Enunciados de estilo telegráfico nas afasias: funcionamento linguístico-cognitivo sob uma visão integrada dos níveis linguísticos

Arnaldo Rodrigues de Lima

Resumo


A ausência e/ou substituição de palavras e morfemas considerados puramente gramaticais é o sinal que, tradicionalmente, define a chamada “fala telegráfica”. A instabilidade com os recursos gramaticais pode ser compreendida, a depender da teoria, como consequência direta de déficits específicos em cada um dos níveis linguísticos. O principal objetivo deste trabalho é desenvolver uma reflexão sobre o funcionamento gramatical destacando, sobretudo, o imbricamento dos níveis linguísticos e, por fim, ressaltar a necessidade de se considerar esse imbricamento na compreensão dos fenômenos linguístico-cognitivos, principalmente aqueles relacionados à produção de sujeitos afásicos considerados não-fluentes. A reflexão fundamenta-se na Neuropsicologia sócio-histórico-cultural, nos pressupostos teórico-metodológicos da Neurolinguística enunciativo-discursiva e na Gramática Funcional do Discurso. 


Palavras-chave


funcionamento linguístico-cognitivo; funcionamento gramatical; fala telegráfica; neurolinguística.

Texto completo:

PDF

Referências


ALANEN, R.; PÖYHÖNEN, S. Introduction. In: ALANEN, R.; PÖYHÖNEN, S. Language in Action: Vygotsky and Leontievian Legacy Today. New Castle: Cambridge Scholars Publishing, 2007. p. 1-7.

AKHUTINA, T. V. Is agrammatism an Anomaly? Journal of Russian and East European Psychology, Moscow, v. 4, Issue 3-4, p. 75-95, dez. 2014 [2003]. DOI: https://doi.org/10.2753/RPO1061-040541030475

AKHUTINA, T. V. The role of Inner Speech in the Construction of an Utterance. Journal of Russian and East European Psychology, Moscow, v. 4, Issue 3-4, p. 49-74, dez. 2014 [1975]. DOI: https://doi.org/10.2753/RPO1061-040541030449

AKHUTINA, T. V. Vygotsky-Luria-Leontiev’s School of Psycholinguistics: The Mechanism of Language Production. In: ALANEN, R.; PÖYHÖNEN, S. Language in Action: Vygotsky and Leontievian Legacy Today. New Castle: Cambridge Scholars Publishing, 2007. p. 32-56.

BAKHTIN, M. A estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BROCA, P. Perte de la parole, ramollisement chronique de destruction partielle du lobe antérieur gauche du cerveau. Paris: Bull Soc Anthrop, 1861.

CAMACHO, R. G. O papel do contexto social na teoria linguística. Alfa, São Paulo, v. 38, n.1, p. 19-36, 1994.

CAMACHO, R. G. Alinhamento e estratégias de relativização. D.E.L.T.A., São Paulo, v. 33, n. 1, p. 243-266, mar. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-445037085585369827

CAMACHO, R. G. Funcionalismo Holandês: da Gramática Funcional a Gramática Funcional do Discurso. Signótica, Goiânia, v. 2, n. 1, p. 167-180, abr. 2008. DOI: https://doi.org/10.5216/sig.v0i0.3645

CASTILHO, A. T. Nova Gramática do Português Brasileiro. São Paulo: Contexto, 2010.

COLE, M. Cultural psychology: A once and future discipline. Harvard: Harvard University Press, 1996.

COUDRY, M. I. H. Diário de Narciso: afasia e discurso. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

ELING, P.; WHITAKER, H. History of Aphasia: from brain to Language. Handbook of Clinical Neurology, v. 95, n. 1, p. 571-582, 2010.

FRANCHI, C. Linguagem – Atividade Constitutiva. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 22, n. 1, p. 9-39, jun. 1992 [1977]. DOI: https://doi.org/10.20396/cel.v22i0.8636893

GRODZINSKY, Y. The syntact characterization of Agrammatism. Cognition, Amsterdam, v. 16, n. 2, p. 99-120, 1984. DOI: https://doi.org/10.1016/0010-0277(84)90001-5

HENGEVELD, K.; MACKENZIE, J. L. Functional Discourse Grammar: A typologically-based theory of language structure. Oxford: Oxford University Press, 2008. DOI: 10.1093/acprof:oso/9780199278107.001.0001

JACKSON, H. On the nature of the duality of the brain. Medical Press and Circular, Dublin, v. 1, p. 80-86, January 14th, 1874.

KEIZER. E. A Functional Discourse Grammar for English. Oxford: Oxford University Press, 2015.

KEIZER. E. Context and Cognition in Functional Discourse Grammar. Pragmatics, v. 24, n. 2, p. 399-423, 2014.

KLEPPA, L. Telegramas e ‘fala telegráfica’. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 47, n. 2, p. 557-572, 2018. DOI: https://doi.org/10.21165/el.v47i2.1936

KLEPPA, L. Preposições ligadas a verbos na fala de uma criança em processo de aquisição de linguagem e de dois sujeitos agramáticos em processo de reconstrução de linguagem ou “Eu e você? Diferente”. 2008. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

KUSSMAUL, A. Die Storugen der Sprache. Versucheiner pathologie der sprache. Vogel. Leipzig, 1877.

LEONTIEV, A. Psycholinguistic units and the production of Verbal Utterances. Moscou, 1969.

LIMA, A. R. As palavras funcionais nos enunciados de sujeitos afásicos. 2017. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2017.

LIMA, A. R. Uma abordagem funcional para os enunciados de estilo telegráfico: contribuições para o estudo da relação entre pensamento e linguagem. Projeto de Doutorado-Sanduíche. BEPE – FAPESP, 2019.

LIMA, A. R.; NOVAES-PINTO, R.C. A chamada “fala telegráfica” e sua relação com as dificuldades de encontrar palavras: uma reflexão a partir de enunciados de sujeitos afásicos não-fluentes. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 46, n. 2, p. 715-729, 2017. DOI: https://doi.org/10.21165/el.v46i2.1624

LURIA, A. Pensamento e Linguagem: as últimas conferências de Luria. São Paulo: Artmed Editora, 1986.

MARTINEZ-FERREIRO, S.; BASTIAANSE, R.; BOYE, K. Functional and usage-based approaches to aphasia: the grammatical-lexical distinction and the role of frequency. Aphasiology, 2019. DOI: https://doi.org/10.1080/02687038.2019.1615335

MENN, L.; OBLER, L. K. Agrammatic Aphasia: a cross-language narrative study. Amsterdam: John Benjamin Publishing Company, 1990.

NEVES, M. H. M. Gramática Funcional: interação, discurso e texto. São Paulo: Contexto, 2018.

NOVAES-PINTO, R. C. Do fonológico ao discursivo: hipóteses sobre a produção da chamada “fala telegráfica” no contexto das afasias. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 49, n. 1, p. 135-151, 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.21165/el.v49i1.2624

NOVAES-PINTO, R. C. Qualitative Research in Neurolinguistics: the case of Word Finding Difficulties and related phenomena. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 60, n. 2, p. 425-451, 2018. DOI: https://doi.org/10.20396/cel.v60i2.8653310

NOVAES-PINTO, R. C. Funcionamento semântico-lexical: inferências a partir do estudo das afasias. Projeto de Pesquisa (Bolsa de Produtividade do CNPq), 2014.

NOVAES-PINTO, R. C. A Socio-Cultural Approach to Aphasia: contributions from the work developed at a Center for Aphasic Subjects. In: TAN, U. (ed.). Latest Findings in Intellectual and Developmental Disabilities Research. Rijeka: IntechOpen, 2012. p. 219-244. DOI: https://doi.org/10.5772/28256

NOVAES-PINTO, R. C. Dificuldades de encontrar palavras e produção de parafasias nas afasias e nas demências: inferências para o estudo da organização e do acesso lexical. Projeto de pesquisa (Bolsa de Produtividade do CNPq), 2010.

NOVAES-PINTO, R. C. A contribuição do estudo discursivo para uma análise crítica das categorias clínicas. 1999. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999.

NOVAES-PINTO, R. C. Agramatismo e processamento normal da linguagem. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 32, n. 1, p. 73-85, 1997. DOI: https://doi.org/10.20396/cel.v32i0.8636950

NOVAES-PINTO, R. C. Agramatismo: uma contribuição para o estudo do processamento normal da linguagem. 1992. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1992.

NOVAES-PINTO, R. C.; SANTANA, A. P. Semiologia das Afasias: uma discussão crítica. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 22, n. 3, p. 413-421, 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-79722009000300012

PADILHA, A. M. L. A obra de Maria Irma Hadler Coudry: Neurolinguística Discursiva como Revolução Conceitual-Metodológica para os estudos da Educação Especial. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 60, n. 2, p. 368-383, 2018. DOI: https://doi.org/10.20396/cel.v60i2.8648558

PEROTTINO, S. Neurolinguística Discursiva e transmissão – a questão da autoria. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 60, n. 2, p. 351-367, 2018. DOI: https://doi.org/10.20396/cel.v60i2.8648717

PEZATTI, E. G. GDF: Uma teoria gramatical ou uma teoria do uso? In: I Simpósio de Linguística Funcional – SILF, Três Lagoas, 2011.

POSSENTI, S. Sobre o Diário de Narciso. Ainda. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 60, n. 2, p. 562-565, 2018. DOI: https://doi.org/10.20396/cel.v60i2.8653125

PICK, A. Die agrammatischen Sprachstorungen. Berlin: Spring, 1913.

SOLOVIEVA, Y.; ROJAS, L. Q.; AKHUTINA, T.; HAZIN, I. Historical-Cultural Neuropsychology: a systemic and integral approach of psychological functions and their cerebral basis. Estudos de Psicologia, Natal, v. 24, n. 1, p. 65-75, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.22491/1678-4669.20190008

SOUZA-CRUZ, T. C. “Entrando pelo youtubo” – estudo discursivo da organização semântico-lexical: em foco a categorização. 2017. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2017.

TESAK, J.; DITTMANN, J. Telegraphic style in normals and aphasics. Linguistics, v. 29, p. 1111-1137, 1991. DOI: https://doi.org/10.1515/ling.1991.29.6.1111

TESAK, J.; NIEMI, J. Telegraphese and agrammatism: a cross-linguistic study. Aphasiology, v. 11, p. 145-157, 1997. DOI: https://doi.org/10.1080/02687039708248461

VYGOTSKY, L. S. A construção do Pensamento e da Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2009 [1934].

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 2006 [1978].

WERNICK, C. Der Aphasische Symptomencomplex: eine psychologische Studie auf anatomischer Basis. Breslau: Cohn & Weigert, 1874.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v49i2.2628

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)