Flutuação de grafia de palavras: aspectos morfossintáticos

Roberta Pereira Fiel

Resumo


Neste artigo, foram analisadas situações em que a sequência “o que” apresentava-se grafada de modo convencional (“o que”) e de modo não convencional (“oque”). Essas flutuações de grafia foram extraídas de textos de alunos que cursaram os quatro últimos anos do Ensino Fundamental (EF) em uma escola pública do interior paulista. Quanto aos resultados, verificou-se que: (i) o conjunto de sujeitos selecionados terminam o EF II com índice maior de “o que” grafado convencionalmente, todavia o índice de “oque” grafado não convencionalmente também aumenta; (ii) na flutuação gráfica “o que” e “oque”, são mobilizados dois type baseados na informação morfossintática, um type com funcionamento pronominal e um type com funcionamento interrogativo; e (iii) essa flutuação pode estar relacionada a aspectos prosódicos advindos da relação entre fala e escrita.


Palavras-chave


segmentação de palavras escritas; fala e escrita; flutuação de grafia de palavras

Texto completo:

PDF

Referências


ABAURRE, M. B. M. A relevância dos critérios prosódicos e semânticos na elaboração de hipóteses sobre segmentação na escrita inicial. Boletim da Abralin, Campinas, v. 11, p. 203-217, 1991.

ABAURRE, M. B. M.; FIAD, R. S.; MAYRINK - SABINSON, M. L. T. Cenas de aquisição da escrita: o trabalho do sujeito com o texto. Campinas: Mercado de Letras, 1997.

BISOL, L. Introdução a estudos de fonologia do Português Brasileiro. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1996

BISOL, L. O clítico e seu hospedeiro. Letras de hoje, Porto Alegre, v. 40, n. 3, p. 163-184, 2005.

BISOL, L. O clítico e seu status prosódico. Revista de estudos da Linguagem, Belo Horizonte, v. 9, n. 1, p. 5-30, 2000.

BYBEE, J. Mechanisms of change in grammaticalization: the role of frequency. In: JOSEPH, B.; JANDA, R. (ed.) The handbook of historical linguistics. Oxford: Blackwell, 2003.

CAPRISTANO, C. C. Mudanças na trajetória da criança em direção à palavra escrita. 2007. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007a.

CAPRISTANO, C. C. Segmentação na escrita infantil. v. 1. São Paulo: Martins Fontes, 2007b.

CAPRISTANO, C. C.; TICIANEL, G. F. Discurso direto e hipossegmentações na escrita infantil. Filologia e Linguística Portuguesa, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 233-259, jan./jun. 2014.

CHACON, L. Constituintes prosódicos e letramento em segmentações não-convencionais. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 39, n. 3, p. 223-232, 2004.

CHACON, L. Flutuação na segmentação de palavras: relações entre constituintes prosódicos e convenções ortográficas na escrita infantil. Filologia e Linguística Portuguesa, São Paulo, v. 15, p. 369-383, 2013.

CHACON, L. Ritmo da escrita: uma organização do heterogêneo da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

CHUTUMIÁ, D. I. As interrogativas -q do português de Moçambique: contribuição para uma análise comparativa com o português europeu e o português brasileiro. 2013. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Letras, Universidade do Porto, Porto, 2013.

CORRÊA, M. L. G. Heterogeneidade da escrita: a novidade da adequação e a experiência do acontecimento. Filologia e Linguística Portuguesa, São Paulo, n. 2, p. 269-286, 2006.

CORRÊA, M. L. G. O modo heterogêneo de constituição da escrita. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

FERNÁNDEZ, A. Y. et al. Avaliação e intervenção da disortografia baseada na semiologia dos erros: revisão da literatura. Revista CEFAC, São Paulo, v. 12, n. 3, p. 499-504, 2010.

FERNANDES, F. R. Ordem, focalização, e preenchimento em Português: sintaxe e prosódia. 2007. Tese (Doutorado) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007a.

FERNANDES, F. R. Tonal association in neutral and subject-narrow-focus sentences of Brazilian Portuguese: a comparison with European Portuguese. Journal of Portuguese Linguistics, v. 6, n. 1, p. 91-115, 2007b.

FIEL, R. P. Estudo longitudinal de hipossegmentações em textos do ensino fundamental II. 2018. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, São José do Rio Preto, 2018.

GUZZO, N. A prosodização de clíticos e compostos em Português Brasileiro. 2015. Tese (Doutorado em Letras) – Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.

MIOTO, C.; KATO, M. As interrogativas Q do português europeu e do português brasileiro atuais. Revista da ABRALIN, v. 4, n. 1 e 2, p. 171-196, dez. 2005.

NESPOR, M.; VOGEL, I. Prosodic phonology. Dordrechet: Foris Publications, 1986.

NESPOR, M.; VOGEL, I. Prosodic phonology: with a new foreword. Berlin: New York: Mouton de Gruyter. 2007.

PERINI, M. A. Interrogativas abertas (interrogativas –Q). In: PERINI, M. A. Gramática do português brasileiro. São Paulo: Ática, 2010. p. 124-125.

ROSA, M. C. Introdução à morfologia. São Paulo: Contexto, 2000.

ROSIGNOLI. C. C. O padrão entoacional das sentenças interrogativas parciais do português brasileiro em fala manipulada. Estudos linguísticos, São Paulo, v. 46, n. 1, p. 41-54, 2017.

SCHWINDT, L. C. S. et al. A influência da variável escolaridade em fenômenos fonológicos variáveis: efeitos retroalimentadores da escrita. Revista Virtual de Estudos da Linguagem – ReVEL, v. 5, n. 9, p. 1-12, ago. 2007.

SCHWINDT, L. C. S. et al. Palavra fonológica e derivação em português brasileiro: considerações para a arquitetura da gramática. In: BISOL, L.; COLLISCHONN, G.. (org.). Fonologia: teorias e perspectivas. 1. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2013. p. 15-28.

SILVA, L. M. da. Grafias não convencionais de preposições e sílabas pretônicas: pistas de prosodização de clíticos preposicionais. 2018. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, São José do Rio Preto, 2018.

SILVA, L. M. da. Um estudo longitudinal sobre as hipersegmentações de palavras escritas nos anos finais do ensino fundamental. 2014. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, São José do Rio Preto, 2014.

TENANI, L. E. Prosódia e escrita: uma análise a partir de (hiper) segmentações de palavra. 2016. Tese (Livre-docência) – Instituto de Biociências Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, São José do Rio Preto, 2016.

TENANI, L. E. Banco de dados de escrita do ensino fundamental II. São José do Rio Preto: Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, UNESP, 2015. Disponível em: http://www.convenios.grupogbd.com/redacoes/Login. Acesso em: 10 nov. 2015

TENANI, L. E. Hipersegmentação de palavras: análise de aspectos prosódicos e discursivos. Linguagem & Ensino, Pelotas, v. 16, n. 2, p. 305-326, 2013.

TENANI, L. E. A segmentação não-convencional de palavras em textos do ciclo II do Ensino Fundamental. Revista da ABRALIN, Brasília, v. 10, n. 2, p. 91-119, 2011.

TENANI, L. E. Segmentações não-convencionais e teorias fonológicas. Letras de Hoje, Porto Alegre. v. 39, n. 3, p. 233-244, 2004.

TENANI, L. E.; LONGHIN-THOMAZI, S. R. Oficinas de leitura, interpretação e produção textual no Ensino fundamental. Em Extensão, Uberlândia, v. 13, n. 1, p. 20-34, 2014.

TICIANEL, G. F. Discurso direto e hipossegmentações na aquisição da escrita. 2016. Dissertação (Mestrado em letras) – Universidade Estadual de Maringá, Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, 2016.

TONELI, P. M. A palavra prosódica em Português Brasileiro: o estatuto prosódico das palavras funcionais. 2007. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009.

TONELI, P. M. A palavra prosódica no português brasileiro. 2014. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014.

VIGÁRIO, M. O lugar do grupo clítico e da palavra prosódica composta na hierarquia prosódica: uma nova proposta. In: LOBO, M.; COUTINHO, M. A. (org.). Actas do XII Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística – Textos seleccionados. Lisboa: Colibri Artes Gráficas, 2007, p. 673-688.

ZORZI, J. L. Alterações ortográficas nos transtornos de aprendizagem. In: MALUF, M. I. (org.). Aprendizagem: tramas hipersegmentação de palavras do conhecimento, do saber e da subjetividade. Rio de Janeiro: Vozes; São Paulo, 2006. p. 144-162.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v49i1.2701

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)