O booktrailer como estratégia de divulgação: o caso da obra de Hilda Hilst

Autores

  • Matheus Nogueira Schwartzmann Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), Assis, São Paulo, Brasil https://orcid.org/0000-0002-2887-3570
  • Gustavo Henrique Rodrigues de Castro Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara, São Paulo, Brasil https://orcid.org/0000-0003-4486-9579

Palavras-chave:

Hilst, Hilda, Paratexto, Práticas Semióticas, Semiótica Francesa

Resumo

Partindo do ponto de vista dos níveis de pertinência da análise semiótica (J. Fontanille), em diálogo com a noção de paratexto (G. Genette), esse artigo analisa como a prática de pré-venda de livro pode determinar a circulação de uma obra. Para isso, examinamos o booktrailer homônimo da obra Da poesia, da escritora brasileira Hilda Hilst [1930-2004], publicado no canal de Cia. das Letras no YouTube. Ao tomar o booktrailer como uma estratégia, e após discorrer sobre as especificidades do seu suporte formal, concluímos que a prática de pré-venda engloba a plataforma YT lhe conferindo uma função modal no interior da cena predicativa: firmar um contrato de compra e de leitura com o destinatário, por meio da oferta de valores literários e comerciais. Sob esse ponto de vista, o problema do “valor” (obra popular, canônica etc.) encontra sua pertinência para além do texto literário, nas interfaces que ele estabelece com outros sistemas socioculturais (o universo editorial, o universo acadêmico etc.) que determinam as modalidades de circulação e o estatuto da obra junto à cultura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARÊAS, Vilma; WALDMAN, Berta. Hilda Hilst – o excesso em dois registros. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro. 3 de out. 1989.

BARROS, Diana Luz Pessoa de. Teoria semiótica do texto. São Paulo: Ática, 2003.

BARROS, Diana Luz Pessoa de. Teoria do discurso: fundamentos semióticos. São Paulo: Humanitas, 2001.

BOURDIEU, Pierre. Uma revolução conservadora na edição. Política e sociedade. Revista de Sociologia Política. v. 17, n. 39, p. 198-248, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufscr/index.php/politica/article/view/21757984.2017v17n39p198/37845. Acesso em: jul. de 2018.

BURGESS, Jean; GREEN, Joshua. Youtube e a revolução digital: como o maior fenômeno da cultura participativa está transformando a mídia e a sociedade. São Paulo: Aleph, 2009.

AUTOR. Xxxx.

COMPANHIA DAS LETRAS. Book-trailer: Da poesia [on-line]. São Paulo: Companhia das letras, 2017. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=3P6f2 HeXEtM&t=18s. Acesso em: set. 2020.

DINIZ, Cristiano. Fico besta quando me entendem: entrevistas com Hilda Hilst. São Paulo: Biblioteca Azul, 2013.

FIORIN, José Luiz. As astúcias da enunciação. 2 ed. São Paulo: Ática, 2016.

FIORIN, José Luiz. Da necessidade de distinção entre texto e discurso. In: BRAIT, Beth; SOUZA-E-SILVA, Maria Cecília (Orgs.). Texto ou discurso? São Paulo: Contexto, 2012. p. 146-165.

FIORIN, José Luiz. Interdiscursividade e intertextualidade. In: BRAIT, Beth (Org.). Bakhtin: outros conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2010a. p. 161-193.

FONTANILLE, Jacques. Semiótica do discurso. 2. ed. Trad. Jean Cristtus Portela. São Paulo: Contexto, 2015.

FONTANILLE, Jacques. Pratiques Sémiotiques. Paris: PUF, 2008.

FONTANILLE, Jacques. Du support matériel au support formel. In: KLOCK-FONTANILLE, Isabelle; ARABYAN, Marc (Orgs.). L’écriture entre support et surface. Paris: L’Harmattan, 2005, p. 183-200.

GUALBERTO, Ana Cristina. Hilda Hilst e Beatriz Francisca de Assis Brandão: um diálogo sobre a autoria feminina. Revista Ártemis, v. 19, 16 out. 2015. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/artemis/article/view/26196/14090. Acesso em: set. 2020.

GREIMAS, Algirdas Julien; COURTÉS, Joseph. Dicionário de Semiótica. 2 ed. 3 reimp. São Paulo: Contexto, 2016.

HERINGER, Victor. Posfácio. In: HILST, Hilda. Da poesia. São Paulo: Contexto, 2017.

HOUAISS. Dicionário Eletrônico. Versão 3. 0. 1. 48. Editora Objetiva, 2009.

HILST, Hilda. Da poesia. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

LANDOWSKI, Eric. De la stratégie, entre programmation et ajustement. Nouveaux Actes Sémiotiques, n. 89-91. Limoges: Pulim, 2003.

PORTELA, Jean Cristtus. Conversations avec Jacques Fontanille. Revista Alfa. n. 50, v. 1. UNESP, 2006. p. 159-186. Disponível em: http://www.alfa.ibilce.unesp.br/download/ v5 0/1 2_ PORTELA.pdf. Acesso em: 30 ago. 2019.

AUTOR. Xxxx.

AUTOR. xxxxx.

AUTOR; xxxx.

SILVA, Cíntia Alves da. A prática da psicografia. Corpo e transmissão em relatos de experiência mediúnica. 2016. 361 p. Tese. (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/511/silva_ca_arafcl.pdf ?sey. Acesso em: out. 2018.

SCHCOLNIK, Fernanda. Hilda Hilst: escritora maldita? Estação Literária. Londrina, v. 12, p. 452-468, jan. 2014. Disponível em: http://www.uel.br/pos/letras/EL/vagao/EL12-Art29.pdf. Acesso em: set. 2020.

ZILBERBERG, Claude; FONTANILLE, Jacques. Tensão e significação. São Paulo, Discurso Editorial/Humanitas, 2001.

Downloads

Publicado

27-12-2021

Como Citar

Schwartzmann, M. N., & Castro, G. H. R. de . (2021). O booktrailer como estratégia de divulgação: o caso da obra de Hilda Hilst. Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978), 50(3). Recuperado de https://revistas.gel.org.br/estudos-linguisticos/article/view/3062

Edição

Seção

Artigos