A gramática de restrições do acento verbal no português brasileiro

Fernanda Alvarenga Rezende

Resumo


Este estudo teve como principal objetivo tratar do acento, propondo uma nova descrição para os verbos do português brasileiro (PB) pelo modelo de restrições da Teoria da Otimidade (TO), dos insights da Fonologia Métrica (HAYES, 1995) e tendo como norte as análises de Magalhães (2004, 2010) para os não-verbos. Neste trabalho, consideramos que o pé canônico dos verbos é o troqueu silábico, o que exclui a relevância do peso silábico para a atribuição do acento nessa categoria lexical. A gramática de restrições proposta para o acento verbal no PB mostra a relevância das restrições de alinhamento para demonstrar a interface morfologia-fonologia, pois elas asseguram que a localização do acento ocorra no contexto morfológico adequado ao tempo verbal analisado.

Palavras-chave


acento verbal; português brasileiro; Teoria da Otimidade

Texto completo:

PDF

Referências


BISOL, L. O acento e o pé métrico binário. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, n. 22, p. 69-80, jan./jun. 1992.

BISOL, L. O acento e o pé métrico binário. Letras de Hoje, v. 29, n. 4, p. 25-36, dez. 1994.

BORGES, P. R. Estrutura morfofonológica das formas futuras nas Cantigas de Santa Maria. 2008. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2008. Disponível em: http://wwws.fclar.unesp.br/agenda-pos/linguistica_lingua_portuguesa/1565.pdf. Acesso em: 02 abr. 2019.

HAYES, B. Metrical Stress Theory: Principles and Case Studies. Chicago: University of Chicago Press, 1995.

HYDE, B. Metrical and Prosodic Structure in Optimality Theory. 2001. PhD dissertation (Doctor of Philosophy Graduate Program in Linguistics) – Rutgers University, New Brunswick, New Jersey. Disponível em: https://ling.rutgers.edu/images/dissertations/476-1101-hyde-0-0.pdf. Acesso em: 02 abr. 2019.

KAGER, R. Optimality Theory. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

LEE, S. H. A regra do acento do português: outra alternativa. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 29, n. 4, p. 37-42, 1994.

LEE, S. H. O acento primário no português: uma análise unificada na teoria da otimalidade. In: ARAÚJO, G. A. de (org.). O acento em português: abordagens fonológicas. São Paulo: Parábola Editorial, 2007. p. 121-143.

LIBERMAN, M.; PRINCE, A. On stress and linguistic rhythm. Linguistic Inquiry, Cambridge, Mass., v. 8, p. 249-336, 1977.

MAGALHÃES, J. S. de. O plano multidimensional do acento na teoria da Otimidade. 2004. Tese (Doutorado em Letras) – Programa de Pós-graduação em Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.

MAGALHÃES, J. S. de. Acento. In: BISOL, L.; SCHWINDT, L. C. (org.). Teoria da Otimidade: Fonologia. Campinas: Pontes Editores, 2010. p. 93-134.

MASSINI-CAGLIARI, G. Sobre o status morfofonológico e prosódico das formas verbais de Futuro em Português Arcaico. Estudos da Língua(gem). Questões de Fonética e Fonologia: uma Homenagem a Luiz Carlos Cagliari. Vitória da Conquista, v. 3, n. 1, p. 91-104, jun. 2006. Disponível em: http://www.estudosdalinguagem.org/index.php/estudosdalinguagem/article/view/36/74. Acesso em: 02 abr. 2019.

MATEUS, M. H. M.; O acento de palavra em português: uma nova proposta. Boletim de Filologia. Lisboa, Tomo XXVIII, p. 1-19, 1983.

McCARTHY, J.; PRINCE, A. S. Generalized Alignment. In: BOOJ, G.; VAN MARLE, J. (ed.). Yearbook of Morphology. Dordrecht: Kluwer, 1993a. p. 79-153.

McCARTHY, J.; PRINCE, A. S. Prosodic Morphology I: constraint interaction and satisfaction. University of Massachusetts, Amherst and Rutgers University, 1993b.

PEREIRA, M. I. P. O acento da palavra em português: uma análise métrica. 1999. Dissertação (Doutorado em Linguística Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Coimbra, 1999.

PRINCE, A.; SMOLENSKY, P. Optimality Theory: constraint interaction in generative grammar. Rutgers University and University of Colorado-Boulder, 1993.

RUSSELL, K. Optimality Theory and Morphology. In: ARCHANGELI, D.; LANGENDOEN, D. T. (ed.). Optimality Theory: An Overview. Oxford: Blackwell, 1997. p. 102-133.

WETZELS, L. Primary Word Stress in Brazilian Portuguese and the Weight Parameter. Journal of Portuguese Linguistics, p. 9-58, 2007.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v48i1.2268

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)