Aspectos semânticos dos verbos cognitivos deduzir e calcular no português

Letícia de Almeida Barbosa-Santos, Solange de Carvalho Fortilli

Resumo


Este trabalho analisa os verbos cognitivos deduzir e calcular, a fim de identificar, dentre as acepções que os compõem, aquelas que se salientam em sua atuação como parênteses. Os aspectos teóricos relacionam-se à Gramaticalização (HEINE; CLAUDI; HUNNEMEYER 1991; HOPPER; TRAUGOTT, 1993; HIMMELMANN, 2004), e em trabalhos sobre a parentetização de verbos (GONÇALVES, 2003; CASSEB-GALVÃO, 2000; FORTILLI, 2015), associada ao comportamento semelhante ao de advérbios. Utilizaram-se ocorrências entre os séculos XIX a XXI, do Corpus do Português e do jornal Folha.com. Por meio da análise, são apresentados seus vários significados, delineando-se aqueles que os mantêm mais arraigados à expressão de mecanismos de cognição, exprimindo processos mentais específicos, e os que sustentam sua atuação como modais epistêmicos.

Palavras-chave


verbos cognitivos; gramaticalização; parentetização

Texto completo:

PDF

Referências


BYBEE, J. The evolution of Grammar: tense, aspect and modality in the languages of the world. London: The University of Chicago Press, Ltd., 1994. p. 281-302.

CASSEB-GALVÃO, V. O achar no português do Brasil: um caso de gramaticalização. 1999. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999.

CASSEB-GALVÃO, V. Mecanismos de análise sociolingüística e sua aplicação a um estudo de caso de gramaticalização. Revista de estudos da linguagem, Belo Horizonte, v. 9, n. 2,

p. 73-82, jul./dez. 2000.

CUNHA, G. Dicionário etimológico da língua portuguesa. 4.ed. revista pela nova ortografia. Rio de Janeiro: Lexikon, 2010.

DAVIES, M.; FERREIRA, M. Corpus do Português: 45 milhões de palavras, 1300s-1900s, 2006. Disponível em: http://www.corpusdoportugues.org. Acesso em: 20 jul. 2018.

FERREIRA, A. B. H. O mini dicionário da língua portuguesa. 4.ed. rev. e ampl. do mini dicionário Aurélio. 7. impr. Rio de Janeiro, 2002.

FORTILLI, S. C. Parentetização de verbos de atividade mental no português falado e escrito. In: VII Simpósio Nacional de Estudos Filológicos e Linguísticos, 2015, Campo Grande. Revista Philologus, Suplemento Anais do VII SINEFIL, 2015. p. 1068-1078.

FREITAG, R. M. K. Gramaticalização e variação de acho (que) e parece (que) na fala de Florianópolis. 2003. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.

GONÇALVES, S. C. L. Gramaticalização, modalidade epistêmica e evidencialidade: um estudo de caso no português do Brasil. 2003. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

GONÇALVES, S. C. L. Gramaticalização de construções com o verbo “parecer” no português brasileiro: de verbo pleno a satélite atitudinal. Veredas(UFJF), Juiz de Fora, v. 8, n.1/2, p. 195-214, 2004.

HALLIDAY, M. A. K. An Introduction to Functional Grammar. Baltimore: EdwardArnold, 1985.

HEINE, B.; CLAUDI, U.; HUNNEMEYER, F. Grammaticalization: a conceptual framework. Chicago: University of Chicago, 1991.

HIMMELMANN, N. Lexicalization and grammaticalization: Opposite or orthogonal? In: HIMMELMANN, N.; WIEMER, B. (ed.). What makes Grammaticalization? A look from its Fringes and Components. Berlin: Mounton de Gruyter. 2004. p. 21-42.

HOPPER, P.; TRAUGOTT, E. Grammaticalization.Cambridge, UK: Cambridge University Press, 1993.

Folha de São Paulo. Disponível em: https://www.folha.uol.com.br/

JUBRAN, C. C. A. S Parentetização. In: JUBRAN, C. C. A., KOCH, I. G. V. (org.).Gramática do Português Culto Falado no Brasil: construção do texto falado. v. I. Campinas: Editora da UNICAMP, 2006. p. 301-357.

LAKOFF, G.; JOHNSON, M. Metaphors We Live By. Chicago: Chicago University Press, 1980.

MARTELOTTA, M. et al. Gramaticalização no português: uma abordagem funcional.Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. 1996.

MEILLET, A. L’evolution des formes grammaticales. In: MEILLET, A. Linguistique historique et linguistique générale. Paris: Klincksieck. 1912.

MICHAELIS. Dicionário escolar língua portuguesa. São Paulo: Melhoramentos,2008.

NEVES, M. H. M. Texto e gramática. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2013.

NEWMEYER, F. J. Language form and language function. Massachusets: MIT Press, 2001.

SCHNEIDER, S. Reduced Parenthetical clauses as mitigators. A corpus study of spoken French, Italian and Spanish. Amsterdam: John Benjamin Publishing Company, 2007.

THOMPSON, S.; MULAC. A. A quantitative perspective on the grammaticalization of epistemic parenteticals in English. In: TRAUGOTT, E.; HEINE,B. (org.). Approaches to grammaticalization. v. 1. Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 1991.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v48i2.2199

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)