia das afasias: uma discussão crítica. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, n. 22, v. 3, p. 413-421, 2009b.

OLIVEIRA, M. V. B.; NOVAES-PINTO, R. C. On the relation between memory and language from a historical-cultural perspective in neurolinguistics. Southern Semiotic Review, v. 4, p. 1-15, 2014.

PEIXOTO, C. Entre o estigma e a compaixão e os termos classificatórios: velho, velhote, idoso, terceira idade. In: MORAES, M.; BARROS, L. (Org.). Velhice ou terceira idade? Estudos antropológicos sobre identidade, memoria e política. Rio de Janeiro: FGV, 2008.

PRETI, D. A linguagem dos idosos. São Paulo: Contexto, 1991.

SACKS, O. O homem que confundiu sua mulher com um chapéu. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

SOBRAL, A. Ético e estético: na vida, na arte e na pesquisa em Ciências Humanas. In: BRAIT, B. (Org.) Bakhtin: conceitos-chave. São Paulo: Editora Contexto, 2005.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Tradução de José Cipolla Neto; Luís Silveira Menna Barreto; Solange Castro Afeche. 6. ed. 6 tiragem. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

______. A construção do pensamento e da Linguagem. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2001.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v46i2.1782

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)