De usos no presente aos usos no passado: a coleta de frases como técnica de leitura e de escrita

Autores

Palavras-chave:

história da leitura, técnica de leitura e escrita, frases destacadas, cultural digital.

Resumo

Fundamentadas por princípios da Análise do discurso e da História Cultural da leitura, e interessadas nos discursos sobre a leitura, no que em geral se diz sobre essa prática, neste artigo, apresentamos um breve panorama histórico de uma técnica de leitura e de escrita de longa-duração, que consiste na leitura, seleção, destacamento, coleção e emprego dessas frases em outros textos. Na atualidade, multiplicam-se gêneros próprios da cultura digital que se valem dessa técnica e que se apresentam como o resultado da articulação de fragmentos de textos verbais, de imagens, de sons. Das “mensagens em powerpoint”, passando pelas “mensagens compartilhadas” aos “memes”, somos testemunhas dessa cultura do fragmento que tem uma história, que se inscreve em uma memória e que tem impacto sobre o modo como hoje lemos e escrevemos nossos textos. É esse breve panorama que aqui apresentamos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luzmara Curcino, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, São Paulo, Brasil

Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, Brasil;

Referências

ABREU, M. Diferentes formas de ler. 2001. Disponível em: <http://www.unicamp.br/iel/memoria/Ensaios/Marcia/marcia.htm>. Acesso em: 09 ago. 2013.

ARISTÓTELES. Arte retórica e arte poética. Rio de Janeiro: Edições Ediouro; Tecnoprint S. A., 1979, (Coleção clássicos de ouro)

CAVALLO, G.; CHARTIER, R. Les modèles de lecture des temps modernes. (s/d). Disponível em: < http://classes.bnf.fr/livre/arret/auteur-lecteur/lecture/06.htm> Acesso em: 10 de jul. 2019

CHARTIER, R. A mão do autor e a mente do editor. Tradução George Schlesinger. São Paulo: Editora Unesp, 2014

______. Uma trajetória intelectual: livros, leituras, literaturas. In: ROCHA, J. C. de C. (Org.). Roger Chartier – A força das representações: história e ficção. Chapecó: Argos, 2011, p. 21-54.

______. Leituras e leitores populares: a Bibliotèque bleue e a literatura de colportage. 2009. Revista Desenredo, 1(1). https://doi.org/10.5335/rdes.v1i1.480

______. Os desafios da escrita. São Paulo: Editora da Unesp, 2002.

______. A ordem dos livros: leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1999

______. “Cultura Popular”: revisitando um conceito historiográfico. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, Fundação Getúlio Vargas, vol. 8, n.16, 1995, p. 179-180.

CHIARI, G.; SARGENTINI, V. Mentirosos, corruptos e comunistas! As Fake News e o politicamente incorreto. In: Discurso & Sociedad. Vol. 13, n. 3, Barcelona, 2019. (p.468-494). ISSN 449-467. Disponível em: http://www.dissoc.org/ediciones/v13n03/DS13%283%29OliveiraSargentini&Chiari.pdf

CURCINO, L. ‘Lives’ e Livros: Versículos e verdade na eleição presidencial brasileira. In: CURCINO, L.; SARGENTINI, V. PIOVEZANI, C. Discurso e (pós)verdade. 2020. (no prelo).

______. Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará: Livros na eleição presidencial de Bolsonaro. In: Discurso & Sociedad. Vol. 13, n. 3, Barcelona, 2019. (p.468-494). ISSN 1887-4606. Disponível em: http://www.dissoc.org/ediciones/v13n03/DS13%283%29Curcino.pdf

______. Suporte e sentido: questões de leitura e análise do discurso. In: Gregolin, M.R.V.; Kogawa, J. M. (orgs.) Análise do discurso e semiologia: problematizações contemporâneas. Araraquara: Laboratório Editorial / São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012. p. 189-205.

______. Princípios de não homologia entre o verbo e a imagem: breve análise de uma estratégia de escrita da mídia. In: Estudos Linguísticos, São Paulo, n. 40, vol. 3. set-dez 2011. p. 1398-1407.

______. Mutações do suporte e dos gêneros discursivos: indícios de mudanças da leitura e dos leitores? In: AGUIAR, V.T; CECCANTINI, J. L. (orgs.) Teclas e dígitos: leitura, literatura & mercado. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. p. 13 – 23.

______. Práticas de leitura contemporâneas: representações discursivas do leitor inscritas na revista VEJA. 2006 337p. Tese (Doutorado), FCLAR -Unesp, Araraquara São Paulo, 2006.

CURCINO, L.; SILVA, J. A. P. ‘Memes’ sobre a leitura: uma análise de enunciados destacáveis. In: Anais do SIELIPOP - Seminário Internacional de Estudos em Linguística Popular. 2020. (no prelo)

CURTIUS, E. R. Sentenças e Exempla In.: Literatura Europeia e Idade Média Latina; Tradução Teodoro Cabral (com colaboração de Paulo Rónai). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1957.

EISENTEIN, E. L. A revolução da cultura impressa: os primórdios da Europa Moderna. Trad. de Osvaldo Biato. São Paulo: Ática, 1998.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber; tradução Luiz Felipe Baeta Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014.

_______. 1926-1984. A escrita de si. In.: O que é um autor? Tradução Antonio Fernando Cascais. 1992.

GINZBURG, C. O queijo e os vermes: o cotidiano e as ideias de um moleiro perseguido pela Inquisição. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

KRIEG-PLANQUE, A. “Fórmulas” e “lugares discursivos”: propostas para a análise do discurso político. Entrevista com Alice Krieg-Planque por Philippe Schepens. In: MOTTA, A. R.; SALGADO, L. (Org.) Fórmulas discursivas. São Paulo: Contexto, 2011

MAN, J. A revolução de Gutenberg: a história de um gênio e da invenção que mudaram o mundo. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004.

MAINGUENEAU, D. A fala sentenciosa. In.: Frases sem texto; tradução Sírio Possenti [et al.] São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

MOSS, A. Les recueils de lieux communs: apprendre à penser à la Renaissance. Genève, Droz, 1993

SAENGER, P. A leitura nos séculos finais da Idade Média. In: CAVALLO, G.; CHARTIER, R. (orgs.). História da Leitura no mundo Ocidental. Vol. 1, São Paulo: Editora Ática, 1998. p. 147-184

ROSIN, P. Peculiaridades do exercício da função autor em redes sociais: uma análise discursiva de ‘mensagens compartilhadas’ pelo Facebook. Dissertação (Mestrado em Linguística) Universidade Federal de São Carlos (PPGL/UFSCar) 2016. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/9064

ROSIN, P.; CURCINO, L. Peculiaridades do exercício da função autor: uma análise discursiva de “mensagens compartilhadas” no Facebook. In: Revista Estudos Linguísticos. v. 44, n. 3, São Paulo, set-dez de 2015. p. 1155- 1167. Disponível em: https://revistas.gel.org.br/estudos-linguisticos/article/view/1046/648

SILVA, R. S. Controle remoto de papel: o efeito do zapping no jornalismo impresso diários. São Paulo: Annablume/FAPESP, 2007.

SOARES, M. B. Ler, verbo intransitivo. 2007. Disponível em: <http://www.leiabrasil.org.br/leiaecomente/valeoescrito/magda.htm> Acesso em: 10 mar. de 2009

Downloads

Publicado

27-12-2021

Como Citar

Rosin, P., & Curcino, L. (2021). De usos no presente aos usos no passado: a coleta de frases como técnica de leitura e de escrita. Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978), 50(3). Recuperado de https://revistas.gel.org.br/estudos-linguisticos/article/view/2984

Edição

Seção

Artigos