Uma análise sintático-semântica para os verbos de limpeza do português brasileiro

Kely Stefani de Oliveira

Resumo


Neste artigo, tomamos como objeto de estudo os verbos de limpeza do PB com o intuito de mostrarmos que esses verbos apresentam propriedades semânticas e comportamentos sintáticos diferentes dos verbos de remoção do PB. Para isso, analisamos, com base no quadro teórico-metodológico da Semântica Lexical, 14 verbos de limpeza. Ao final, chegamos aos resultados de que os verbos de limpeza possuem aspecto lexical de atividade; não acarretam resultado; possuem a grade temática {Agente, Paciente}; têm as seguintes estruturas em decomposição de predicados: [X AFFECTY], para os verbos de maneira, e [X AFFECTY], para os verbos de instrumento; podem ter uma leitura de remoção quando ocorrem na estrutura (SN1 (SN2 P SN3)) e aceitam a alternância locativa quando têm o sentido compatível com o de remoção.

Palavras-chave


classes verbais; verbos de limpeza; verbos de remoção; alternância verbal; semântica lexical

Texto completo:

PDF

Referências


ALEXIADOU, A.; ANAGNOSTOPOULOU, E. Manner vs. result complementarity in verbal alternations: a view from the clear alternation. Proceedings of the 42nd Annual Meeting of the North East Linguistic Society, p. 39-52, 2013.

ALMEIDA, V. Os verbos de remoção no português brasileiro.2015. Monografia (Bacharelado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

AMARAL, L. A alternância transitivo-intransitiva no português brasileiro: fenômenos semânticos. 2015. Tese (Doutorado em Linguística Teórica e Descritiva) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

BORBA, F. (coord.). Dicionário gramatical de verbos do português contemporâneo do Brasil.

ed. São Paulo: Editora da UNESP, 1990.

CANÇADO, M. Propriedades semânticas e posições argumentais. DELTA, v. 21, n. 1, p. 23-56, 2005.

CANÇADO, M.; AMARAL, L. Representação lexical de verbos incoativos e causativos no PB. Revista da Abralin, v. 9, n. 2, p. 123-147, 2010.

CANÇADO, M. Verbal alternations in Brazilian Portuguese: a lexical semantic approach. Studies in Hispanic and Lusophone Linguistics, v. 3, n. 1, p. 77-111,2010.

CANÇADO, M.; GODOY, L. Representação Lexical de Classes Verbais do PB. ALFA, v. 56,

n. 1, p. 109-135, 2012.

CANÇADO, M.; GODOY, L.; AMARAL, L. Catálogo de verbos do português brasileiro: classificação verbal segundo a decomposição de predicados. v. I – Verbos de mudança. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

CANÇADO, M. Manual de Semântica: noções básicas e exercícios. São Paulo: Contexto [1.ed., 2005, Editora UFMG], 2013.

CANÇADO, M., AMARAL, L. Introdução à Semântica Lexical: papéis temáticos, aspecto lexical e decomposição de predicados. Petrópolis: Vozes, 2016.

CANN, R. Formal Semantics: An introduction. Cambridge: Cambridge University Press, 1993.

CHOMSKY, N. The minimalist program. Cambridge: MIT, 1995.

DOWTY, D. Word Meaning and Montague Grammar. Dordrecht: D. Reidel, 1979.

FILLMORE, C. The case for case. In: BACH, E.; HARMS, R. T. Universals in Linguistic Theory. Nova York: Holt, Rinehart, and Winston, 1968. p. 1-88.

FILLMORE, C. The grammar of hitting and breaking. In: JACOBS, R.; ROSENBAUM, P. (ed.). Readings in English Transformation Grammar. Waltham: Ginn, 1970. p. 120-133.

FILLMORE, C. Types of lexical information. In: STEINBERG, D.; JAKOBOVITS, L. Semantics. Cambridge: Cambridge University Press, 1971.

LEVIN, B.; RAPPAPORT HOVAV, M. Wiping the slate clean: a lexical semantic exploration. Cognition, v. 41, p. 123-151,1991.

LEVIN, B.; RAPPAPORT, M. The Lexical Semantics of Verbs of Motion: The Perspective from Unaccusativity. In: ROCA, I. (org.). Thematic Structure: Its Role in Grammar. Berlin: Foris, 1992, p. 247-269.

LEVIN, B. English verb classes and alternations: a preliminary investigation. Chicago: University of Chicago Press, 1993.

LEVIN, B.; RAPPAPORT, M. Unaccusativity: at the Syntax-Lexical Semantics Interface. Cambridge: MIT Press, 1995.

LEVIN, B.; RAPPAPORT HOVAV, M. Argument realization. Cambridge: Cambridge University Press, 2005.

MEIRELLES, L. Os verbos instrumentais no PB. 2013. Monografia (Bacharelado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013.

MEIRELLES, L.; CANÇADO, M. Os verbos instrumentais no português brasileiro. Revista de Estudos Linguísticos Veredas, v. 19, n. 2, p. 292-309, 2015.

NASCIMENTO, T. Verbos beneficiários de contato no PB. 2015. Monografia (Bacharelado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

PINKER, S. Learnability and Cognition: The acquisition of argument structure. Cambridge: MIT Press, 1989.

VENDLER, Z. Linguistics in philosophy. Ithaca, NY: Cornell University Press, 1967.

WUNDERLICH, D. Cause and the structure of verbs. Linguistic Inquiry, v. 28, n. 1, p. 27-68,1997.

WUNDERLICH, D. Lexical Decomposition in Grammar. In: WERNING, M.; HINZEN, W.; MACHERY, E. The Oxford Handbook of Compositionality. Oxford: Oxford University Press, 2012. p. 307-327.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v48i1.2186

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)