Intercâmbios virtuais e a internacionalização em casa: reflexões e implicações para a Linguística Aplicada

Ana Cristina Biondo Salomão

Resumo


Projetos telecolaborativos utilizando ferramentas digitais vêm ampliando, na atualidade, as possibilidades de internacionalização das universidades ao redor do mundo. Neste artigo, trazemos os resultados de uma pesquisa realizada no contexto do Programa Brazilian Virtual Exchange (BRaVE-UNESP) sobre as estratégias para uso de inglês como língua franca em atividades colaborativas de intercâmbio virtual adotadas por professores de diferentes áreas do conhecimento. Por meio de metodologia qualitativa, enfocamos as perspectivas dos professores em relação às dificuldades e estratégias usadas para lidar com a comunicação entre os alunos por meio da língua inglesa. Os resultados trazem reflexões e implicações para a Linguística Aplicada em relação à necessidade de se pensar diretrizes para um novo papel do professor de línguas como mediador de contextos de intercâmbios virtuais.


Palavras-chave


internacionalização; intercâmbio virtual; BRaVE; inglês como língua franca

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA FILHO, J. C. P. Maneiras de compreender lingüística aplicada. Revista do Programa de Pós-graduação em Letras, UFSM, n. 2, p. 4-10, 1991.

ANDRADE, M. R. M. (org.). Afetividade e emoções no ensino/aprendizagem de línguas: múltiplos. Coleção: Novas Perspectivas em Linguística Aplicada. v. 18. Campinas: Pontes, 2011.

BARCELOS, A. M. F.; VIEIRA-ABRAHÃO, M. H. Crenças e ensino de línguas: foco no professor, no aluno e na formação de professores. Campinas: Pontes, 2006.

BRASIL. A internacionalização na Universidade Brasileira: resultados do questionário aplicado pela Capes. Edição e composição: Diretoria de Relações Internacionais. Capes, Brasília, 2017. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/stories/download/diversos/A-internacionalizacao-nas-IES-brasileiras.pdf. Acesso em: 16 ago. 2019.

CONSOLO, D. A; TEIXEIRA DA SILVA, V. L. Desenvolvimento da proficiência oral em inglês em alunos universitários: análise de tarefas e da qualidade das interações verbais. In: SILVA, K. A.; DANIEL, F. G.; KANEKO-MARQUES, S. M.; SALOMÃO, A. C. B. A formação de Professores de Línguas: novos olhares. Campinas: Pontes, 2011. p. 127-146.

COYLE, D. Theory and planning for effective classrooms: Supporting students in content and language integrated learning contexts. In: MASIH, J. (ed.). Learning Through a Foreign Language: Models, Methods and Outcomes. London, CILT Publications, 1999.

CROWTHER, P.; JORIS, M.; OTTEN, M.; NILSSON, B.; TEEKENS, H.; WÄCHTER, B. Internationalisation at Home: A Position Paper. Amsterdam: EAIE, 2001. Disponível em: https://www.internationalisering.nl/wp-content/uploads/2015/04/Internationalisation-at-Home-A-Position-Paper.pdf. Acesso em: 20 jan. 2020.

DORNYEI, Z. Research Methods in Applied Linguistics. Oxford: Oxford University Press, 2007.

FARIAS, M.; ARMENDÁRIZ, A. M.; GIL, G.; GIMENEZ, T.; N.; CLAVIJO OLARTE, A.; ABRAHAMS, M. J. Sociocultural and political issues in English teacher education: policies and training in Argentina, Brazil, Chile and Colombia. In: GIL, G.; VIEIRA-ABRAHÃO, M. H. Educação de Professores de Línguas: os desafios do formador. Campinas: Pontes: 2008. p. 23-44.

GARCÍA, O.; WEI, L. Translanguaging: Language, Bilingualism and Education. New York: Palgrave Macmillan, 2014.

GIL, G. O ensino do inglês, do português e do espanhol como línguas estrangeiras no Brasil e na Argentina: uma comparação glotopolítica. Helb, Brasília, v. 3, n. 1, 2009 [não paginado]. Disponível em: https://bit.ly/2z9iucJ. Acesso em: 16 ago. 2019.

HASHIGUTI, S. T. Can we speak English? Reflections on the unspoken EFL in Brazil. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, v. 56, n. 1, p. 213-233, 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/010318135150200431. Acesso em: 16 ago. 2019.

KRAMSCH, C. Cultura no ensino de língua estrangeira/ ‘Culture in Foreign Language Teaching’. Bakhtiniana, São Paulo, v. 12, n. 3, p. 134-152, set. /dez. 2017.

LEFFA, V. J. Identidade e aprendizagem de línguas. In: SILVA, K. A.; DANIEL, F. G.; KANEKO MARQUES, S. M.; SALOMÃO, A. C. B. (org.). A formação de professores de línguas: novos olhares. v. 2. São Paulo: Pontes, 2012. p. 51-81.

LIMA, D. C. (ed.). Language and its Cultural Substrate: Perspectives for a Globalized World. Campinas: Pontes, 2012.

O’DOWD, R. (ed.). Online Intercultural Exchange: An Introduction for Foreign Language Teachers. Clevedon: Multilingual Matters, 2007.

O’DOWD, R. From telecollaboration to virtual exchange: state-of-the-art and the role of UNICollaboration in moving forward. Journal of Virtual Exchange, n. 1, p. 1-23, 2018.

O’DOWD, R.; RITTER, M. Understanding and working with ‘failed communication’ in telecollaborative exchanges. CALICO Journal, v. 23, n. 3, p. 623-642, 2006.

PAIVA, V. L. M. O. O outro na aprendizagem de línguas. In: HERMONT, A. B.; ESPÍRITO SANO, R. S.; CAVALACANTE, S. M. S. Linguagem e cognição: diferentes perspectivas, de cada lugar um outro olhar. Belo Horizonte: Editora PUCMINAS, 2010. p. 203-217.

PAIVA, V. L. M. O. Interação e aquisição de segunda língua: uma perspectiva ecológica. In: GERHARDT, A. F. L. M.; AMORIM, M. A.; CARVALHO, A. M. (org.). Linguística aplicada e ensino de língua e literatura. Campinas: Pontes Editores, 2013. p. 187-205.

SALOMÃO, A. C. B. Vizinhança global ou proximidade imposta? Impactos da comunicação intercultural mediada por computador sobre o papel da cultura no ensino de língua inglesa. D.E.L.T.A., São Paulo, v. 27, n. 2, p. 235-256, 2011.

SEIDLHOFER, B. Understanding English as a Lingua Franca. Oxford: Oxford University Press, 2011.

TAVARES, R. R. Língua, cultura e ensino. Maceió: EDUFAL, 2006.

TEIXEIRA DA SILVA, V. L. Fluência oral: imaginário, construto e realidade num curso de Letras/LE. 2000. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.

TEIXEIRA DA SILVA, V. L. Em busca da fluência oral: um curso de Letras sub-judice. In: SILVA, K. A.; ALVAREZ, M. L. O. Perspectivas de investigação em Linguística Aplicada. Campinas: Pontes, 2008. p. 373-400.

TELLES, J. A. (org.). Teletandem: um contexto virtual, autônomo e colaborativo para a aprendizagem de línguas estrangeiras no século XXI. Campinas: Pontes Editores, 2009.

TELLES, J. A.; VASSALLO, M. L. Foreign language learning in-tandem: Teletandem as an alternative proposal in callt. The ESPecialist, v. 27, n. 2, p. 189-212, 2006.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v49i1.2469

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)