A tradução na área de química orgânica: da adaptação à tradução literal

Paula Tavares Pinto, Marcelo de Freitas Lima

Resumo


Neste trabalho, propomos uma discussão sobre a problemática da tradução de termos em inglês da Química de Pesticidas, subárea da Química Orgânica, para o português do Brasil. O objetivo principal é o de apresentar um glossário bilíngue (português <=> inglês) com termos harmonizados, buscando preencher uma lacuna existente e oferecer uma fonte de consulta confiável para os pesquisadores da área. Para tal, utilizamos como base teórica os estudos da tradução baseados em corpus, a Linguística de Corpus e a Terminologia. Para a composição do corpus, de onde serão extraídas as informações e os termos, são utilizados artigos e resumos de revistas acadêmicas que tratam de química de pesticidas em português brasileiro e em inglês.


Palavras-chave


tradução; Terminologia; Linguística de corpus; química orgânica

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, C. T.; COUTINHO, F. M. B.; DIAS, M. L.; LUCAS, E. F.; OLIVEIRA, C. M. F.; TABAK, D. Dicionário de polímeros. Rio de Janeiro: Editora Interciência, 2001.

AUBERT, F. H. Introdução à metodologia da pesquisa terminológica bilíngüe. São Paulo: Humanitas Publicações – FFLCH/USP, 1996. (Cadernos de terminologia 2).

ABAKERLI, R. B.; FAY, E. F.; REMBISCHEVSKI, P.; VEKIC, A. M.; GODOY, K.; MAXIMIANO, A. A.; BONIFÁCIO, A. Regras para nomenclatura dos nomes comuns dos agrotóxicos. Pesticidas: Revista de Ecotoxicologia e Meio Ambiente, v. 13, p. 29-36, jan./dez. 2003.

AZENHA JÚNIOR, J. Tradução técnica e condicionantes culturais: primeiros passos para um estudo integrado. São Paulo: Humanitas / FFLCH / USP, 1999.

BARROS, L. A. Curso básico de terminologia. São Paulo: USP, 2004.

BERBER SARDINHA, A. P. Lingüística de corpus: histórico e problemática. D.E.L.T.A., Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada (PUC-SP. Impresso), São Paulo, EDUC, v. 16, n. 2, p. 323-367, 2000.

BERBER SARDINHA, A. P. Lingüística de Corpus. Barueri: Editora Manole, 2004.

COLLINS, C. H.; BRAGA, G. L.; BONATO, P. S. (Org.). Fundamentos de cromatografia. Campinas: Editora da UNICAMP, 2006.

DE ALENCASTRO, R. B. Nomenclatura dos compostos orgânicos. Química Nova, v. 5:3, p. 67-103, 1982.

DUBUC, R. Manuel pratique de terminologie. 2. ed. Québec: Linguatech, 1985.

KRIEGER, M. G.; FINATTO, M. J. B. Introdução à terminologia: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2004.

LEIGH, J. Systematic and trivial nomenclature. Chemistry International, v. 34, n. 5, p. 28-29, 2012.

LENTINI, G. Trivial, Common, and Systematic Chemical Names. Chemical Education Today, v. 80, n. 5, p. 487, 2003.

PINTO, A. C.; DE ALENCASTRO, R. B. Regras de nomenclatura química: como proceder? Revista Virtual de Química, v. 2, n. 4, p. 226, 2010.

SOUZA, J. V.; PINTO, P. T.; LIMA, M. F. A questão terminológica dos organofosforados na química de pesticidas: uma abordagem através da linguística de corpus, no prelo.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v47i2.2050

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)